APL prepara o lançamento de oito novas obras neste sábado (7)

A Academia Piauiense de Letras (APL) promove no próximo sábado, 07 de dezembro, o lançamento de 8 novas obras literárias, que valorizam a cultura e a história do Piauí. O evento será realizado a partir das 10 horas na sede da instituição, localizada na Avenida Miguel Rosa, em Teresina.

Parte das produções integra a Coleção Século XXI: Livros à Macheia, de Reginaldo Miranda; O Tecido das Águas, de Nathan Sousa; Albertão, Um Sonho Realizado – 46 anos, do Professor Celso Carvalho; e Um Canto para uma imaginada índia, de Rita de Cássia Amorim Andrade. Já pela Coleção Centenário serão lançados os livros: Obra Reunida, do Padre Cláudio Melo; Modernismo e Vanguarda – 1ª edição, de M. Paulo Nunes; Lesão e Contrato no Direito Brasileiro, de Wilson de Andrade Brandão; além de A. Tito Filho do Grau ao Graal, de Humberto Guimarães.
A coleção traz aos piauienses obras que reúnem informações, histórias, fatos, relatos e imagens que retratem a história da Academia. “Estamos realizando uma série de eventos em homenagem aos 100 anos da APL; a Coleção Centenário é um desafio editorial e não tem nada similar no Brasil”, indicou o presidente da APL, Nelson Nery Costa.
A instituição está desenvolvendo uma programação desde dezembro de 2017 em que comemora os seus 100 anos. Entre os eventos, já ocorreu a entrega da Medalha do Centenário a mais de 50 personalidades que contribuíram ou tem contribuído para a literatura piauiense. Também já ocorreu a inauguração do Museu da Cultura Literária Piauiense, instalado na Casa de Lucídio Freitas, sede da Academia.
Além disso, a Coleção Centenário vem, desde 2016, fazendo um resgate de obras antigas, importantes, escritas por intelectuais renomados, que tratam sobre o Piauí e sobre tudo que se relaciona com o Estado.

Piauí deve igualar média nacional do PIB per capita apenas em 2100

A Academia Piauiense de Letras promoveu no último dia  29 de novembro, o Seminário Piauí 2100, que discutiu as perspectivas estaduais para o futuro, em suas mais distintas nuances, tanto cultural, como socioeconômica. A abertura foi feita pelo presidente da instituição centenária, Nelson Nery Costa e pela coordenadora do Seminário, a jurista Fides Angélica.

Na primeira parte do evento foram realizados os painéis sobre o Panorama Atual Piauiense, com o Conselheiro de Educação Antônio José Medeiros; o Secretário Municipal de Educação de Teresina, Prof. Kléber Montezuma; e o Professor e imortal Dilson Lages discutirá sobre as “Perspectivas Culturais do Piauí em 2100”.

Na sequência ocorrerem os painéis sobre “O Piauí rumo a 2100”, com a presença do deputado federal Júlio César Lima, que tratou sobre “As potencialidades naturais do Piauí no sec. XXI”; do advogado Ezequias Gonçalves Costa, que discutiu sobre “Desenvolvimento Socioeconômico Piauiense”; e o acadêmico, economista e ex-deputado federal Felipe Mendes de Oliveira, que comentou sobre “Economia Piauiense – atualidades e perspectivas”.

Durante a sua explanação, Antônio José Medeiros fez uma síntese da economia piauiense, indicando que ainda há uma disparidade entre o PIB (Produto Interno Bruto) per capita do Piauí e o PIB per capita nacional. Com o atual ritmo de crescimento, o pesquisador indicou que o Estado só deve se equiparar à média em meados de 2100. “Se crescermos duas vezes o que cresce o PIB do Brasil, só igualaremos o PIB do Brasil em 2013, porque são 60% que temos que recuperar. Se crescer três vezes mais, atingiremos em 2058, e se crescer quatro vezes mais atingiremos em 2043, se crescêssemos quatro vezes mais seria mais seguro”, frisou.

