Bonum certamen certavi (Combati o bom combate)

Jonathas Nunes (*)

Teresina amanheceu diferente. Prenúncio de maus presságios. Ontem a noite, antes que os primeiros sinais do quatorze outubriano aparecessem, me veio à mente, música repassada de saudade que a religiosidade de minha mãe repetia entre as paredes do vetusto casarão florianense: “…Desce a noite, foge a luz!…Quero agora despedir-me, boa noite meu Jesus!”

A ausência prolongada me levou, com rapidez instantânea, a ver que aquela poderia talvez ser a última noite entre nós do Mestre Paulo Nunes. E a cristandade que me perdoe, mas transformei o final da canção na pré-despedida do amigo de tantas jornadas: “……boa noite… Comandante Paulo  Nunes”.

Conheci este notável cultor do idioma pátrio, ainda nos idos de sessenta. Em meio à vaga nacionalista que varria o Brasil daqueles dias, sempre nas férias escolares me encontrava com Paulo Nunes em Teresina. Este era então assunto recorrente. Quase sempre na praça Pedro II e suas imediações.

Na ativa do exército, Paulo Nunes terá sido das primeiras pessoas a me falar em Nacionalismo e na Defesa intransigente da Petrobrás. A convite dele, ministrei, como tenente,  palestra na então Faculdade de Direito do Piauí, sobre os chamados “Acordos de Roboré”, à época considerados lesivos ao país.

Tempos depois vi e acompanhei, à distância, sem nada poder fazer, a luta incansável do educador Paulo Nunes pela permanência da Faculdade de Direito do Piauí na estrutura da novel Universidade Federal mafrense. Suas ideias avançadas na defesa da educação humanística e científica o afastaram da escolha para ser o primeiro Reitor da Universidade Federal do Piauí. Sentinelas avançadas do obscurantismo político  no meio educativo e cultural daqueles anos, mantiveram o ícone da crítica literária piauiense sempre sob reserva.

Tempos após, através de Paulo Nunes, a UESPI, quando era Reitor, pôde celebrar convênio de cooperação com a APL, e mensalmente tínhamos reuniões regulares no espaço acadêmico uespiano com os confrades da APL.

Certa feita, relembro agora, com saudade, na Reitoria da UESPI, perguntei a Paulo Nunes se ele achava que eu deveria pleitear uma vaga na APL. Respondeu-me de forma mansa e educada, como era de seu feitio: “Jonathas, acho que você deve pleitear uma vaga; conheço alguns de seus trabalhos no Congresso Nacional. Mas, eu lhe daria o seguinte conselho: antes de se candidatar, procure reunir, em livro, os seus trabalhos no Congresso.” Entendi tudo.

A intervenção do grande Mestre nas reuniões semanais da Academia tinha sempre para todos nós, acadêmicos, o tom elevado da Eneida de Virgílio : “conticuere omnes, intentique ora tenebant”. “Prendia a atenção de todos, e, em silêncio, todos se mantinham”. 

A Ditadura Militar de 1964 foi instaurada no Brasil precisamente para tentar impedir que luminares das Letras e da Cultura como Paulo Nunes pudessem servir de farol e guia das novas gerações de brasileiros. Tentaram empurrar Paulo Nunes para o fosso do anonimato.  Seu livro, Geração Perdida, retrata com maestria, a grandeza de espírito daquele jovem “Manoel,” filho do povo humilde da terra mafrense. Jovem Manoel que ao longo da vida  se transformaria no Paulo Nunes, ícone da Crítica Literária  lusófona. Mais que isso, no Paulo Nunes,  bandeirante dos novos horizontes da Literatura piauiense.

Sei ser difícil doravante, imaginar: a  APL  sem  Paulo  Nunes, e  Paulo Nunes sem a  APL.

Se tivéssemos, no entanto,  o condão de imaginar as últimas palavras de PAULO NUNES antes da partida, certamente bem poderiam ser essas:

“…. Colegas, ao longo da vida fui crítico literário.

– Se quiserem honrar minha memória, nos próximos cem anos da APL,  peço incluir a obrigatoriedade de que seja procedida apresentação e prévia votação de resumo crítico-literário da obra que venha a ser apresentada  para efeito de concurso para vaga aberta na APL. Se não for pedir muito, gostaria que meu substituto na APL passasse por esse tipo de crivo. Estarei me remexendo de alegria, no túmulo, se este pedido for acatado.”

Colegas Acadêmicos, ao fim e ao cabo, revendo e relendo esta passagem de dois anos atrás, vejo como nossa APL foi feliz ao cumprir na íntegra, o pedido de PAULO NUNES, ao eleger este Acadêmico de escol, CRÍTICO LITERÁRIO  de alto nível, CARLOS EVANDRO EULÁLIO. Companheiro presente em todos os momentos deste Sodalício, que tendo o nome de ACADEMIA PIAUIENSE DE LETRAS – APL, poderia também ser batizado com o nome de – ACADEMIA DE PAULO NUNES – APN.

———–

(*) Membro da APL, onde ocupa a Cadeira 2.

“Parábolas do Reino de Deus” – de  FMM

Carlos Evandro M. Eulálio

Na obra “Ofício de Escrever”, do renomado Frei Beto, há um capítulo em que o autor afirma o seguinte: “Já não faço prefácios de livros. Nem apresentações.” E justifica: “[…] Deixar de lado meu trabalho literário para ler obra alheia fora de meu campo de interesse, fazia-me perder o fio da meada.” (BETO, FREI, 2017, p.11). De minha parte, eu confesso: apresentar a obra de um escritor como Chico Miguel, mesmo que o seu conteúdo esteja fora do meu campo de interesse, longe de causar-me desconforto, constitui um privilégio e ao mesmo tempo a oportunidade de muito aprender com sua versada e profícua história de vida literária.

Início a apresentação das Parábolas do Reino de Deus, falando um pouco do autor. Francisco Miguel de Moura nasceu no lugar Jenipapeiro, município de Picos, atual cidade Francisco Santos, no dia 16 de junho de 1933.  Conta hoje com 90 anos de idade. Literariamente conhecido por Chico Miguel, é poeta, ensaísta, cronista, romancista, jornalista e crítico literário. Formado em Letras pela Universidade Federal do Piauí, é pós-graduado na Universidade Federal da Bahia. Sua estreia como poeta aconteceu em 1966 com a obra Areias. Esse livro retornou ao leitor em primorosa 2ª edição pela Editora Life, São Paulo, 2021. Além dessa clássica obra literária, suas demais poesias estão reunidas na obra “Poesia (in) Completa”, edição de 2016 da Academia Piauiense de Letras, na coleção Centenário, sob o nº 56. Em prosa, entre outras obras, é autor do romance Os Estigmas. Como ensaísta e crítico literário escreveu “Literatura do Piauí, de Ovídio Saraiva aos nossos dias”, livro da maior importância para a historiografia literária piauiense. Atualmente, como funcionário aposentado do Banco do Brasil, diz que se dedica exclusivamente a ler e a escrever. É o 5º e atual ocupante da cadeira nº 8 da Academia Piauiense de Letras. Não poderia omitir nesta resumida biografia do autor que ele é casado com D. Maria Mécia Morais Moura.  

Meu primeiro contato com a produção literária de Chico Miguel deu-se por meio da obra Linguagem e Comunicação em O. G. Rego de Carvalho, quando eu cursava Letras na antiga Faculdade de Filosofia do Piauí, no início dos anos 1970. Considero um dos estudos mais completos de crítica literária sobre O. G. Rego.   

Hoje temos a oportunidade de conhecer uma outra vertente da criação literária do escritor Chico Miguel, ao trabalhar com o gênero ou discurso bíblico-religioso nas “Parábolas do Reino de Deus”. Como o próprio título anuncia, essa obra reúne as parábolas mais conhecidas de Jesus Cristo, aquelas que revelam verdades profundas e que tocaram a sensibilidade de Chico Miguel.

Ao narrar as Parábolas do Reino de Deus, Chico Miguel não se atém à simples tarefa de reescrevê-las, mas de interpretá-las do ponto de vista de alguém que vivencia com entusiasmo a palavra de Deus. Na apresentação do livro, ele expõe os motivos que o levaram a escrever a obra: “Quando comecei a reescrever ‘Parábolas do Reino de Deus’, contadas por Jesus Cristo, sem afastar-me do conteúdo que foi escrito originalmente pelos evangelistas Mateus, Marcos, Lucas e João, disse comigo mesmo que gostaria de fazer um trabalho que me agradasse, mas desejando, ardentemente, em primeiro lugar agradar a Deus” (MOURA, 2023, p.13).

Eis como Chico Miguel organiza o seu livro: nas páginas iniciais, escreve a biografia de Jesus em duas partes. Na primeira, fundamentado nos escritos dos evangelistas e numa vasta bibliografia, apresenta-nos o Cristo educador, na figura do mestre dos mestres que, aos 12 anos, já era muito admirado, “até causando espanto àqueles que interpretavam os textos sagrados, ali repetidos por Jesus.” Na segunda parte, intitulada “Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro”, o autor descreve o perfil de Jesus Cristo, a partir de suas ações, comportamentos e propostas.

Após a descrição biográfica de Jesus Cristo, inicia-se a narração das parábolas. Para tanto, o poeta recorre à paráfrase, recurso definido pelos linguistas e teóricos da linguagem como reescrita de um texto sem distanciamento de seu conteúdo temático, sendo uma espécie de tradução dentro da própria língua. Conforme Samir Meserani, são conhecidos dois tipos de paráfrases que se diferenciam pela forma como o texto original é recondicionado. O primeiro é apenas reprodutivo, reescreve quase literalmente o texto base. O segundo, desenvolvido por Chico Miguel nas Parábolas do Reino de Deus, é aquele de natureza criativa, porque “ultrapassa os limites da simples reafirmação ou resumo do texto original”, indo além da transcrição literal. Essa ultrapassagem do texto original, sem afastar-se da ideia central, decorre da sua dimensão intertextual, que reforça a heterogeneidade do texto parafrástico. Nessa modalidade, a paráfrase remete a outro texto que passa a constituir um novo discurso. Aludindo a outros textos, deles se aproxima em extensão. Nas palavras de Affonso Romano de Sant’Anna: “falar de paráfrase é falar de intertextualidade das semelhanças” (Sant’Anna (1985, p.28). Esse entendimento indica que a paráfrase é um mecanismo dialógico com novos sentidos, sempre acrescentando algo ao que já existe. Daí, ao reescrever as Parábolas do Reino de Deus, Chico Miguel constrói um novo discurso que, para efetivar-se, exigiu de si um exercício exaustivo de criatividade e reflexão.

