Acadêmico fala na APL sobre formas poéticas curtas

O médico, professor e acadêmico Luiz Ayrton Santos Júnior vai proferir palestra sobre “Formas poéticas curtas” na sessão de sábado (11/09) da Academia Piauiense de Letras.

Ele foi convidado pelo presidente da APL, Zózimo Tavares, para compartilhar com os acadêmicos e demais interessados os seus estudos sobre as formas poéticas curtas.

Luiz Ayrton é também poeta e vai falar sobre cheritas, pantum e hai- kai e outras formas poéticas que ganham um número cada vez maior de admiradores e praticantes em todo o mundo.

A conferência do acadêmico será proferida em sessão especial que será transmitida pela TV APL, o canal da Academia no YouTube.

APL guarda luto pelo falecimento de Nildomar

A Bandeira da Academia Piauiense de Letras foi hasteada hoje (23/08) a meio-mastro, na sede da instituição, em sinal de luto pelo falecimento do acadêmico Nildomar da Silveira Soares.

O acadêmico faleceu ontem (22/08), em Teresina, aos 84 anos, em decorrência de complicações da Covid-19.

Ele ocupava a Cadeira 22 da APL. Sua posse ocorreu em 27 de setembro de 2000, com discurso de recepção pronunciado pelo acadêmico Camillo Filho.

O presidente da Academia, Zózimo Tavares, afirmou que Nildomar da Silveira Soares era um dos acadêmicos mais queridos e mais atuantes, sempre colaborando com as atividades da Casa de Lucídio Freitas.

NOTAS DE PESAR PELO FALECIMENTO DE NILDOMAR

Governo do Estado

O Governo do Estado do Piauí lamenta o falecimento do professor, escritor e desembargador Nildomar da Silveira Soares, que faleceu neste domingo (22).

Ao tempo que, neste momento de dor, o Governo do Piauí expressa as mais sinceras condolências à família e amigos, enaltece seu compromisso com o trabalho que assumiu e suas contribuições ao Direito e à Justiça, portanto uma grande perda para o Piauí.

Tribunal de Justiça

É com o mais profundo pesar, que o Tribunal de Justiça do Estado do Piauí lamenta o falecimento do desembargador aposentado Nildomar da Silveira Soares, 86 anos, ocorrido neste domingo (22) em Teresina, devido a complicações da covid-19.

Além da carreira como magistrado do Tribunal de Justiça, Nildomar também foi presidente da OAB Piauí, e assessor jurídico do Banco do Brasil e da Prefeitura de Teresina.

Atualmente, Nildomar da Silveira também era membro da Academia Piauiense de Letras, e recentemente, lançou a obra ‘Retalhos da Memória’.

O presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, Desembargador Oliveira se solidariza com a família e amigos ao tempo em que manifesta condolências a todos.

Prefeitura de Teresina

A Prefeitura de Teresina lamenta o falecimento do desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Piauí, Nildomar da Silveira Soares.

O magistrado, que teve carreira de relevância no judiciário piauiense, é pai do chefe da assistência jurídica da prefeitura de Teresina, Sérgio Wilson Soares.

O prefeito Dr. Pessoa se solidariza com a família enlutada ao tempo em que manifesta condolências a todos.

TRT do Piauí

O TRT 22, por meio de sua Presidência, lamenta o falecimento do desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Estado, Nildomar da Silveira Soares. Sua Excelência, quando exerceu o cargo de presidente da seccional Piauí da OAB, foi um dos que subscreveram o projeto de criação do TRT 22. 

Além de magistrado, foi professor e integrou a Academia Piauiense de Letras. Esta Corte se solidariza com os familiares e amigos.

OAB-PI

A OAB Piauí hoje perdeu um dos maiores personagens de sua história. Nossa homenagem ao ex-presidente da OAB Piauí Nildomar Silveira que hoje nos deixou para a morada do Pai. Pessoa admirável e companheiro de jornadas na OAB com quem sempre pude confiar e isso muito me orgulhava. Contemporâneo de meu pai no Banco da Lavoura, tínhamos uma amizade fraterna desde sempre.