Piauí tem crescimento de 4,2%

Durante o painel na Academia Piauiense de Letras, Antônio José Medeiros ainda frisou para o crescimento assinalado no PIB piauiense nos últimos anos. “Nos últimos 16 anos, 2002 a 2016, série histórica que o IBGE vem calculando o PIB para todos os Estados, todos os municípios com a mesma metodologia, nós atingimos em média 4,2% e o Brasil cresceu 2,4%, não chegamos a crescer o dobro do Brasil, nesse ritmo só vamos igualar o PIB Per capita provavelmente em torno de 2100 mesmo, será que conseguiremos acelerar esse ritmo? É um desafio, porque tudo indica que o Brasil vai recuperar um ritmo de crescimento”, afirmou.

O palestrante também colaborou com uma visão sobre o uso tecnológico no futuro e a força que ele deve ganhar em todos os processos da vida. “A segunda perspectiva metodológica é analisarmos os processos, o processo de maior impacto histórico que estamos vivendo e provavelmente nos próximos 20 anos pelo menos é a chamada revolução da telemática, mistura da informática e da comunicação à distância, é o computador casado com o satélite, em geral desde que nossa civilização se tornou de base científica-tecnológica, são as revoluções tecnológicas que promovem o impacto. É uma revolução que tem como característica não só a rapidez, liquidez, mas a inovação, e é muito difícil fazer uma previsão quando você usa a perspectiva da inovação, de modo que é bem difícil prever como vai se chegar daqui a 80 anos”, complementou.

APL elege Moisés Reis e completa quadro de 40 membros

 

Em processo eleitoral realizado neste sábado, 23 de novembro, a Academia Piauiense de Letras elegeu como novo imortal o escritor e advogado Moisés Ângelo Reis, com 30 votos.

 

Ao todo, 33 acadêmicos estiveram presentes na eleição. O escritor disputava a cadeira na instituição centenária com a professora Rosa Pereira, que obteve 2 votos. Apenas um acadêmico votou em branco. Foram registradas ainda cinco ausências.

 

Agora, a instituição centenária completa o quadro de 40 imortais.

Moisés Reis ocupará a cadeira de n° 28. O advogado tem uma vasta obra na área jurídica, chegou a disputar a cadeira nº 24 quando foi eleita a arqueóloga Niéde Guidon.

 

A comissão eleitoral responsável pela votação e apuração foi formada pelos imortais Fonseca Neto, Magno Pires, Reginaldo Miranda, Elmar Carvalho e Dilson Lages. “Foi um processo normal, tranquilo, a Academia se encaminha para ter seus 40 membros, é a Academia se renovando. É o processo que vai acontecer, um dia vai acontecer comigo”, indicou Fonseca Neto. 

Weliton Carvalho lança livro ‘Ócios do Ofício’ na APL

Em solenidade bastante prestigiada, a APL (Academia Piauiense de Letras) lançou na noite desta sexta-feira (22) o livro ‘Ócios do Ofício’, do juiz e escritor Weliton Carvalho.

Entre as presenças no evento literário vários amigos, acadêmicos, desembargadores, outros escritores piauienses, juízes e várias autoridades que prestigiaram o momento.

O acadêmico José Omar Carvalho fez a apresentação da obra. “Weliton é um literato na verdadeira acepção da palavra”, afirmou. Este é o quinto livro de Weliton Carvalho.

Segundo o autor a nova obra faz parte de sua predileção pela base existencialista.
O presidente da APL e do Conselho de Cultura do Piauí, Nelson Nery Costa, ressaltou que a participação da Academia no apoio a Cultura e aos escritores piauienses é fundamental pra a própria existência da APL.

A obra traz uma linguagem poética e uma reflexão existencialista da vida. A publicação da editora Instituto Memória tem apresentação feita pelo engenheiro, escritor e membro da Academia Maranhense de Letras, José Ewerton Neto.

Elogio – A obra também foi bastante elogiada por José Neres, ´professor de Literatura, membro da AML e da Sobrames.