Na reescritura das “Parábolas do reino de Deus” fica evidente o propósito didático de Chico Miguel, ao interagir com o leitor, chamando-lhe a atenção para que as fábulas “sejam lidas com cuidado, com amor e com fé” (MOURA, 2023, p.19). Nas várias passagens do livro, como na paráfrase da parábola “A figueira amaldiçoada”, o poeta nos dá esse testemunho de fé cristã, “como forma de merecer as graças de Deus.” Essa convicção é compartilhada com o leitor, como incentivo de afirmação dessa virtude teologal, com estas palavras: “Creio que a leitura deste trabalho sobre as ‘Parábolas do Reino de Deus’, reescritas para serem distribuídas aos que disponham reler aquilo que está na Bíblia, seja mais um incentivo de afirmação de nossa fé em Deus para sermos dignos de receber suas graças” (MOURA, 2023, p. 71).

Essa intenção didática de Chico Miguel é explícita no final de cada narrativa, quando ele esclarece o leitor sobre o sentido do texto que acabou de ler, além de contextualizá-lo em nosso tempo histórico e cultural. Para exemplificar, eis como reescreve o final da Parábola do Grão de Mostarda, uma das menores parábolas de Jesus que nos traz um grande ensinamento sobre a fé e o reino de Deus: “Como vimos, esta parábola é um claríssimo convite de Jesus aos homens para que sintam o espírito germinar (como a semente de mostarda), em verdade, beleza e bondade, nos seus corações, em busca da glória de Deus, e evitem entregar-se à ilusória potência do mal, aqui representada pelo tamanho das folhas da mostardeira (MOURA, 2023, p. 40). Esse método facilitador de leitura auxilia o leitor a compreender o aspecto simbólico ou alegórico de cada parábola. Este o grande mérito da obra Parábolas do Reino de Deus.   

Chico Miguel é um polígrafo da literatura piauiense. Se ele não vive dos ganhos da atividade literária, sempre teve a intenção de viver exclusivamente dela. Nos diversos escritos que põe em prática mostra domínio em tudo que escreve. O livro que hoje publica pela Entrelivros constitui excelente exercício de hermenêutica bíblica das Parábolas do Reino de Deus. Certamente, nos ajudará a compreender o que é essencial e profundo em suas passagens, com mais precisão e aplicabilidade à vida diária. Seus benefícios vão além do autoconhecimento, podendo estender-se também à convivência cristã em comunidade.   

                                  Capa do novo livro de Francisco Miguel de Moura/Reprodução

——————                          

* Carlos Evandro M. Eulálio, professor e crítico literário. É membro efetivo da Academia Piauiense de Letras, segundo ocupante da Cadeira 38, tendo como patrono o poeta popular João Francisco Ferry.

REFERÊNCIAS 

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem, 5ª ed. São Paulo: Hucitec, 1990. 

BETO, Frei. Ofício de escrever. Rio de Janeiro: Anfiteatro, 2017.

 MESERANI, Samir. O intertexto escolar. 4.ed. São Paulo: Cortez, 1995.

MOURA, Francisco Miguel de. Parábolas do Reino de Deus. Teresina: Livraria Nova Aliança, 2023.

SANT´ANNA, A. F. Paródia, paráfrase & Cia. 3.ed. São Paulo: Ática, 1985.

Celso Barros Coelho, um mestre

Reginaldo Miranda (*)

Quando nasceu Celso Barros Coelho, em 11 de maio de 1922, o Brasil vivia o agitado clima político da disputa eleitoral pela presidência da República. Disputavam o comando da Nação Artur Bernardes, ex-governador de Minas Gerais e Nilo Peçanha, ex-governador do Rio e ex-presidente da República. O primeiro foi apoiado pelas oligarquias de São Paulo e Minas, seguindo a rígida cartilha da política café com leite. A ele, atribuíram-se cartas falsas que atacavam o marechal e ex-presidente da República Hermes da Fonseca, fato que desgastou seu relacionamento com os militares. O segundo possuía o apoio das oligarquias do Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Bahia, cuja candidatura, lançada pelo movimento denominado “Reação Republicana”, procurou conquistar o voto das classes médias urbanas.

Eleito, Bernardes enfrentou forte oposição dos militares. Teve de governar em constante estado de sítio, cuja situação agravou-se com o fechamento do Clube Militar e a prisão de Hermes da Fonseca. O governo enfrentou problemas sucessórios em diversos estados, sendo gravíssima a situação no Maranhão, onde foi deposto o governador Raul Machado, em 25 de fevereiro daquele ano. O clima de discórdia e contestação dentro do Exército, culminou com a “Revolta dos 18 do Forte de Copacabana”, em 5 de julho do mesmo ano, visando impedir a posse do presidente eleito. Os revoltosos foram atacados pelos legalistas escapando com vida apenas os tenentes Siqueira Campos e Eduardo Gomes. No Rio Grande do Sul, em 1923, dois candidatos declararam-se eleitos; reconheceu-se como governador Borges de Medeiros, depois de acirrada guerra civil. O clima de insatisfação desembocou no movimento tenentista de 1924, cujo desfecho no ano seguinte, foi a formação da Coluna Prestes, com a célebre marcha que varou o país, inclusive os sertões do Piauí e Maranhão. Reivindicavam voto secreto, liberdade de imprensa, independência do Judiciário e ampliação do poder do Estado.  Por fim, veio a “Revolução de 30” e as reformas que criaram a Justiça do Trabalho e a Justiça Eleitoral, com as leis trabalhistas, o Código Eleitoral e a extensão de voto às mulheres.

No campo cultural, manifestações artístico-culturais realizadas no Teatro Municipal de São Paulo, entre 13 a 18 de fevereiro de 1922, denominadas Semana de Arte Moderna, lançaram definitivamente o Modernismo no Brasil, cuja essência já se desenhava nas artes plásticas na década anterior. Rompia-se com as escolas realista, parnasiana e romântica. Esse movimento favoreceu o aparecimento do romance moderno, inclusive de caráter regionalista mostrando nosso sertão como nunca antes. No Piauí, criara-se, cinco anos antes, a Academia Piauiense de Letras, em 1917; nessa ambiência, surgia também a Faculdade de Direito, em 1931, e a seccional da Ordem dos Advogados do Brasil, em 1932.

Nesse ambiente político e cultural, Celso Barros Coelho viu a luz do sol pela primeira vez, na pequena e antiga vila de Pastos Bons, Sudeste do Maranhão. Era filho de Francisco Coelho de Sousa e Alcina Barros Coelho, tendo perdido o genitor ainda na meninice.

Iniciou as primeiras letras na terra natal, sob orientação da tia Maria de Lourdes Coelho, que o alfabetizou. Em 1931, frequentou as aulas da professora Heloísa de Gusmão Castelo Branco, que ali chegou oriunda de São Luís, provocando profunda impressão naquele “menino humilde e sonhador, nos seus nove anos”[2] de idade. No ano seguinte, frequentou as aulas da Escola Pessoa, na cidade de Picos, hoje Colinas, no Maranhão, de onde mudou-se para a cidade de Benedito Leite.

Não demorou, porém, a passar ao Piauí, primeiro para a vizinha cidade de Uruçuí, encostada no rio Parnaíba, onde em companhia de parentes prosseguiu nos estudos. Em 1938, mudou-se para a cidade de Teresina, dando vazão à sede de conhecimento que invadia sua alma e ao consequente aprimoramento intelectual. Matriculou-se no Seminário Menor, onde cursou o ensino ginasial, concluindo-o no Liceu Piauiense, em 1945. Cursaria o clássico no Colégio Diocesano São Francisco de Sales. Essa fase no Seminário foi importante para imiscuir-se na língua latina e no estudo dos clássicos. Desde então, passou a ler com certo método os principais autores de língua portuguesa, sem esquecer Camões e as traduções de Cervantes e Shakespeare, assim como importantes obras de Filosofia e os grandes pensadores do Brasil.

Com vocação para os estudos jurídicos, ingressou em 1949, na Faculdade de Direito do Piauí, alcançando o grau de bacharel no final de 1952, com pouco mais de 30 anos de idade. Em pouco tempo, por via de concurso público, emprega-se no cargo de procurador autárquico do Instituto Nacional de Previdência Social (INPS), hoje Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), no qual alcançou a aposentadoria. Desde então, inscreve-se na OAB, iniciando sua longa carreira de advogado. Porém, também seria aprovado em concursos públicos para os cargos de Juiz de Direito, Promotor de Justiça e Auditor Federal, os quais não chegou a assumir.

Desde 1945, para manter-se nos estudos, ingressou no magistério como professor do Colégio “Demóstenes Avelino”, levado pelo jovem mestre Amandino Teixeira Nunes, que ali lecionava. Naquele ano, também ali ingressou, como professor de Português, o professor M. Paulo Nunes, seu contemporâneo no Colégio Diocesano, fortalecendo uma amizade que durou por toda a vida. Naquela escola de ensino secundário, Celso Barros Coelho não demorou a enamorar-se da jovem Maria de Lourdes Freitas, filha do diretor-proprietário Felismino de Freitas Weser, com quem contraiu matrimônio, gerando três filhos, hoje todos bem situados na vida profissional[3]. Permanecendo no magistério, em 1958, vai lecionar a disciplina de Latim na Escola Normal “Antonino Freire”, vencendo o certame com a tese Da poesia latina na época de Augusto. Nesse tempo, assume as cátedras de Literatura Latina e Literatura Portuguesa na recém-fundada Faculdade de Filosofia do Piauí.