Dr. Nildomar dignificou todos os dias que serviu à Instituição nas funções de Secretário, Vice-presidente e de Presidente (1991/1993) e para júbilo da OAB Piaui foi escolhido por nós para nos representar no Tribunal de Justiça na vaga do quinto constitucional. Ele dignificou a Toga, honrou a OAB e deixa um exemplo de cidadão probo, profissional extremamente organizado e culto e que realizou com certeza os seus sonhos ao lado de sua querida esposa Salete e dos seus filhos Sérgio, Marcelo e Nildomar Filho e netos.

Nossa solidariedade à querida família e a nossa gratidão ao Mestre Nildomar.

Celso Barros Coelho Neto, Presidente da OAB-PI.

Ministério Público

O Ministério Público do Estado do Piauí expressa profundo pesar pelo falecimento do Desembargador aposentado Nildomar da Silveira Soares, grande magistrado, imortal da Academia Piauiense de Letras, ex-presidente da OAB Piauí e notório jurista.

Solidarizamo-nos com a família e os amigos enlutados e com o Tribunal de Justiça do Estado do Piauí, manifestando condolências.

Justiça Federal

A Justiça Federal no Piauí manifesta profundo pesar pelo falecimento, hoje (22), do desembargador aposentado do Tribunal de Justiça do Piauí, Nildomar da Silveira Soares, tio materno do juiz federal Sandro Helano Soares Santiago, titular da 6ª Vara da Seção Judiciária do Piauí.
Ocupante da Cadeira nº 22 da Associação Piauiense de Letras (APL), Nildomar da Silveira Soares é autor de várias livros na área do Direito. Em 2017, publicou o “Livro do Centenário”, nas celebrações dos 100 anos da APL.
Neste ano, publicou a obra memorialista “Retalhos da Memória”, escrita ao longo da pandemia da Covid-19, e que compreende o período de 1937, ano do seu nascimento, a 2021.
Neste momento de dor, a Seção Judiciária do Piauí se solidariza com seus familiares e amigos e expressa as mais sinceras condolências pela perda de quem tanto contribuiu com a Justiça e as Letras do nosso Piauí.

Juiz Federal Nazareno César Moreira Rêis
Diretor do Foro da Seção Judiciária do Piauí

AMAPI

É com o mais profundo pesar que a Associação dos Magistrados Piauienses recebe a notícia do falecimento do Desembargador aposentado Nildomar da Silveira Soares, ocorrido na tarde deste domingo (22), em Teresina.

A partida do Desembargador Nildomar, que exerceu valorosamente a Magistratura, deixa o Judiciário piauiense enlutado. Com uma trajetória de dedicação à Justiça, foi Patrono do Fórum da Comarca de Marcolândia. Patrono da Sala dos Desembargadores Aposentados do Tribunal de Justiça do Piauí, instalada no Prédio Anexo. Patrono do Anexo do Juizado Especial Cível e Criminal da Vila da Paz. Relator de 284 Acórdãos publicados, até 09 de agosto de 2010, no Site do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí.

Além da carreira como magistrado do Tribunal de Justiça, Nildomar também foi presidente da OAB Piauí e assessor jurídico do Banco do Brasil e da Prefeitura de Teresina.

Nildomar da Silveira também era membro da Academia Piauiense de Letras, ocupante da cadeira de número 22. Recentemente, ele lançou a obra Retalhos de Memórias.

Neste momento de consternação, a Amapi se solidariza com familiares e amigos, prestando-lhes condolências, rogando a Deus para que consolem a todos os enlutados neste difícil momento.

Juiz Leonardo Brasileiro, 
Presidente da AMAPI

Piauí perde Nildomar da Silveira Soares

O desembargador, escritor e acadêmico Nildomar da Silveira Soares faleceu hoje (22/08), no início da tarde, por complicações decorrentes da Covid-19.

Ele tinha 84 anos e ocupava a Cadeira 22 da Academia Piauiense de Letras, na qual tomou posse em 27 de setembro de 2000.

Nildomar da Silveira Soares foi internado há dez dias, depois de ser diagnosticado com a Covid-19, chegando a ser entubado no último dia 17.