Valdeci Cavalcante tomou posse na noite de quinta-feira (21) como membro da Academia Piauiense de Letras (APL)

O empresário e escritor Valdeci Cavalcante tomou posse na noite de quinta-feira (21) como membro da Academia Piauiense de Letras (APL). O evento foi prestigiado por uma série de personalidades da cultura e política local, como o advogado Nelson Nery Costa, o ex-governador Hugo Napoleão, os deputados federais Júlio César e Flávio Nogueira, e o presidente do Sebrae no Piauí Freitas Neto.

 

O advogado e presidente da Fecomércio assume a Cadeira nº 17, que teve como Patrono Raimundo de Arêa Leão e último ocupante João Paulo dos Reis Veloso. Como escritor, Valdeci Cavalcante é autor de cinco livros, membro da Academia Maçônica de Letras do Piauí, e das Academias de Letras de Campo Maior, de Parnaíba e de Sete Cidades, no Piauí.

 

Dentre as obras escritas por Valdeci Cavalcante está “A Lei Divina e a Consciência”, que trata sobre consciência, moral, religiões, espiritismo e maçonaria. Tal como o livro ‘Oriente Médio – História, Religião, Tradição, Valores, Cultura e Empreendedorismo’.

 

Novo imortal da APL será eleito neste sábado (23)

Os imortais da Academia Piauiense de Letras se reúnem neste sábado (23) para escolher o nome que irá substituir o imortal desembargador Manfredi Mendes de Cerqueira, ocupante da cadeira número 28, falecido em 3 de junho.

São candidatos Moises Reis e Rosa Pereira. O eleito ocupará a cadeira de n° 28.  A escolha será realizada na sede da APL a partir das 11 horas e logo em seguida a apuração.

Conforme o regimento interno, para ser eleito, o candidato deve obter maioria absoluta. Ao todo, estão aptos a votar 39 imortais. O advogado Moises Reis, que tem vasta obra na área jurídica, chegou a disputar a cadeira nº 24 quando foi eleita a arqueóloga Niéde Guidon.

Já Rosa Ribeiro, é graduada em letras/ português pela Universidade Estadual do Piauí, tem pós-graduação em gestão e Supervisão Escolar e é professora na rede pública de Campo Maior.

A comissão eleitoral responsável pela votação e apuração é formada pelos imortais Fonseca Neto, Magno Pires, Reginaldo Miranda, Elmar Carvalho e Dilson Lages.

Livro ‘Ócios do Ofício’ traz reflexão existencialista da vida

A Academia Piauiense de Letras promove nesta sexta-feira, 22 de novembro, o lançamento beneficente do livro ‘Ócios do Ofício’, do juiz e escritor Weliton Carvalho. A obra traz uma linguagem poética e a reflexão existencialista da vida. Concisão e beleza são os tons da publicação da editora Instituto Memória. O evento será realizado na sede da APL, localizada na avenida Miguel Rosa, a partir das 19h30.

A apresentação do livro é feita pelo engenheiro, escritor e membro da Academia Maranhense de Letras, José Ewerton Neto, que sintetiza o espírito humanitário dos poemas.  “Ócios do ofício? A expressão remete a outra bem mais conhecida e que, dentro da ideia que se estabelece, chega a ser pertinente ou semelhante. Poderia ser “ossos do ofício”, insinuando o sacrifício inerente a essa missão: isso de sair à caça de palavras para arquitetar a tessitura da página. Mas o autor sugere (propositadamente) que sejam “ócios do ofício” – e deixará que a leitura dos poemas nos faça entender o porquê”, indica.

José Ewerton Neto aponta a sutileza da obra do poeta Weliton Carvalho. “Ossos do ofício remete a labuta, a dificuldade e a cansaço…, porém, desde cedo, a leitura do texto promove de forma contundente a mais precisa adequação da palavra ócio, porque aqui não nos deparamos apenas com dilaceração e angústia. A suavidade e a sutileza do resultado poético, tangendo o sublime, significam a tensão sobrepujada: primeiro, a busca; depois, o encontro; e, mais tarde, a superação. Os ossos do ofício tornaram-se menos duros, mais tênues e contemplativos, em meio aos devaneios”.