Em 1967, depois de lograr êxito em concurso público, assume a cátedra de Direito Civil da Faculdade de Direito do Piauí, a mesma em que se formara, depois integrada à Universidade Federal do Piauí (UFPI), onde alcançou a aposentadoria compulsória em maio de 1992. Foi admitido por alguns anos como professor visitante na Universidade de Brasília (UnB); ali, ministrando a disciplina Direito Civil. Lecionou também nos cursos de Pós-Graduação da Escola de Magistratura do Estado do Piauí (ESMEPI) e Escola de Advocacia do Piauí (ESAPI), em cujas oportunidades fomos seu aluno. O Prof. Celso Barros fez nome no magistério piauiense, sobretudo no ensino jurídico, pela profundidade e segurança com que explanava as grandes teses jurídicas. Para ele, “o Direito Civil assume a primazia entre os demais ramos do Direito, por ser o mais ligado à pessoa humana, na sua individualidade e personalidade”[4]. Costumava ensinar que os advogados em início da carreira profissional devem seguir o exemplo dos mais velhos e experientes, entregando-se à leitura permanente para compreenderem o Direito e a grande responsabilidade que assumem perante a sociedade e os interesses populares[5].

Mesmo exercendo o magistério com paixão e entusiasmo, outra grande vocação foi a advocacia, em cuja atividade permaneceu em pleno exercício até à atualidade, por 70 anos. Civilista de largos recursos, ético e seguro, constitui-se num símbolo autêntico da advocacia piauiense, uma referência para todos nós. Nos anos de chumbo da ditadura militar, embora com seus direitos políticos injustamente cassados, presidiu a seccional piauiense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PI) pelo período de onze anos, com pequenos interregnos, entre 1963 a 1974[6], transformando-a em trincheira da resistência democrática em terra mafrensina.

O senso de justiça, a intransigente luta pela liberdade e pela redenção dos povos, ele canalizou para a atividade política, outra de suas grandes vocações, militando com destaque no Partido Democrático Cristão (PDC), no Movimento Democrático Brasileiro (MDB) e em seu sucedâneo, o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), em cuja legenda ainda permanece, tendo se afastado em breve interregno, por divergir de algumas ações então praticadas. Orador brilhante, de inteligência privilegiada, com exuberante cultura jurídica e humanística, Celso Barros empolgou as multidões em grandes comícios populares, sendo sempre bem votado na Capital e nas principais cidades do Piauí. Elegeu-se deputado estadual em 1962 e deputado federal em duas legislaturas (1975 – 1979 e 1983 – 1987). Na Câmara Federal, sua atuação foi das mais significativas e marcantes, participando ativamente dos grandes debates de interesse da nação. Estando então em evidência a elaboração de um novo Código Civil, o jurista e deputado Celso Barros foi convidado para relatar a parte concernente ao Direito das Sucessões, no que se houve com distinção.

Com a criação do Estado do Tocantins na Constituinte de 1988, foi convidado pelo novo governador Siqueira Campos, para ajudá-lo a implantar a nova unidade federativa, em cuja tarefa trabalhou assiduamente, responsabilizando-se pela elaboração do anteprojeto das principais leis.

Intelectual irrequieto, portador de vasta cultura, apreendida em longas horas de estudo, Celso Barros Coelho é autor de mais de uma dezena de livros, nos quais mostra a força de sua inteligência e a vastidão de seu conhecimento jurídico, entre os quais: Imunidades parlamentares (1964), O direito como razão e como história (1977), Jurisprudência como norma jurídica (1982), Confronto de ideais (1997), Darcy Ribeiro – educador e antropólogo (1997), Apelo aos valores (2003) e Perfis paralelos – juristas (2016), além de colaborador de dezoito verbetes na Enciclopédia Saraiva de Direito.

Para essas notas, vamos destacar Perfis paralelos. Nele, o intelectual estuda em quinze ensaios a vida, a obra, o pensamento, as ideias, a formação intelectual e a ideologia de importantes juristas de nossa pátria, enfocando a contribuição que deram à ciência do Direito. Talvez, essa obra seja inspirada nas Figuras do Direito, de San Tiago Dantas, a quem enaltece as características de civilista, político e humanista preocupado com a educação jurídica nacional. Enfoca em San Tiago Dantas, a preocupação com “a verdadeira formação jurídica, aquela que formará juristas para as tarefas da vida social”, “colocando o estudante não em face de um corpo de normas, de que se levanta uma classificação sistemática, como outra história natural, mas em face de controvérsias, de conflitos de interesses em busca de solução”. Acrescenta à sua leitura: “Só desse modo a educação jurídica poderá conceituar com clareza o seu fim, que é formar o raciocínio jurídico e guiar o seu emprego na solução de controvérsias”. Finalizando, afirma San Tiago no recorte de Barros: “O estudo das normas e instituições constituem segundo objetivo, absorvido no primeiro, e revelado ao longo do exame e discussão dos problemas”. Portanto, nesses estudos jurídicos Celso Barros Coelho vai buscar em seus biografados características que também realçam seu pensamento como professor e pensador da ciência jurídica com larga folha de serviços prestados à vida pública nacional.

Seus ensaios não são mero ajuntamento de datas e fatos, ao contrário, constituem-se oportunidade para acompanhar a formação intelectual e o legado de juristas do porte de Rui Barbosa, Paulo Bonavides, Francisco Amaral, Caio Mário da Silva Pereira, Washington de Barros Monteiro, Orlando Gomes, Coelho Rodrigues, Sousa Neto, Wilson Brandão, Cláudio Pacheco, San Tiago Dantas, Miguel Reale e Gérson de Britto Mello Bozon. Realça em cada um caraterísticas que ele próprio professa e que procura seguir como objetivo de vida em sua marcha como homem público e pensador da ciência e dos destinos da pátria.

Roberto Rosas, professor titular da Faculdade de Direito da Universidade do Brasil, lembra que Celso Barros “é uma figura formada em humanidades, no sentido literal da palavra”; que “sua contribuição, assim, para o mundo acadêmico é reverberante”, “transitando entre a atividade política e a jurídica, como muitos outros bons juristas que querem ajudar a construir a legislação que ajudarão a fazer cumprir”, jamais se afastando “da docência querida e das publicações literárias nas quais se aventurou desde a poesia, arte e literatura até as críticas, análises e história”[7].

Na Academia Piauiense de Letras, ingressou no ano de 1967, onde até há pouco foi assíduo frequentador, dando tom ao debate acadêmico, ao lado de seu saudoso colega M. Paulo Nunes e alguns outros de sua geração literária. Presidiu o sodalício no período de 1998-1999, promovendo importantes realizações, como publicação de livros, lançamento de coleções e realização de ciclos de debates e conferências. Pertence a diversas outras instituições culturais, a exemplo do Instituto dos Advogados Brasileiros, Academia Piauiense de Letras Jurídicas e Instituto Luso-Brasileiro de Direito Comparado. Como reconhecimento por sua contribuição ao magistério, à advocacia e ao parlamento, recebeu diversas homenagens e condecorações.

Preocupado com a terra de nascença, em 2005, fundou a Academia de Letras, História e Ecologia da Região Integrada de Pastos Bons, visando difundir cultura entre seus conterrâneos. Desde então promoveu ciclo de debates, a edição de livros e de um jornal literário, às suas expensas.

Celso Barros Coelho, estimado mestre de gerações, é nome de referência na política, no magistério, na literatura e na advocacia piauiense. Foi uma honra sermos seu aluno na escola formal, e ainda continuamos a sê-lo fora da escola. Com muito orgulho sentamos ao seu lado, como um de seus pares na Academia Piauiense de Letras.

Celso Barros – Tempo e Memórias Políticas

(*) Elmar Carvalho

Não pude comparecer à solenidade de lançamento do livro Política – Tempo e Memória, da autoria de Celso Barros Coelho, ocorrida no dia 8 de maio, a partir das 19:30 horas, como muito gostaria, em virtude de que na mesma data e horário foi lançado o meu livro Confissões de um juiz, em Parnaíba, em evento organizado pelo SESC-PI, ao qual sou grato. Soube, no entanto, que foi uma grandiosa festa literária, abrilhantada pelos discursos do autor da obra, do jornalista e escritor Zózimo Tavares e do empresário e ex-deputado federal Jesus Elias Tajra. Os dois últimos fizeram a apresentação e o prefácio, que ornam e enriquecem essas notáveis memórias.

Conheço o Dr. Celso desde o meado da década de 1980, quando eu exercia o cargo de fiscal da extinta Sunab, que funcionava no prédio da Delegacia do Ministério da Fazenda, e, portanto, ficava perto de seu escritório, que na época era instalado em prédio situado na rua Álvaro Mendes, por detrás das Lojas Pernambucanas. Depois amiudamos nossa amizade e convivência, quando passei a integrar os quadros da Academia Piauiense de Letras, a partir do dia 19 de novembro de 2008. Foi ele quem nela me recebeu com belíssimo discurso, enfeixado no opúsculo A casa no tempo, de nossa autoria, minha e dele.

Em 19 de maio de 2006, na mesma solenidade em que recebi o honroso título de Cidadão Parnaibano, através de projeto de autoria do vereador João Batista Veras, então presidente da Augusta Câmara Municipal de Parnaíba, lancei o meu livro Lira dos Cinqüentanos, comemorativo, como o nome indica, de meu meio século de vida, cujo discurso de apresentação foi proferido por Celso Barros Coelho, a meu ver o maior orador vivo e o melhor que já conheci, em todos os aspectos, inclusive, voz, entonação, postura e conteúdo. Infelizmente, essa cintilante peça da retórica literária piauiense terminou se perdendo no meio dos papéis de seu autor, o que até hoje lastimo. Almejo que algum dia ela venha a ser encontrada, e assim possa ser publicada.

Ao retornar de Parnaíba, logo na segunda-feira, dia 11, pela manhã, tratei de ir ao escritório do Dr. Celso para adquirir o seu livro. Portanto, no corrente ano, já foram entregues ao público piauiense três livros de memórias: o dele, o do romancista, contista e advogado Ribamar Garcia, titulado “E depois, o trem”, e o deste cronista. Sem a menor sombra de dúvida, os dois primeiros são obras da mais alta relevância literária, e podem ser colocados entre os melhores desse gênero.

Política – Tempo e Memória, além de narrar os principais fatos e atos de sua rica trajetória política, também termina por expor outros episódios notáveis ou interessantes de sua vida, alguns remontando à sua meninice e juventude. Além de ter muito que contar, soube fazê-lo em diamantino e lapidar estilo, de frases elegantes, contudo concisas e claras, em que a beleza muitas vezes se reveste de genuína simplicidade.