Ele não resistiu às complicações da doença e faleceu no começo da tarde. O sepultamento será no final da tarde, no cemitério Jardim da Ressurreição, em cerimônia reservada apenas à família.

A APL divulgou Nota de Pesar pelo falecimento do acadêmico.

Desembargador tomou as duas doses da vacina

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, afirmou que instituição recebeu com muita tristeza a notícia do falecimento do acadêmico Nildomar da Silveira Soares.

Segundo ele, os acadêmicos vinham acompanhando as notícias da internação do desembargador Nildomar desde o início.

O próprio desembargador postou no grupo de WhatsApp da APL que tinha contraído a Covid-19 e que estava a caminho da internação.

Os acadêmicos tinham a mesma confiança da família na sua recuperação, pois Nildomar havia tomado as duas doses da vacina contra a Covid-19 e também a da H1N1.

Nildomar com os pais, quando criança, em Teresina

Da OAB ao TJ

Nildomar da Silveira Soares nasceu em Teresina, em 27 de novembro de 1937. Filho de Domingos Cordeiro Soares e Nilza da Silveira Soares.

Concluiu, em 1955, o Curso Científico no Internato do secular Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Formado pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro (1961).

Membro, representante da OAB-PI, na Comissão Examinadora do Concurso para o cargo de Juiz de Direito Adjunto do TJ/PI (1977). Secretário, Vice-presidente e Presidente da OAB – Piauí (1986/1991). Professor, desde 1988, da Escola Superior de Magistratura do Estado do Piauí. Chefe da Assessoria Jurídica do Banco do Brasil.

Juiz Eleitoral Substituto do TRE-PI. Juiz Conciliador do Juizado Especial Cível de Teresina (1991/1992). Assistente Jurídico do Prefeito de Teresina (1993/2002).

Membro efetivo do Instituto dos Advogados Brasileiros e da Academia Piauiense de Letras.

Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí, empossado em 22 de abril de 2003.  Aposentou-se em 27 de novembro de 2007. Patrono do Fórum da Comarca de Marcolândia. Patrono da Sala dos Desembargadores Aposentados do Tribunal de Justiça do Piauí, instalada no Prédio Anexo. Patrono do Anexo do Juizado Especial Cível e Criminal da Vila da Paz.

Era casado com a professora Salete, com quem teve três filhos: Nildomar Filho, Marcelo e Sérgio.

Nildomar e Salete, na celebração do Jubileu de Ouro

Capas dos últimos livros lançados por Nildomar

Livros sobre Direito, Literatura e Memória

Nildomar da Silveira Soares escreveu e publicou vários livros na área jurídica, todos eles com grande aceitação: “Juizado Especial Civil – A Justiça da Era Moderna”, em 3ª edição, Editora Letras – São Paulo, 1996; “Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Estado do Piauí”, 1996; “Princípios Elementares da Organização Judiciária do Estado do Piauí”, 1997; “Eleições 98 – Lei nº. 9.504/97”, 1998; “Leis Básicas do Estado do Piauí”, 2000; “Leis Básicas do Município de Teresina”, em 3ª edição, 2001; “Leis Básicas do Judiciário Piauiense”, 2001; “Constituição do Estado do Piauí”, atualizada até 2003.

Na celebração dos 100 anos da Academia Piauiense de Letras, em 2017, ele publicou o “Livro do Centenário”. Trata-se de um livro-álbum que conta a história da Academia, ilustrada com a reprodução de documentos e de imagens de época.

No início deste ano, ele publicou o livro “Retalhos de Memórias”, escrito durante o isolamento social decorrente da pandemia da Covid-19.

Nildomar participava ativamente dos eventos virtuais da APL e tomava todas as precauções para evitar o contato com o vírus da Covid-19.

A despedida dos acadêmicos

Vários acadêmicos se manifestaram sobre a falecimento de Nildomar da Silveira Soares através do Grupo de WhatsApp da APL.

O médico e acadêmico Dagoberto Carvalho Júnior escreveu de Recife: “Admirador do confrade Nildomar Silveira, sobre quem escrevi recente memória, associo-me à saudade do bom amigo. Marcou um tempo em nossa ilustre Casa de Lucidio Freitas”.