A obra também foi bastante elogiada por José Neres, ´professor de Literatura, membro da AML e da Sobrames. “Como ocorre em outros trabalhos seus, neste livro, a linguagem e o tempo, com suas inexoráveis consequências são dois dos elementos norteadores da poética de Weliton Carvalho. Não a mera, porém essencial passagem de dias, horas, semanas, meses e anos; nem o ato comunicativo em si, como forma de interação social, estrutura ou expressão do pensamento, pois, segundo o Poeta, “o problema reside na linguagem”, “as palavras criam o mundo”, e tudo leva à certeza daquilo que o tempo não nos faz esquecer: “impossível voltar, /a vida apenas desata””, destaca.

Valdeci Cavalcante será empossadona Academia Piauiense de Letras

Eleito em outubro, o empresário Valdeci Cavalcante será empossado como membro da Academia Piauiense de Letras (APL) na próxima quinta-feira, 21 de novembro, a partir das 19h30 em solenidade no Tribunal de Justiça.

O advogado e presidente da Fecomércio assumirá a Cadeira nº 17, que teve como Patrono Raimundo de Arêa Leão e último ocupante João Paulo dos Reis Veloso. Como escritor, Valdeci Cavalcante é autor de cinco livros, membro da Academia Maçônica de Letras do Piauí, e das Academias de Letras de Campo Maior, de Parnaíba e de Sete Cidades, no Piauí.

Dentre as obras escritas por Valdeci Cavalcante está “A Lei Divina e a Consciência”, que trata sobre consciência, moral, religiões, espiritismo e maçonaria. Tal como o livro ‘Oriente Médio – História, Religião, Tradição, Valores, Cultura e Empreendedorismo’.
Atualmente, a Academia Piauiense de Letras conta com 37 membros, porém, uma nova eleição será realizada no próximo dia 23 para a ocupação da cadeira 28, que anteriormente era ocupada por Manfredi Cerqueira.  Nisso, a expectativa é que até o fim de 2019 todos os 40 assentos da casa estejam ocupados.

Plínio Macedo é empossado como novo imortal da APL

Aconteceu na noite deste sábado (09) a posse do novo imortal da Academia Piauiense de Letras, o Prof. Dr. Plínio da Silva Macêdo. O professor da Universidade Federal do Piauí ocupa agora a Cadeira de n° 03 que teve como Patrono Joaquim Sampaio Castelo Branco e último ocupante Jesualdo Cavalcanti Barros.

 

Emocionado, o novo imortal agradeceu. “Sinto-me honrado em ocupar hoje a cadeira de número 03 nesta distinta Academia Piauiense de Letras. Aqui quero contribuir ainda mais com a construção da literatura piauiense”, disse o Prof. Dr. Plínio da Silva Macêdo.

 

O presidente da APL, acadêmico Nelson Nery Costa destacou a recepção do novo acadêmico. “Plínio tem um excelente currículo e está chegando à Academia por suas qualidades técnicas e, acima de tudo, pelo seu olhar pela história da medicina e dos cursos de saúde. Ele não se restringe apenas a obras técnicas da odontologia, mas também trabalha com a historicidade e como a saúde funciona no Piauí”, destacou Nelson Nery Costa.

 

O Prof. Dr. Plínio da Silva Macêdo é Professor Titular do Departamento de Patologia e Clínica Odontológica do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Como Escritor e Pesquisador, foi colaborador do livro Distâncias Biológicas Periodontais: Princípios para a Reconstrução Periodontal, Estética e Protética. Ed. Artes Médicas,2011. Publicou o livro Médico, Medicina e Humanismo no Sertão. Ed. Novo Século, 2011; é Coautor do livro Curso de Medicina da UFPI 50 Anos. Edufpi,2018. Coautor do livro Apontamentos para a História da Medicina no Piauí. Publicou recentemente 10 artigos em periódicos especializados e tem mais de 100 trabalhos em anais de eventos no Brasil e no exterior, incluindo Lingual Osteoma, Oral Maxillofacial Surgery Cases,2018; Um Paralelo entre o Médico nas Novelas de Luigi Pirandello e o Médico na Sociedade Brasileira Contemporânea, Rev. Iberoamericana de Bioética, 2019; e Medicina, Bioética e Literatura: Um Vínculo Atemporal, 3º lugar Concurso Artigos Científicos IX Cong. Bras. Direito Médico-CFM,2019.