O livro me revelou o que eu já aquilatava de sua personalidade, através de nossas conversas e da leitura de outros textos de sua lavra. Transparecem em suas páginas a ética e a cidadania do memorialista. Mesmo diante de perseguições e percalços, manteve a sua coerência e os seus princípios morais, sem se curvar às injunções circunstanciais da baixa política e sem lançar mão de oportunismos, que o momento ditatorial poderia ensejar ou suscitar.

Eventualmente traído por correligionários e “amigos”, que fraquejaram nos primeiros acenos da adversidade, optou por não conspurcar o seu mandato de deputado estadual, preferindo vê-lo cassado no dia 8 de maio de 1964, a ver manchada a sua biografia de homem público e de cidadão. Preferiu manter-se fiel a si mesmo e ao seu ideário de democracia e de liberdade, e à sua opção pelos mais pobres e mais humildes.

Em seus dois mandatos de deputado federal, que veio a exercer, participou de várias e importantes comissões, sobretudo as que tratavam de assuntos jurídicos e culturais. Teve a oportunidade de prestar relevantes serviços à legislação pátria, na condição de relator de importantes projetos, que se converteram em paradigmáticos diplomas legais, que lhe imortalizaram como jurista e legislador. Mesmo não tendo sido parlamentar constituinte, prestou notável contribuição à Constituição Federal de 1988, através de participação nos debates de convocação da Constituinte.

Em suas memórias, elucida e ilumina fatos e atos (e até mesmo omissões), da história do Piauí, sobretudo do início da década de 1960 a esta parte. Conquanto de forma sintética, delineia os perfis de importantes figuras políticas do Brasil e do nosso estado, registrando-lhes não apenas fatos e dados biográficos, mas traçando-lhes o retrato espiritual, fixando-lhes as ideias e virtudes, e eventualmente as fraquezas, ainda que circunstanciais ou momentâneas. Alguns desses perfis são antológicos, pela emoção e pela beleza que transmitem, pela captação do momento solar dessas personalidades.

Celso Barros Coelho poderia ter mantido o seu mandato de deputado estadual, injustamente cassado pela ditadura militar. Acenaram-lhe com essa possibilidade. Mas, como dito, ele preferiu não corromper o seu mandato. Optou por ser um legítimo “ficha limpa”, guardião da democracia, da liberdade e da cidadania. Não vendeu os correligionários, e nem tampouco se vendeu. Não expôs o seu mandato, que lhe foi outorgado pelo povo, em balcões de negócios espúrios.

Teve a “loucura” de se manter fiel a si mesmo e a seu ideário político e humanista. Buscou a grandeza da Política com P maiúsculo, e não as bijuterias, benesses e ouropéis da politicanalhice, sabedor, como o poeta Fernando Pessoa, de que “Sem a loucura que é o homem / Mais que a besta sadia, / Cadáver adiado que procria?”   

(*) Poeta e membro da Academia Piauiense de Letras.

CELSO BARROS – SAPIÊNCIA E CARÁTER

 

                                                                              Francisco Miguel de Moura*

          Outrora só se chamava de doutor aquele que fosse formado em Medicina ou em Direito (leis).  Não há discutir a competência de Celso Barros no campo do Direito. Nem me atrevo citar tantas obras suas, nesta matéria, para não cometer esquecimentos ou pedir desculpas por falta de espaço visto que não tenho competência para tanto. Quem quiser saber em profundidade da sua bibliografia tem que ler o livro “Academia Piauiense de Letras – um pouco da história, um pouco das ideias”, editado pela própria Academia, em 2018, na Coleção Centenário.          

           Na verdade, sinto-me bem pequeno para falar sobre Celso Barros Coelho, creio que pela segunda vez, em artigo para o jornal, mostrando sua competência e seu caráter. Da primeira, enalteci o grande orador que é, colocando-o na mesma altura e grandeza de um D. Avelar Brandão Vilela, os dois maiores na arte do discurso que eu já ouvi. 

          Porém, Celso Barros é muito mais do que orador. Historiador e filósofo, sob cujos aspectos me sinto com algum conhecimento para tal, invoco-o, neste momento, mais sob o ponto de vista de cidadão de caráter sem jaça e do ilustríssimo Acadêmico da “Casa de Lucídio Freitas”.  Como Presidente da APL, fez profícua administração. Antes, quando me dispus a disputar uma vaga na APL, ele foi um dos primeiros a me incentivar. Para mim, bastante honrosa tal atitude. Muito me satisfaz e me envaidece dizer que ele é meu confrade, meu irmão de letras, por causa da magnitude de sua sapiência e do seu caráter, itens que escolhi para esta crônica jornalística. Quando penso no grande representante que tivemos na Câmara Federal por duas legislaturas e na sua eficiente atuação, vejo-me como um simples eleitor seu, que fui em todas as eleições em que ele concorreu a cargo público, depois que me estabeleci em Teresina.

          Celso Barros é uma daquelas pessoas ímpares, considerá-lo um gênio não é um exagero, pois elevados são os seus conhecimentos, quer do Direito, da Filosofia, do Latim, tanto quanto da Língua Portuguesa e de História. Outros temas podem ser indicados, por exemplo a crítica literária, amante que é das musas e disto tem dado bastante exemplo em livros e artigos. Sua obra é muito grande. Limito-me a colocar, neste momento, sua história da “Academia Piauiense de Letras: Um Pouco da História, Um Pouco das Ideias”, Teresina-PI, 2018, reeditada, onde coloca de pórtico os versos do poeta Jônatas Batista, como se fossem sua própria voz ao falar em literatura:                                     

                    “Caminho sem parar, sem curva, sem receio,

                     Sem fraqueza ou pavor, sem cobarde receio,

                     Meu destino a seguir, sem encontros temer.

                     A batalha me tenta, a guerra me alucina…

                    O movimento é a vida, a vida me ilumina…

                     Nasci para lutar, na ambição de vencer”.

          É realmente um livro para quem quer conhecer a entidade centenária e seus membros, sendo Celso Barros um dos mais elevados e estimados.

          Não posso aqui esquecer que logo abaixo dos versos do poeta e acadêmico Jônatas Batista, vêm as dedicatórias aos historiados da casa, por ordem e em seguida: João Pinheiro (in memoriam), Francisco Miguel de Moura e Herculano Morais. Esse reconhecimento me cativa. 

          Outro livro que desejo evidenciar, de sua autoria, é “Tempo e Memória” (2009), – uma joia de alto valor pelo sentimento e grandeza com que coloca sua infância e juventude.

          Celso Barros é uma daquelas pessoas que chamamos de genial, quer no sentir e no fazer, quer no viver e no tratar com o outro. Na ciência do Direito o é, com toda certeza, pois reconhecido por todos os piauienses e brasileiros de modo geral que privam de sua lhaneza em algum momento da vida.  Educação esmerada, caráter sem jaça. Muito humano: Como advogado, se volta à defesa de causas justas e honrosas. Mas sua bondade e generosidade vai além: Jamais deixou à mingua um pobre, sem condição pagar honorários. Tudo isto falo não só por minha parte, desde que o conheci ao aportar em Teresina, vindo do interior da Bahia. Ele já era, àquela altura, uma celebridade: Professor exímio da Universidade Federal, Tive-o como mestre na cadeira de “Linguística” quando a Faculdade Católica de Filosofia do Piauí ainda não se integrara à Universidade.

          Nascido aos 11 de maio de 1922, filho de Francisco Coelho de Sousa e Alcina Barros Coelho, em Pastos Bons (MA), mas ninguém é mais piauiense do que ele, pois a maior parte de sua vida devotou ao Piauí, especialmente Teresina, como se fosse aqui nascido. Porém jamais esqueceu sua terrinha no Maranhão, a região de Pastos Bons, onde foi fundar a necessária e importante Academia de Letras, História e Ecologia da Região, entidade que desde o seu nascimento vem publicando o simpático e oportuno jornal “Pastos Bons”, cujo órgão é por ele dirigido. A Academia de Pastos Bons completou, no dia 15 de março de 2019, 15 anos de profícuo trabalho em favor da literatura, da arte, da cultura e da ecologia da região.

          Pois bem, o senhor Doutor Celso Barros, na comemoração dos 15 anos de existência da dita Academia, estava lá, justo quando completava 97 anos vida bem vivida e bem amada.  Estava em Pastos Bons, a terrinha do seu berço. E assim, em reunião da Academia Piauiense Letras, seus membros proclamaram a data e prestaram a homenagem ao aniversariante.  Bem que muito mais valia a proeza de 97 anos de vida integral em corpo e espírito. Nada mais que justo, para um homem de tamanha envergadura, dentro de tal idade e que auguramos que vá muito longe e com saúde, íntegro como está, fazendo, sentindo e opinando, nos jornais, revistas e onde quer que que publique seus artigos. Respeitadíssimo sempre, pois seus atos e opiniões dão o exemplo, de homem competente e sábio.

          Mas, repito, não estou fazendo sua biografia, visto que a biografia dos homens de ação, corajosos, sapientes como Celso Barros Coelho não pode ser feita em vida. E que ele ainda tem muito o que dar, gozando de boa saúde física e mental. Meu proposto ao render-lhe esta homenagem, em primeiro lugar foi mostrar alguns dos momentos que com ele privamos e testemunhá-los aos meus leitores. Nem é bem um artigo, é uma crônica que vem de dentro do meu coração.

_____________

*Francisco Miguel de Moura, membro da APL, cadeira nº 8, que tem como Patrono o poeta J. Coriolano (José Coriolano de Sousa Lima). Texto publicado originalmente em http://franciscomigueldemoura.blogspot.com/

Combate no Piauí ajudou a consolidar a Independência

Batalha do Jenipapo terminou com derrota brasileira, mas desestabilizou tropas leais a Portugal na região

João Pedro Pitombo (*)

SALVADOR

Um dos episódios mais importantes para a consolidação da Independência do Brasil e manutenção da unidade nacional aconteceu nas margens de um rio. Não foi o Ipiranga, e suas margens não estavam plácidas no dia 13 de março de 1823.

O entorno do rio Jenipapo, curso de água que corta as planícies de Campo Maior, interior do Piauí, foi palco de uma das lutas mais sangrentas do período da Independência, opondo brasileiros e portugueses no campo de batalha.

De um lado, estava um Exército organizado e bem armado de portugueses que tentavam manter o domínio de Portugal nas províncias do Norte do Brasil. Do outro, milícias brasileiras organizadas às pressas que lutaram com facas, foices, machados e um canhão enferrujado.