O vice-presidente da Academia, Magno Pires, postou: “A tragédia mundial  da pandemia acaba de sacrificar mais um ser humano – O nosso querido e estimado Nildomar. Morte lamentável sob todos os aspectos. Nildomar era um ser humano querido e amado na APL. Deus o conserve no melhor lugar da corte celestial. ADEUS, AMIGO!”

Do primeiro secretário da APL, professor e acadêmico Fonseca Neto: “A Covid não é gripezinha e nosso confrade tinha cuidados de si”.

O ex-presidente da APL, Nelson Nery Costa, escreveu: “Muito triste. Era meu parente. Grande ser humano. Tristeza para todos nós”.

O juiz aposentado e poeta Elmar Carvalho postou: “Lamento demais. Gostava do confrade e amigo Nildomar. Sempre o considerei um homem honrado, digno e bom. Que Deus o receba em sua Glória e dê conforto a seus familiares”.

O médico e acadêmico Luiz Ayrton Santos Júnior escreveu: “Lastimável notícia. Deus guarde a todos. Sinto-me muito triste”.

O odontólogo, professor e acadêmico Plínio Macedo postou no grupo: “Lamentamos a triste partida do Confrade Des. Nildomar Silveira!”

O deputado e acadêmico Wilson Brandão escreveu: “Notícia muito triste! Doença tão traiçoeira que o confrade Des. Nildomar chegou a nos avisar pelo grupo que estava sendo internado. Fica para todos nós o caráter, a sua humildade, a intelectualidade, o compromisso e a amizade tenra do nosso querido desembargador. Que Deus possa estar ao seu lado e de sua família neste momento de tamanha tristeza”.

O economista, professor e acadêmico Felipe Mendes postou esta mensagem: “Triste notícia! Que ele esteja na Paz do Senhor, e que seu exemplo de vida nos inspire a todos”.

A professora e acadêmica Socorro Rios Magalhães escreveu: “Muito triste com esta notícia! Ele estava em pleno vigor, trabalhando nos seus escritos, como o livro de memórias que acabou de lançar”.

O médico, professor e acadêmico Anfrísio Lobão postou: “Notícia muito triste. Que Deus o tenha, traga conforto aos seus familiares e que seu exemplo frutifique entre nós”.

O professor e acadêmico Dilson Lages escreveu: “Associo-me ao pensamento de tristeza comum à APL, nesta tarde de domingo, diante da triste notícia do desaparecimento físico do acadêmico e des. Nildomar, cuja bela história é digna de grandes aplausos!”

“Lamentamos a morte do nobre Confrade Nildonar Silveira. Ficarão as boas lembranças de sua obra e de sua vida”, escreveu o advogado e acadêmico Valdeci Cavalcante.

O desembargador e acadêmico Oton Lustosa postou: “Uma triste notícia… Lamentamos profundamente. Nildomar Silveira deixa obras de referência, para a Casa de Lucídio Freitas e para a Capital de Saraiva”.

O advogado, escritor e acadêmico Moisés Reis também externou seu pesar: “O passamento do confrade Nildomar resulta em perda irreparável. Perde o Piauí, a APL e toda a sociedade teresinense. Foi-se um homem de relevante trajetória de vida, marcada pela decência, simplicidade e profundo respeito humano. Deixou, por onde passou, rastros luminosos. Grande cidadão!”

O poeta e acadêmico Francisco Miguel de Moura postou: “Nildomar foi meu colega duas vezes. Primeiro, no Banco do Brasil: Funcionário inteligente, cordato, aposentando-se por tempo de serviço, servindo no cargo de advogado, que desempenhou brilhantemente; depois, como confrade na APL, modesto, eficiente, generoso como amigo, aceitando contribuir sempre em todos momentos com sua paciência e devotamento.
Desembador exerceu seu cargo com proeminência de sábio, humilde, mas rigoroso no cumprimento da Lei.
Sua morte deixa um vazio impreenchivel no nosso coração, tão agradável e saudável que era o seu convívio.
Quem quiser saber do ser humano que foi Nildomar da Silveira
Soares, leia seu primoroso depoimento que é seu livro “Retalhos de memórias” (1937-2021).
Que Deus o receba lá no Altíssimo, sua limpa e virtuosa alma, com um coro de anjos em sua companhia.