 

Conheça mais sobre o currículo do Prof. Dr. Plínio da Silva Macêdo

Graduou-se em Odontologia pela Universidade Federal do Piauí-UFPI (1981). Especialista em Periodontia-CFO e em Prótese-FOB-USP (1985). Mestre em Reabilitação Oral-Periodontia pela USP-FOBauru (1986) e Doutor em Odontologia-Periodontia pela Universidade de São Paulo-Faculdade de Odontologia de Bauru (1990). Atualmente é Professor Titular da UFPI desde 2014, sendo 1º Professor Concursado (1991) com o Título de Doutor da UFPI (1992). Prof. Associado (2006-2014). Representante eleito do Conselho Departamental do CCS no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão-CEPEx e Membro do Conselho Universitário-CONSUN-UFPI (2017-2019).

 

Membro Acadêmico Titular da Cadeira nº 2 (1º piauiense) da Academia Brasileira de Odontologia-AcBO, sede Rio de Janeiro (2017-). Membro Acadêmico Titular Fundador Cadeira nº 13 (2000-), Diretor Científico (2010-18 e18-) e Vice-Presidente Eleito da Academia Piauiense de Odontologia-APO (2014-2017). International Member of American Academy of Periodontology-AAP. Active Member of International Academy of Periodontology-IAP. Membro da União Brasileira de Escritores-UBE (SP). Presidente Fundador e Reeleito da Associação Brasileira de Odontologia-ABO-PI (1987-1991). Membro Fundador do Comitê de Ética em Pesquisa-UFPI (1997-2002). Professor, Orientador Fundador e do Colegiado do 1º Mestrado do Centro de Ciências da Saúde-CCS, em Saúde Coletiva, e Ciências e Saúde da UFPI, tendo formado mais de 30 Mestres (1999-2006). Membro Corpo Editorial Brazilian Journal of Periodontology(2005-). Revisor da RGO-Revista Gaúcha de Odontologia. Consultor do Brazilian Oral Research (2009-2019;Suppl.). Consultor Científico da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado do Piauí-FAPEPI.

Academia Piauiense de Letras lança 8 obras neste sábado

Valorizando a literatura local, a Academia Piauiense de Letras lança neste sábado, 09 de novembro, oito novas obras para o público em geral. O evento ocorrerá a partir das 10h na sede da instituição centenária, que fica localizada na avenida Miguel Rosa.

Pela coleção ‘Século XXI’ serão lançados os títulos: VIET, de Guilherme Nery Costa; Dez em Conto, de Nelson Nery Costa; Minha Terra e Minha Gente, de José Sérgio dos Reis Júnior; O Clone, de Rubens Nery Costa; bem como Da Costa e Silva em Quadrinhos, de Nelson Nery e Caio Oliveira; e Mandu Landino em Quadrinhos, de Leandro Fernandes e Narciso.

Já da coleção ‘Centenário’ os títulos lançados são: Caminho de Perdição, de Castro Aguiar; e Modernismo de Vanguarda – 1ª série, de M. Paulo Nunes.

A coleção traz aos piauienses obras que reúnem informações, histórias, fatos, relatos e imagens que retratem a história da Academia. “Estamos realizando uma série de eventos em homenagem aos 100 anos da APL; a Coleção Centenário é um desafio editorial e não tem nada similar no Brasil”, indicou o presidente da APL, Nelson Nery Costa.
A instituição está desenvolvendo uma programação desde dezembro de 2017 em que comemora os seus 100 anos. Entre os eventos, já ocorreu a entrega da Medalha do Centenário a mais de 50 personalidades que contribuíram ou tem contribuído para a literatura piauiense. Também já ocorreu a inauguração do Museu da Cultura Literária Piauiense, instalado na Casa de Lucídio Freitas, sede da Academia. Além disso, a Coleção Centenário vem, desde 2016, fazendo um resgate de obras antigas, importantes, escritas por intelectuais renomados, que tratam sobre o Piauí e sobre tudo que se relaciona com o Estado.