Com vitória dos portugueses, a Batalha do Jenipapo deixou um saldo de centenas de brasileiros mortos, mas representou um revés para a resistência de Portugal, que tentava manter o domínio das províncias do Norte brasileiro após o grito de dom Pedro nas margens do Ipiranga.

O embate no Piauí aconteceu em meio a uma escalada de animosidades entre os portugueses e brasileiros que vinha desde antes da Independência.

As Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa, que exigiam o retorno do Brasil à condição de colônia de Portugal e a retomada das restrições ao comércio suspensas com a abertura dos portos, nomearam militares portugueses como novos governadores de armas das províncias brasileiras.

No Piauí, o escolhido como governador de armas foi o major português João José da Cunha Fidié. Ele desembarcou na província em agosto de 1822 com a missão de mantê-la sob domínio português.

A província era considerada estratégica por ser uma espécie de porta de entrada para as províncias do Norte, especialmente Maranhão e Grão-Pará, onde os portugueses tinham prestígio dentre as elites locais.

Também havia uma importância econômica: nesta época, o Piauí tinha uma pecuária pujante, com um dos maiores rebanhos de bovinos do país, e era um dos principais fornecedores de carne seca do Norte e Centro-oeste, sendo suplantado apenas pelo charque do Rio Grande do Sul.

A proclamação da Independência, contudo, movimentou as elites do Piauí, que declararam apoio ao Brasil independente da coroa portuguesa. A notícia chegou primeiro na vila de Parnaíba, onde predominava o grupo político liderado pelo comerciante Simplício Dias, que anunciou apoio a dom Pedro.

A adesão de Parnaíba ao Brasil independente motivou uma marcha liderada por João José da Cunha Fidié, que levou tropas à vila para sufocar o movimento de apoio a dom Pedro.

A marcha para o litoral, contudo, desguarneceu a vila de Oeiras, então capital da província. Foi justamente neste momento que o brigadeiro Manoel de Souza Martins, que representava a elite econômica ligada à pecuária e havia sido alijado pelas Cortes de Lisboa, também declarou apoio à Independência.

Quando as tropas lideradas por Cunha Fidié chegaram à Parnaíba, os apoiadores da Independência haviam fugido para o Ceará, onde organizaram uma milícia para enfrentar os portugueses.

Os desencontros tiveram fim no dia 13 de março de 1823, quando brasileiros e portugueses se encontraram na vila de Campo Maior, hoje uma cidade de 47 mil habitantes a 80 km de Teresina.

As margens do rio Jenipapo foram palco de uma batalha desigual. Foram cerca de 1.600 soldados das tropas portuguesas, armadas com 11 canhões e lideradas por oficiais experientes.

Do outro lado, estava uma milícia precária, formada às pressas, com cerca de 2.000 homens do Piauí e Ceará. Em sua maioria, eram vaqueiros e trabalhadores rurais, arregimentados por líderes políticos locais, além de indígenas e negros libertos.

A Batalha do Jenipapo durou cinco horas: começou por volta de 9h e seguiu até as 14h, deixando um saldo de 36 mortos do lado português e entre 200 e 400 mortos nas tropas brasileiras.

“A batalha foi trágica, foi uma derrota para os independentistas. Mas foi uma também ‘vitória de Pirro’ para os portugueses, que tiveram perdas em sua logística”, avalia o historiador Johny Santana de Araújo, professor da Universidade Federal do Piauí.

Ele afirma que a batalha minou a logística da tropa portuguesa, que optou por não perseguir e sufocar os soldados independentistas. A ideia era reagrupar forças e voltar a Oeiras para derrubar os aliados de dom Pedro na capital.

O Exército ficou acampado na fazenda Tombador, seguiu para a vila do Estanhado e depois seguiu para Caxias, no Maranhão, onde houve um princípio de rebelião entre soldados portugueses.

Ao mesmo tempo, os independentistas da capital organizavam suas tropas e recebiam reforços do Ceará, Pernambuco e Bahia, chegando a perto de 22 mil soldados arregimentados.

O reforço também veio pelo mar. Depois de expulsar os portugueses da Bahia, escorraçando o Exército liderado por Madeira de Melo, a esquadra do almirante escocês Thomas Cochrane desembarcou em São Luís e fez com que a junta governativa, sob a mira de canhões, jurasse lealdade a dom Pedro.

Enquanto isso, o Exército português ficou isolado em Caxias, sem a possibilidade de receber reforços de Oeiras, Parnaíba e São Luís, já dominados pelos brasileiros. Cercado, Cunha Fidié se rendeu em 28 de julho de 1823.

Para Araújo, a Batalha do Jenipapo foi fundamental para garantir a unidade nacional e também foi importante para forjar no estado um sentimento de piauiensidade. Ainda assim, permaneceu como um episódio obscuro na historiografia brasileira, sendo pouco conhecido fora do Piauí.

“A Batalha do Jenipapo é um evento muito importante na história do Brasil, mas é esquecido, como todo o contexto do processo de Independência ocorrido no Norte. Isso muito por conta da forma como a historiografia oficial tentou amansar a ideia de que houve conflito”, avalia Araújo.

Nesta segunda-feira (13), os 200 anos da Batalha do Jenipapo serão celebrados em Campo Maior, no Piauí. A cidade abriga um monumento, um museu e um cemitério nas margens do rio.

Neste campo santo despido de adornos e mausoléus, estão enterrados os restos mortais dos brasileiros anônimos que morreram em batalha, cercados por pedras e cruzes de madeira. O cemitério do Batalhão é considerado patrimônio nacional e foi tombado em 1990.

(Originalmente publicado na Folha de S. Paulo, em 12/03/2023: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2023/03/combate-sangrento-no-piaui-ajudou-a-consolidar-independencia-ha-200-anos.shtml)

Da Serra da Capivara ao Sertão de Cabrobó

Da Serra da Capivara ao Sertão de Cabrobó

Elmar Carvalho (*)

1

Neste sábado, dia 28/01/2023, aconteceu a primeira reunião de nossa APL, após o recesso do final/começo de ano. Todos os acadêmicos que foram ao passeio turístico-cultural a São Raimundo Nonato, Parque Nacional de Serra da Capivara (situado em partes dos municípios de São Raimundo Nonato, João Costa, Brejo do Piauí e Coronel José Dias) e Oeiras foram unânimes em dizer que a viagem foi excelente e proveitosa.

Em minha breve fala, enalteci o passeio, fixando os pontos que achei mais importantes, seja por achá-los mais interessantes, curiosos ou surpreendentes. Na empolgação do discurso, disse que me sagraria o Pero Vaz de Caminha dessa expedição, e escreveria uma crônica sobre ela. É o que tento fazer agora, sem nenhuma consulta a anotações, já que não as fiz.

No sábado, dia 21, seguimos em nossa viagem, cujo ponto de partida foi o estacionamento da Ponte Estaiada Mestre Izidoro França. Procurei uma poltrona perto da janela, através da qual fui olhando a paisagem e as pequenas cidades e povoações, que tantas vezes vi, à límpida luz do sol ou à penumbrosa luz do luar, quando mourejei por vários anos em longínquas comarcas do sul do Piauí. 

Conduziu o ônibus o excelente e prestativo motorista Valdenir José da Costa e foi responsável pela viagem a educada e solícita Jaqueline Nobre, que prestou impecável assistência aos expedicionários, quase todos legalmente idosos, mas, na prática, jovens acima dos sessenta anos. Fizemos uma parada estratégica e logística na progressista Água Branca, cidade do coração, quase diria natal, do presidente Zózimo Tavares, comandante em chefe da expedição. O local da parada não poderia ser mais apropriado: era a lanchonete dos irmãos Sales, frequentadíssima, onde se pode degustar um delicioso e legítimo bolo frito ou um requeijão de primeira qualidade, além de outros quitutes.

Seguindo o plano e o roteiro da viagem, almoçamos em Floriano, e sem mais delongas marchamos rumo a São Raimundo Nonato, em plena caatinga. A viagem transcorreu sem nenhum acidente ou incidente digno de reparo, exceto um que poderia ter sido trágico, mas que a graça de Deus o mitigou. Dona Mécia, esposa do poeta Francisco Miguel de Moura, meu amigo há várias décadas, quando já estávamos nos aproximando de nosso destino, ao se levantar, com o ônibus em movimento, caiu sobre a escada do veículo, mas felizmente só teve dois pequenos ferimentos e hematomas, na região da cabeça. Logo chegamos a SRN e ela recebeu os necessários cuidados médicos, sem constatação de que houvesse algo de maior gravidade. O confrade Plínio Macedo e sua tia Socorro Macedo, por serem naturais da cidade, prestaram todo o apoio a Mécia, que no dia seguinte já estava em plena vitalidade, tanto que lhe disse, brincando, em analogia a um filme de ação, que ela era “dura na queda”.   

Nos instalamos no Real Hotel, no centro da cidade, e seguimos para o prédio do SENAC, em cujo auditório ocorreria a solenidade de nossa Academia. Foi exibido o documentário sobre a história da APL, dirigido e editado por Luciano Klaus, com roteiro do presidente Zózimo Tavares. Foi também projetado o vídeo (clipoema) Miragens de Serra da Capivara, com poema de Elmar Carvalho, fotografias do médico Valdeci Ribeiro de Carvalho, e editado por Claucio Ciarlini. Ambos os audiovisuais foram bastante aplaudidos pelos presentes. O professor universitário Gênesis Naum Farias me solicitou cópia do poema, para publicação em sítio internético.

Após, a mesa foi composta por Zózimo Tavares, presidente da APL, Carmelita de Castro Silva, prefeita municipal, Magno Pires, vice-presidente da APL, Fonseca Neto, palestrante e 1º secretário, além de outras autoridades. A cerimonialista foi a jornalista Vanize Lemos, que exerceu com maestria o seu mister. Houve ainda o lançamento do livro/álbum Piauí – terra querida, filha do sol do equador, com textos e esplêndidas fotografias de André Pessoa.

Fonseca Neto, em sua brilhante palestra, em seu estilo próprio, inimitável, falou da importância do trabalho da confreira Niede Guidon, das descobertas, estudos e análises do apurado labor arqueológico, bem como do notável significado das pinturas rupestres, e da importância disso tudo para a história do Piauí, do Brasil e do mundo.