Meus sentidos pêsames à distinta família enlutada.”

Conselho também lança nota de pesar

“O Conselho Estadual de Cultura do Piauí vem lamentar o falecimento do des Nildomar da Silveira Soares no dia de hoje, depois de muito lutar pela vida quando estava internado em hospital da cidade.

Além de advogado por muito anos do Banco do Brasil, foi Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Piauí, e Desembargador do Tribunal d Justiça do Estado Piauí. Publicou várias obras sobre Direito, especialmente sobre Juizado Especial.

Integrou a Academia Piauiense de Letras e lançou a obra Livro do Centenário da APL 1917 –  2017.

Intelectual, homem de bem e cidadão exemplar, vai deixar uma lacuna na vida cultural e institucional do Estado. Nelson Nery Costa. Presidente do CEC”.

Nota da Academia de Letras da Magistratura

“O Desembargador Luiz Gonzaga Brandão de Carvalho, presidente da Academia de Letras da Magistratura Piauiense, cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento do Des. Nildomar da Silveira Soares e externa, em nome da ALMAP, sinceros votos de pesar à viúva Maria Salete e aos filhos Nildomar Filho, Marcelo e Sérgio Wilson”.

Academia relembra a história da FAFI

A FAFI funcionou neste prédio, na Praça Saraiva.

A história da Faculdade Católica de Filosofia do Piauí será lembrada neste sábado (21/08) em sessão especial da Academia Piauiense de Letras.

Durante o evento, o professor e acadêmico Pedro S. Ribeiro vai proferir a palestra “FAFI: Vivências e Memórias”.

O acadêmico foi um dos fundadores da Faculdade de Filosofia, criada pelo arcebispo metropolitano de Teresina, dom Avelar Brandão Vilela, e instalada oficialmente em 1958.

50 anos da UFPI

O presidente da APL, Zózimo Tavares, informou que a Academia vem realizando sessões especiais para homenagear as faculdades que contribuíram para a criação da Universidade Federal do Piauí.

“A FAFI foi um desses pilares, juntamente com a Faculdade de Direito, já homenageada pela APL. Vamos homenagear ainda as Faculdades de Odontologia, Medicina e Administração, que são as fundadoras da UFPI”, adiantou.

Com esses eventos, a Academia Piauiense de Letras está celebrando os 50 anos de criação da UFPI.

A sessão deste sábado está marcada para as 10h e será realizada no formato virtual, com transmissão pelo Canal da APL no YouTube.

Historiador fala na APL sobre identidade visual de Teresina

“Teresina demorou muito para ter uma identidade visual”. A opinião do jornalista, historiador e fotógrafo Paulo Gutemberg, e foi manifestada na sessão especial dedicada à cidade, cujo aniversário se comemora nesta segunda-feira (16/08).

A sessão foi realizada neste sábado (14/08) conjuntamente pela Academia Piauiense de Letras e pelo Instituto Histórico e Geográfico do Piauí, no formato virtual.

O palestrante disse que Teresina foi retratada primeiramente através de imagens verbais, literárias, como o título de “Cidade Verde” que ganhou do escritor maranhense Coelho Neto.

Durante sua palestra, o historiador e fotógrafo apresentou imagens de Teresina representativas de diferentes períodos, desde a Floresta Fóssil, com 250 milhões de anos, até a atualidade.

Ele prestou homenagens aos primeiros fotógrafos e artistas gráficos que retrataram Teresina, como Homero Rios de Lima, José Medeiros, Valdir Fortes, Guilherme Müller e Totó Barbosa.

A sessão foi transmitida pelo Canal da APL no YouTube e pela TV Nestante.

Teresina recebe homenagens da APL e do IHGP pelos seus 169 anos

A Academia Piauiense de Letras vai homenagear Teresina com dois eventos pela passagem do aniversário da cidade, a ser comemorado na próxima segunda-feira, dia 16.

A primeira homenagem é o “Chá das 5” desta quinta-feira (12), dedicado à capital, com o tema “Narrativas geográficas de Teresina”.

O entrevistado do programa da APL na TV Nestante (YouTube) será o professor Antônio Façanha, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Piauí.

Ele é um pesquisador sobre a configuração urbana e social da capital.

O programa vai ao ar às 17h e contará com a participação especial do professor, historiador e acadêmico Fonseca Neto.

Imagens de Teresina

A segunda homenagem da APL a Teresina será prestada no sábado (14/08), às 10h.

A Academia e o Instituto Histórico e Geográfico do Piauí (IHGP) farão sessão especial conjunta na qual o historiador, jornalista e escritor Paulo Gutemberg vai proferir a palestra “Teresina 169: imaginário, figurações, imagens”.

A sessão será realizada no formato virtual, com transmissão pelo Canal da APL no Youtube.

Paulo Gutemberg, que é também fotógrafo, é autor de dois livros referenciais sobre a cidade: “Teresina”, publicado em 2004, e “Guilherme Müller e a invenção visual de Teresina”, de 2017.

No primeiro livro, ele mostra a origem de Teresina no sítio arquitetônico original, identificando os traços de criação e planejamento da cidade.

No segundo, documenta e reproduz imagens do fotógrafo Guilherme Müller sobre Teresina durante meio século, a partir do final da década de 1930.

APL recebe imagens inéditas de Alcides Freitas

Poeta Alcides Freitas, em foto de 1911, no Rio de Janeiro.

A Academia Piauiense de Letras recebeu esta semana um presente inusitado e precioso: um álbum digital com imagens até então desconhecidas do poeta Alcides Freitas, patrono da Cadeira 9.

As imagens foram feitas no início do século 20, no Rio de Janeiro. Várias delas são de 1911, ou seja, de dois anos antes do falecimento do poeta.

Elas foram encontradas casualmente pelo poeta Alexei Bueno, ex-diretor do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro.

Ele se comunicou com o cineasta Douglas Machado, seu amigo no Piauí, oferecendo o achado à Academia Piauiense de Letras.

Douglas Machado repassou a informação ao presidente da APL, Zózimo Tavares, que imediatamente entrou em contato com o poeta e recebeu as imagens, precedidas do seguinte e-mail:

Prezado Zózimo,

 Encontrei essa meia centena de cartões postais, ou fotos impressas sobre papel de cartões postais, como era comum na época, no chão, em frente da minha casa. Quase metade deles tem relação direta com o Alcides Freitas, parentes, contraparentes, amigos, etc. Os outros eram cartões do início do século, muitos de escritores, uns tantos sobre a Família Imperial Brasileira. Escaneei todos eles, e lhe mandarei agora aqueles onde há algo escrito, inclusive uma bela foto da Amélia de Freitas Beviláqua e do Clóvis Beviláqua, autografada pelos dois.

Surpresa e agradecimento

O presidente da Academia Piauiense de Letras agradeceu a contribuição do poeta Alexei Bueno à memória histórica da APL, ao repassar gentilmente as imagens à Academia.

A historiadora e acadêmica Teresinha Queiroz, estudiosa há mais de 30 anos da vida e da obra de Clodoaldo Freitas, Alcides Freitas e Lucídio Freitas, recebeu com entusiasmo a notícia que lhe foi repassada pelo presidente da APL: “Fiquei muito surpreendida e feliz com esse achado”.

Alcides Freitas na história 
“O poeta Alcides Freitas foi uma chama votiva e passageira da poesia piauiense”, como assim o definiu Assis Brasil. Vítima de tuberculose, morreu aos 23 anos, mal acabara de se formar em medicina. O poeta quase não teve tempo de ver publicado o seu primeiro livro, Alexandrinos, editado em 1912. Morreu no ano seguinte. A implacável doença mataria, algum tempo depois, o seu irmão Lucídio Freitas, que também estreou na literatura com Alexandrinos.