Ao ouvi-lo fiquei imaginando as labutas, as lutas, as agruras que esses nossos ancestrais, esses “capivarões de Guidon”, no dizer fonsequiano, tiveram que enfrentar, ao relento ou em furnas esconsas, sofrendo picadas de insetos e as chicotadas do frio noturno, das chuvas e das tempestades.

No dia seguinte, domingo, fomos conhecer os cantos e encantos do Parque Nacional de Serra da Capivara. Os cantos porque conhecemos vários sítios e pontos turísticos e os cantos maviosos de aves álacres e belas, como corrupiões, bem-te-vis, galos-de-campina, sabiás e chico-pretos. E encantos porque o parque é todo cheio de encantos, que nos proporcionam sua floresta bem preservada, seus paredões rochosos, e as serranias ao longe. A famosa pedra-furada acaso não seria um portal para uma outra dimensão, talvez ainda mais bela? Alguém já a teria atravessado, em tempos imemoriais, que se perdem na voragem do próprio tempo? Jamais teremos resposta para esse mistério.

Ao fim do périplo, um dos guias, ao saber que eu tinha um poema sobre Serra da Capivara, me disse também ter feito versos, em que louvava essas louçanias, e me conduziu até um tipo de mandacaru, de espinhos pequenos e bem flexíveis. Num gesto quase ritualístico ou de prestidigitação, pôs as pontas dos dedos no topo de um dos “galhos” do cacto e os moveu de cima para baixo, na forma e na velocidade adequadas, e fez surgir o rumor de água, como a escorrer por um córrego, que imaginei ornado por belos seixos. Que mistério encerraria essa singular sonoplastia, nascida de uma planta típica das caatingas secas, adustas, de poucas chuvas, que imitava o som de água corrente, tão cara aos ouvidos dos sertanejos? 

Após o almoço em restaurante do parque, fomos conhecer o Museu da Natureza, concebido em avançada tecnologia, que nos proporcionou diversas experiências sonoras, táteis e visuais, e no campo eletromagnético. Vimos projetados enormes paquidermes, com seus rugidos assustadores, além de imagens panorâmicas e aéreas de todo o parque.

Tive a nítida sensação de sobrevoar os imensos paredões e desfiladeiros, quando usei o simulador de asa delta, que proporciona imagens cinematográficas em 3 dimensões. Me senti um anjo, sem peso e sem pecado, a voar sobre um abismo vertiginoso de beleza, que um dia sobrevoarei de verdade, quando eu partir para a outra dimensão de uma das casas do Pai, como prometeu Jesus Cristo, de que eu tive a prefiguração nesse voo de mentirinha. 

Fomos em seguida visitar o Museu do Homem Americano, na cidade de São Raimundo Nonato. É um misto de museu convencional, com a formação de ambientes e de exposição de diversos objetos, oriundos das escavações nos diversos sítios arqueológicos do Parque de Serra da Capivara, como utensílios diversos, vasilhas, vasos, armas, pontas de flecha, facas rudimentares, urnas funerárias, esqueletos de animais e de antigos habitantes da caatinga capivarense, e de museu tecnológico, em que imagens são projetadas, sobretudo as das pinturas rupestres, em que se veem animais e as antiquíssimas pessoas da região, em situações que sugerem danças, rituais e outras atividades, inclusive amorosas, como a afamada cena do beijo pré-histórico.

Antes do retorno ao hotel, prestamos singela homenagem ao Dr. Raul Macedo, pai do confrade Plínio Macedo e do Des. Pedro Macedo, ao pé do monumento que tem o seu busto. Foi o primeiro médico do município. Por seu espírito solidário e humanitário, prestou relevantes serviços à região sanraimundense.

À noite, fomos jantar em uma churrascaria perto do nosso hotel. Fizemos breve e alegre libação comemorativa. Ao voltarmos ao hotel, conversamos sobre poesia e poetas. Instigado pelo jornalista e documentarista Luciano Klaus, terminei falando da velha Zona Planetária, mítico cabaré campomaiorense, cujos casarões foram destruídos num forte inverno implacável, de chuvas constantes e torrenciais, mas que ainda remanescem num poema de minha autoria, de igual título, cujos versos iniciais recitei na noite sanraimundense: “Anfion percorre os sulcos / dos discos das vitrolas e as / emoções são alinhadas pedra a pedra. / Apolo é qualquer moço feio / que nos vitrais Narciso se julga. / De repente, Átropos corta o fio da vida / que era tecido pelas Parcas lentamente / pelos golpes de facas, adagas ou estiletes / nas mãos de um velho Pã embriagado.” E a câmara indiscreta de Klaus tudo viu e tudo registrou para os arquivos implacáveis de Luciano.

Na manhã do dia seguinte, cedo, logo após o café, arribamos para a velha Oeiras. Seguimos pela estrada que passa por São João do Piauí, que me fez lembrar do padre Solon Aragão e do poeta Adail Coelho Maia, e pela cidade de Simplício Mendes, na qual foi juiz por alguns anos o confrade e Des. Oton Lustosa. Por essa urbe passei algumas vezes, no início de minha carreira de julgador, em demanda de minha longínqua Comarca de Socorro do Piauí. No entorno do monumento ao médico Isaías Coelho, Oton Lustosa fez breve pronunciamento em que relembrou a sua atuação magistratural na cidade e um pouco de sua vida civil e familiar, ainda com escasso tempo de casado. Foi cumprimentado por velho servidor da Justiça, que dele guardava boas recordações.

Ao rever a estátua do célebre médico Isaías Coelho, me lembrei de histórias que li ou ouvi contar a seu respeito. Numa época em que não havia praticamente exames médicos, mormente na região, tinha grande clientela. Muitos vinham de longínquas paragens para se consultar com esse esculápio do sertão. Pelos seus diagnósticos e medicamentos certeiros, ganhou fama de ter dotes mediúnicos, quase um taumaturgo, senão mesmo um demiurgo. Morreu celibatário, talvez porque tenha desejado dedicar o maior e o melhor esforço de sua vida exclusivamente ao exercício da medicina.

2

À colonial e episcopal Oeiras chegamos um pouco depois do meio-dia.

Nos hospedamos no Hotel do SESC, cujo nome homenageia o nosso estimado confrade Moisés Reis. Já o Carlos Rubem, guardião dos vetustos solares e da cultura de Oeiras, Promotor de Justiça (e de cultura, como já disse alhures), nos esperava com a sua lhaneza de sempre.

Fez questão de mostrar aos expedicionários uma bela placa metálica, que estampa, no hall do hotel, o meu poema Noturno de Oeiras. Inclusive, no dia seguinte, ele terminou por transformar o jovem governador Rafael Fonteles numa espécie de garoto propaganda do meu poema, ao lhe fotografar ao lado da placa e ao gravar rápido vídeo, com o gestor se referindo ao Noturno.

Após breve descanso, fomos fazer um pequeno passeio turístico. Visitamos o sobrado Major Selemérico, que foi na Oeiras colonial e imperial o Palácio dos Governadores. Vimos os retratos dos presidentes da Província e os governadores do Piauí no período republicano. Vimos a mesa grande, rústica, em que Manuel de Sousa Martins, depois Visconde da Parnaíba, decidiu a adesão do Piauí ao movimento em prol da Independência do Brasil.  É um prédio simples, despojado, sem ostentação de objetos luxuosos, mas em que a história de um tempo antigo parece nos espreitar dos beirais, dos velhos assoalhos, das enrugadas paredes, das frestas dos velhos móveis, da escadaria de pedra.

Estivemos no Solar do Major Doca Nunes, ancestral do ex-governador Wilson Martins. Nesse museu vimos muitos móveis antigos e muitos objetos artísticos, entre os quais belas pinturas e esculturas. Nosso guia exemplar foi o poeta e economista Olavo Braz Barbosa Nunes Filho, que com sua forte e clara voz tudo nos explicava, tudo nos esclarecia, inclusive sobre alguns aspectos da vida familiar de Doca. Muito fiquei honrado quando ele, após elogiar o meu Noturno, me entregou o seu lindo livro/álbum Pedaços de Mim, em que são exibidos textos em prosa e em versos de sua autoria, além de excelentes fotografias autorais de paisagens, plantas, igrejas e obras de arte sacra, sobretudo de Oeiras. 

                Tivemos o prazer de olhar vários compartimentos da vetusta catedral de Nossa Senhora da Vitória. Percorremos sua nave. Vimos velhas imagens de santos. Contemplamos seu retábulo principal, tão bem retratado pelo escritor oeirense Dagoberto de Carvalho Jr., em seu estilo castiço e clássico, em páginas admiráveis, inclusive na sua excelente magna obra Passeio a Oeiras, de cuja sexta edição tive a honra de ser o prefaciador. Visitamos as capelas. Vimos algumas lápides e perguntamos pela do Visconde da Parnaíba, o homem que por maior lapso de tempo governou o Piauí. Uma das pessoas que nos acompanhavam nos informou que o corpo do ilustre oeirense fora enterrado debaixo do altar-mor, mas sem nenhum sinal ou marca, que pudesse indicar o seu jazigo. Seu nome, que não consta em nenhuma lápide, que não encima nenhum epitáfio, contudo está grafado em letras imortais em todos os livros da História Piauiense.

Com a ajuda de guia experiente, devassamos todos os meandros e recônditos do Museu de Arte Sacra, instalado no antigo Palácio dos Bispos. Vimos a Galeria dos Bispos, inclusive do primeiro, Dom Expedito Lopes, que se encontra em processo de beatificação. Fundou o Ginásio Municipal de Oeiras, do qual foi diretor e professor. Sua vida foi tragicamente ceifada, quando servia na Diocese de Garanhuns, pelo padre Hosana de Siqueira e Silva, que se rebelou contra sua admoestação. Seu algoz veio também a ser assassinado algumas décadas depois.

Vimos muitos utensílios sacros, pinturas, esculturas, móveis, além de paramentos de antigos bispos e fotografias. Entretanto, não pudemos ver a famosa e valiosíssima custódia de ouro maciço, cravejada de pedras preciosas, trabalho da mais refinada ourivesaria portuguesa, que, segundo o historiador Pe. Cláudio Melo, fora doada à matriz de Oeiras, no tempo de Tomé de Carvalho, pelo mestre-de-campo Bernardo de Carvalho e Aguiar. Fica guardada em um cofre, em recinto hermeticamente fechado. Essa custódia, que já fora roubada em tempos antigos, só é exibida uma vez por ano, por ocasião da procissão e da missa de Corpus Christie. Segundo Carlos Rubem, quando esse ostensório é levantado na procissão ou na missa, como que um frêmito parece comover os fiéis, numa quase epifania, ousaria dizer. 