 Alcides Freitas nasceu em Teresina, em 4 de julho de 1890. Era filho do escritor Clodoaldo Freitas, um dos fundadores e primeiro presidente da Academia Piauiense de Letras.

 É o patrono da Cadeira 9 da APL, que teve como primeiro ocupante o poeta Lucídio Freitas (1894-1921). A cadeira foi ocupada sucessivamente por Pedro Borges da Silva (1890-1861) e Fontes Ibiapina (1921-1986).

Seu ocupante atual é o acadêmico Hugo Napoleão.

Fonte: ‘Sociedade dos Poetas Trágicos’, 2ª. ed (Teresina, 2006), de Zózimo Tavares.

Prefeitura de Teresina quer parceria com a APL

A valorização da literatura piauiense foi o tema principal da agenda do presidente da APL, Zózimo Tavares, com o secretário municipal de Educação, professor Nouga Cardoso.

A audiência foi na terça-feira passada (20/07), no gabinete do secretário, e contou também com a presença do presidente da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, Sheyvan Lima.

Os dois secretários garantiram ao presidente da APL que o prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, e o vice-prefeito Robert Rios lhes passaram instruções para que busquem ações de valorização da literatura piauiense na atual gestão.

O presidente da APL falou aos dois secretários sobre o movimento encabeçado pela Academia para o cumprimento das leis que determinam a implantação do ensino de literatura piauiense nas escolas públicas e privadas do Piauí.

Em 10 de junho o presidente da FCMC fez visita de cortesia à APL e manifestou a disposição da Prefeitura de Teresina de fazer parcerias com a instituição na área cultural.

Acadêmica Fides Angélica representa APL em inauguração de Biblioteca na OAB

A secretária-geral da Academia Piauiense de Letras, professora Fides Angélica, representou a APL na solenidade de inauguração da Biblioteca Advogado Hélio Martins Correia Lima, que teve a sua estrutura renovada.

A biblioteca está localizada na Nova ESA Piauí, que recentemente teve seu espaço amplamente reestruturado. O ato solene de inauguração foi realizado ontem (20/07).

O presidente da OAB-PI, Celso Barros Coelho Neto, explicou que a biblioteca é mais um investimento da Seccional para fomentar a cultura jurídica dos piauienses.

O espaço funciona das 8h às 14h com agendamento pelo telefone (86) 2107-5823 ou pelo WhatsApp (86) 9 9993-2042.

A solenidade de inauguração foi prestigiada ainda pelos membros honorários vitalícios da OAB-PI, Nelson Nery e Sigifroi Moreno, além de Fides Angélica, também ex-presidente da Ordem; por familiares do homenageado e conselheiros seccionais, presidentes e membros de Comissões Temáticas.

(Com informações e imagens da Ascom OAB/PI)

A nova biblioteca da OAB-PI

APL digitaliza acervo do boletim “Notícias Acadêmicas”

Toda a coleção do boletim “Notícias Acadêmicas” está sendo digitalizada. Trata-se do informativo oficial da Academia Piauiense de Letras, cuja primeira edição circulou em 1986, por iniciativa do então presidente da APL, professor A. Tito Filho.

O boletim circulou regularmente de 1986 até 1992. Daí para a frente, saiu em edições esporádicas e voltou a circular novamente a partir de 2020.

No atual biênio já foram publicadas quatro edições do informativo, todas elas nos formatos impresso e digital.

Acesso público

O presidente da APL, Zózimo Tavares, afirma que a digitalização de todo o acervo do “Notícias Acadêmicas”, com mais de 100 exemplares, deve ser entendida como mais um esforço da Academia no sentido de preservar a sua memória.

Depois da digitalização, já iniciada, todo o acervo do “Notícias Acadêmicas” será colocado à disposição do público interessado, no site da APL.

A digitalização do boletim é uma das ações constantes do projeto da APL aprovado para este ano pelo SIEC (Sistema de Incentivo Estadual à Cultura – Secult), com patrocínio do Grupo Claudino, através da Socimol.

O presidente da Academia Piauiense de Letras informou que está buscando financiamento para digitalizar também toda a coleção da Revista da APL, com mais de 80 números.