À noite, no Cine-Teatro Oeiras, uma das obras marcantes do coronel Orlando Carvalho, foi realizada a sessão especial da Academia Piauiense de Letras e do Instituto Histórico de Oeiras – IHO, de que sou sócio correspondente. Além de membros das duas instituições e pessoas da sociedade oeirense, compareceram várias autoridades, entre as quais o governador, o prefeito municipal, deputados e vereadores. Compuseram a mesa o presidente da APL Zózimo Tavares, o governador Rafael Fonteles, o presidente da Assembleia Legislativa, Franzé Silva, o prefeito José Raimundo de Sá Lopes, o presidente da Câmara Municipal, Espedito Martins, o ex-governador Wilson Martins, a presidente do IHO, Inácia Rodrigues Ferreira, o bispo diocesano Dom Edilson Soares Nobre,  o 1º secretário da APL, Fonseca Neto, e os conferencistas Moisés Reis e Reginaldo Miranda.

Foram exibidos o documentário sobre a História da APL (direção e edição de Luciano Klaus, e roteiro de Zózimo Tavares) e o clipoema Noturno de Oeiras, poema de Elmar Carvalho, com produção, fotografias e edição de Inamorato Reis, interpretado por Claucio Gonçalves de Carvalho. Ambos os vídeos foram entusiasticamente aplaudidos.

Moisés Reis, advogado de notável competência e ética,  em nome do IHO, pronunciou um magnífico discurso de recepção, com sua voz pausada, de límpida e bela entonação. Traçou breve panorama da história da Academia, da qual é destacado integrante, e fez a exímia louvação de alguns de seus patronos e membros. Não sou tão humilde a ponto de deixar de transcrever o trecho com que ele me distinguiu:

“E foi assim que o amigo e confrade Elmar Carvalho, filho de Oeiras pelos laços formais de merecido título de cidadania, que já havia se tornado oeirense por coração, vocação, predestinação e devoção, como afirma em seu opúsculo “Oeiras na Alma e no Coração” foi assim, repito, que o prezado confrade, alimentado pelo espírito secular e modelador da alma, interpretou muito bem a característica peculiar, idiossincrásica, do cidadão oeirense, através de seus poemas, crônicas, textos literários e discursos. Quem, desta cidade, não já recitou o seu célebre poema Noturno de Oeiras, ‘navegando na noite de um tempo que não termina?’”

O outro orador da noite foi o grande historiador Reginaldo Miranda, que se houve com não menos brilhantismo, ao pronunciar esplêndida conferência sobre a data magna de 24 de Janeiro, em seu bicentenário. Falou sobre a importância e significado dessa efeméride, quando o brigadeiro Manuel de Sousa Martins encabeçou o movimento que marcou a adesão do Piauí à Independência do Brasil e ao império instituído por D. Pedro I, com a instituição de uma junta governativa, da qual ele era o presidente. Fez vibrante elogio ao inolvidável fato histórico e arrancou entusiasmados aplausos de todos os oeirenses.    

No dia 24, data em que se celebra a adesão do governo do Piauí à Independência do Brasil, os acadêmicos da APL fomos participar da solenidade comemorativa dessa efeméride no Memorial do 24 de Janeiro, em que, além do ato de levantamento das bandeiras do Brasil, pelo governador Rafael Fonteles, do Piauí, pelo ex-governador Wilson Martins (em cujo governo foi erigido o Memorial, com exceção da estátua de bronze do Visconde da Parnaíba) e de Oeiras, pelo prefeito José Raimundo, o governador do Estado depositou uma corbélia de flores aos pés da estátua do brigadeiro Manuel de Sousa Martins.

Após essa cerimônia, fomos ao centro, no carro que conduzia Wilson Martins e o caro José Augusto Nunes, seu primo, antigo caçador (de conversa) na Furna da Onça, dileto amigo, que considero o último Fidalgo da Velha Mocha, onde visitamos a Galeria do Divino, que Olavo Braz criou e instalou, sem ajuda do poder público, em casa de sua propriedade, no entorno da Praça das Vitórias. Todos os objetos de arte sacra exibidos nesse espaço cultural foram por ele adquiridos. Creio tenha ele se inspirado no Museu do Divino de Amarante, criado às expensas do professor Marcelino Leal Barroso de Carvalho, e por este mantido em casa sua, igualmente sem ajuda oficial. Nessa galeria ele também expõe, em chapas de vidro, variados poemas de oeirenses ou sobre a velha cap, entre os quais, para gáudio meu, o Noturno de Oeiras.

Nos dirigimos, guiados pelo incansável e intimorato Carlos Rubem, à Casa de Pólvora, localizada nas cercanias da igreja do Rosário, no bairro de igual nome. É um edifício rústico, com uma única porta de madeira maciça, feito em pedra de cantaria.

Consta que no dia 13 de dezembro de 1822, vários oeirenses encapuzados renderam os guardas, subordinados ao comandante das armas, o português João José da Cunha Fidié, que já se encontrava em Parnaíba, e levaram as armas e munições que encontraram nesse paiol. Deram uma boa surra nos guardas e desapareceram no vão da história, sem que nunca se lhes descobrissem as identidades, pelo que ficaram como heróis anônimos.

3

À tarde, após o almoço e breve repouso, iniciamos a viagem de retorno a Teresina, via Regeneração, em que se se contemplam deslumbrantes paisagens, do alto de serras, e se percorre longo trecho da Chapada Grande. Também se veem extensas plantações de soja, que se perdem na linha do horizonte.

Fizemos breve parada turística, afetiva e sentimental em Regeneração, em virtude de que o Des. Oton e eu exercemos por vários anos a magistratura nessa histórica Comarca e de que nela, há várias décadas, o ex-presidente Reginaldo Miranda exerce a advocacia com proficiência, zelo e ética, e também pelo fato de que nós três temos o Título de Cidadãos Honorários dessa cidade e município, outrora vila e aldeamento nos tempos coloniais e imperiais. Reginaldo e o advogado Márcio Freitas, que participou da excursão com o seu filho João Gabriel, jovem bem informado e já um erudito, são casados com regenerenses. O Luciano Klaus gravou breves depoimentos, no entorno da imponente igreja de São Gonçalo, dos confrades Oton, Reginaldo e deste escrevinhador metido a escrivão.

Os acadêmicos Oton Lustosa e Reginaldo Miranda discorreram sobre suas ligações telúricas, afetivas e sentimentais com a cidade, assim como a respeito de suas experiências pessoais e laborais.

Em meu depoimento, recordando os velhos tempos do aldeamento indígena, falei que por ela e nas suas imediações passaram índios alegres, que gostavam de música e de dança; que o próprio padroeiro São Gonçalo fora um santo alegre e festeiro, a tocar sua viola; que os folguedos de São Gonçalo deveriam ser incentivados; que nela passara três a quatro dias, no começo dos anos 70, no apogeu de minha adolescência, tão estuante de vida e entusiasmo, quando nela dançara e namorara; que me batizara regenerense, na ocasião em que na companhia do soldado Raimundinho ou Pereira visitara as nascentes efervescentes do Mulato, a molhar a cabeça com uma cuia e quando recebi o meu Título de Cidadania, proposto pelo vereador Neto Leal. Falei ainda do meu esforço em movimentar com a possível celeridade os inúmeros processos. 

Sugeri ao Klaus fosse feito um documentário da viagem. Notei pela sua evasiva e sorriso maroto que isso já estava planejado por ele e pelo roteirista Zózimo Tavares. Nada mais lhe foi perguntado e nada mais ele disse.

Fizemos nova parada na indefectível Lanchonete Sales, na amorável e aprazível Água Branca do presidente Zózimo.

Em algum ponto da viagem, já nos aproximando de Teresina, de microfone em punho, a Jaqueline Nobre nos convocou a dizermos algumas palavras sobre a viagem. Os que falamos fomos unânimes em dizer que a expedição fora excelente e sem nenhum percalço digno de nota, exceto aquele a que já me referi.

Julgo importante acrescentar que, durante a viagem, se formaram várias rodas de conversas, entre os passageiros que se encontravam em cadeiras vizinhas. Participei de uma roda formada por Reginaldo Miranda, Fonseca Neto e a professora Socorro Barros, da qual vez ou outra participavam Márcio Freitas e João Gabriel Freitas. A conversava girava sobre assuntos diversos e aleatórios, mas com predominância de temas culturais e históricos. Aprendi muito com todos eles.

Encerrando o meu mister de escrivão da viagem, afirmo que não seguirei o exemplo de Pero Vaz de Caminha, que em sua magnífica carta a El-Rei, verdadeira certidão de nascimento do Brasil colonial, fez um pedido de ordem pessoal e aludiu, de maneira insólita, a certas vergonhas. Assim, nada pedirei e terei vergonha suficiente para não falar na vergonha de quem quer que seja.

Ao anoitecer, no estacionamento da Ponte Estaiada, ponto inicial e final da viagem, encontramos a nos esperar os nossos familiares e entes queridos. Como nos velhos filmes: The end.  

(*) Participaram da viagem: Valdenir José da Costa, Jaqueline Nobre, Zózimo Tavares e Regina, Jasmine Malta, Des. Oton Lustosa e Lindaura, Márcio Freitas, João Gabriel, Cremísia, Luciano Klaus, Jairo Moura, Maykon Douglas, Vanize Lemos, Plínio Macedo, Francisco Miguel de Moura e Mécia, Reginaldo Miranda e Maira, Fonseca Neto, Socorro Barros e Elmar Carvalho. Obs.: os acadêmicos Magno Pires, padre Tony Batista e Moisés Reis foram em transporte próprio.  

(*) Poeta e membro da APL.

APL sobe aos sertões

Fonseca Neto (*)

Um fato sem similar na existência secular da Academia Piauiense de Letras: uma sessão fora da cidade de Teresina, sua sede e capital do Piauí. Aconteceu, em dose dupla. A APL foi a São Raimundo Nonato e Oeiras, sertão de dentro do Estado.

Excursão, mesmo expedição, planejada ainda no começo de 2020, antes do ataque covidiano. Agora, sim. E foi um prodígio.

As academias em geral são forjadas para os compartilhamentos e mesuras amenas da vida urbana, naquele sentido de ajuntamento distinto da ruralidade. São elas associadas a centros de estudo e a universidades, também estas chamadas de Academia.

Mais remotamente, devem ter existido nas antiquíssimas Índia e China, no Egito multimilenar, no arquipélago que os helenos cobriram de exercícios de pensar e disseminaram narrativas a mancheias. Alexandria, ali por perto, e as ágoras gregas, são uma referência mais próxima dessas organizações, tudo antes da refundação cristianista. Todos conhecemos o que viria depois; o que veio.

Pois a APL, reduto virtuoso de escritores destacados, puxa tais linhas longas dessas tradições. Emprega-se em escrevinhar o Brasil a partir do Piauí, sendo a instituição cultural local com maior índice de publicação de livros e revistas. Ressalvo a Editora Nova Aliança, que é comercial mas se orienta por notável vocação em dá vazão a bons títulos lavrados aqui.

Em São Raimundo, a APL foi ver, e viu, a extraordinária experiência que ali acontece, no campo da investigação científica e interdisciplinar sobre a “origem do homem americano”, elaborando um conhecimento apurado e que põe o Piauí num ponto de visibilização muito oportuno em face da inteligência aprimorada. E não somente do “homem”, ali se remexe os acúmulos de milhões de anos de fauna, vegetais e pedras.        

Foram diversos momentos de contato com essas experiências – incluindo um encontro com sua líder – que o grupo expedicionário realizou. Sessão formal com palestras, recitações, jantares… Idas a museus e, melhor, visita ao Parque Nacional da Serra da Capivara, inscrito pela Unesco como patrimônio mundial, cultural e ambiental da Humanidade.

O autor destas linhas integrando a expedição, todos estivemos diante da icônica pedra furada, contemplando-a, de seu terreiro, que lembra um átrio de majestoso templo, esculpido pela natureza em transe, isto é, no tempo e o vento quando ali confluem e transam sob a injunção do Cosmos.

Estivemos sob a imensa concha talhada em que foram gravadas as “pinturas rupestres” mais conhecidas do sítio.

Em Oeiras, cidade-patrimônio nacional, o segundo ponto dessa viagem da APL, para integrar a celebração da lembrança dos acontecimentos de 24 de janeiro de 1823, que levaram à adesão do Piauí ao Império sustentado por D. Pedro I, desde o ano anterior.

Ali, a APL, em solenidade cultural-cívica pujante, juntamente o Instituto Histórico de Oeiras e o Governo do Estado, inaugurou-se o Ano Acadêmico de 2023, com ardentes cantatas de hinos ufanos, solenes falas sobre a cidade-mãe do Piauí e, nos sentidos da localidade, alusões sobre a força do protagonismo da antiga capital na construção do separatismo do Norte em relação a Portugal.

Acadêmicos também visitaram museus, monumentos, além da catedral concluída em 1733, erguida com e sobre os imensos lajedos que forram em pedra a cidade fundada pelos padres Miguel e Tomé de Carvalho, em 1697, cumprindo uma missão pastoral de 1696 em nome do bispo.

Inesquecível para os visitantes de longe, a audição e visão do referido hino de Oeiras, cujo estribilho aclama a antiga póvoa do Mocha como cidade Invicta! Que luta, reluta. Cidade cujos pagos sustentam a existência de um povo crente, laborioso, reverente a seu passado.

A APL contemplou nesses dias diferentes de sua própria história, uma Oeiras-relicário das tranqueiras longamente dadas. Também de uma Oeiras já expandida fisicamente e cada vez mais envolvida num esforço de se deixar caminhar sob os impulsos virtuosos das engrenagens da indústria do turismo, atividade contemporânea mais que vital na economia das trocas reais, tangíveis e simbólicas.

Conhecer mais e melhor o Piauí para além de Teresina é uma urgência. Há cidades vibrantes, bonitas, com cantos e recantos e com iniciativas que lhes permitem organizar um rumo de futuro mais auspicioso.  A APL voltou mais piauiense que nunca.

(*) Professor, historiador e membro da APL.

“CAMINHO DOS VENTOS” – UM BELO ROMANCE

Francisco Miguel de Moura*

Acabo de ler “Caminho dos Ventos”, o mais novo romance de José Ribamar Garcia, que sai agora, pela Líteris Editora, Rio de Janeiro-RJ, 2022, do qual gostei muito e fiz muitas anotações que, infelizmente, não cabem neste pequeno artigo. Ribamar Garcia é piauiense de nascimento, mas muito cedo mudou-se para o Rio de Janeiro, onde formou-se em Direito, e hoje está entre os melhores advogados do Brasil. Como escritor, iniciou escrevendo saborosas crônicas onde demonstra sua infância e personagem de sua vivência. Mas, nos livros seguintes, contos ou romances, se universaliza, assim é neste “Caminho dos Ventos” como em “Filhos da Mãe Gentil”. Digo isto pela observação, em leituras seguidas, que ele foi adquirindo um jeito muito pessoal, moderno, atualizado, de escrever mais ou menos à maneira que certamente adquiriu na vivência carioca. Nas suas crônicas já se note isto. No romance, também, faz um estilo sucinto de dizer muito com clareza e em frases bem apuradas. Eu, que venho acompanhando a vida e a obra deste notável escritor misto de piauiense e carioca, li de cabo a rabo, todo seu novo romance, e me vejo numa situação mais equilibrada de contestar os críticos que dizem que o romance está morrendo.

Não, o romance não está morrendo, prova é este que agora apresento, do escritor José Ribamar Garcia. “Caminho dos Ventos” é um romance perfeitamente legível por qualquer letrada e nele encontrará, pela clareza e concisão do texto, vida e paixão, dois sentimentos necessários a qualquer obra romanesca. “Caminho dos Ventos” tem como pano de fundo a Amazônia brasileira do tempo de ouro da borracha., com personagens vibrantes como Alberto Nasser e sua família, amigos como Luca Barros e filhos como o Jurandir e o Sebastião, assim como a mãe de seus filhos, a índia Jaciara, entre muitos outros viventes quais como benzedeiras e padres, mais políticos sem-vergonha como o Bernardo Sobral e outros. Sim, daqueles políticos que enriqueceram desonestamente, sendo causa da queda da riqueza da Amazônia, pois venderam a semente da seringueira por pouco mais ou nada, para o exterior, e empobreceram aos poucos uma região tão rica, trocando por outras plantas para produzir frutos inferiores, venderam o ouro ao exterior, porque não tiveram pulso para desenvolver como deviam o Brasil para os brasileiros. Políticos que proliferam lá ainda na região amazônica tanto quanto cá no Nordeste, daqueles que só pensam em enriquecer-se a si mesmo, suas famílias e seus apadrinhados, pouco importando o povo em nome de quem tanto falam.

Mas esta é a parte menor do romance, falando-se artisticamente, pois que na verdade, o romance que tem como pano de fundo a exploração da borracha na Amazônia, logo toma fôlego com o seu personagem principal Alberto Nasser e o seu valoroso trabalho de homem sério, vencendo as enormes adversidades do meio, e se torna um excelente pai de família e homem de ilibada conduta. Da mesma forma são a maioria dos personagens de “Caminho dos Ventos”, que vivem entre as cidades Marabá, Ouromonte (nome inventado pelo autor) e Letícia, com seu crescimento e seu declínio pelas causas já apontadas.

Os mais abalizados críticos literários dizem que há dois tipos de romances, os que procuram mostrar a realidade com predominância do panorama exterior, ou seja, a paisagem, a terra e a sociedade, e o romance de “personas” (os chamados romances psicológicos). Ribamar Garcia abarca as duas facetas: a linha de fundo da Amazônia e os fortes personagens já apontados, em meio a tantos outros que não se contam para a história romanesca, aqueles que são apenas figurantes, nome que se aplica aos de filmes que não têm papel preponderante na história. Deste ponto de vista, podemos considerar “Caminho dos Ventos”, como um romance completo.

No final, há uma parte romântica, ou seja, o reencontro de Jurandir, num momento decisivo de sua vida, com sua Marinete. Por isto e pela rica variedade da história, eu proponho que, se fosse visto pelas empresas de cinema e televisão, “Caminho dos Ventos” poderia ser veiculado por novelas e filmes. Mas isto é outra história, pois nossos meios de comunicação não têm apetite pelas coisas que edificam e enobrecem, mas dão asas às novelas de invenção triviais e perigosas para o bom caminho da educação social.

José Ribamar Garcia, espero que seu romance tenha a felicidade de encontrar ainda algum leitor de boa índole e apaixonado por boa leitura, visto que este mundão exagerado da internet, através dos chamados meios de comunicação social, as pessoas são encharcadas diariamente pela mídia perversa, onde mais do que quatro linhas ou cinco palavras são exageros para a leitura ou para o ouvido comum.

_____________

*Francisco Miguel de Moura, poeta e crítico literário brasileiro.

Capa do romance “Caminho dos Ventos”

Recordar é viver!… Sequestrado pela ditadura!

Por Jonathas Nunes (*)
PARTE I

Na tarde de vinte e sete de março de 1965, no aeroporto Santos Dumont no Rio de Janeiro, um certo Oficial da Aeronáutica, fardado e armado, juntamente com um sargento em uniforme de combate, portando uma submetralhadora , esperava com certa impaciência, a chegada de alguém. À espera de minha chegada, em voo comercial, que saiu de Brasília, na parte da tarde, com destino ao Rio de Janeiro.

Trata-se do Quartel General da 3ª Zona Aérea, bem ao lado do Aeroporto Santos Dumont, Rio de Janeiro, e o Oficial é o Major da Aeronáutica Nereu de Matos Peixoto, braço direito do temido Brigadeiro JOÃO PAULO MOREIRA BURNIER.
Quanto a mim, servira até há pouco, na Escola de Material Bélico, na Vila Militar, Rio de Janeiro, e reformado compulsoriamente, no apagar das luzes do Ato Institucional nº 1, em 7 de outubro de 1964. Recém casado, estimulado por um irmão, abandono o Rio, e já em dezembro fixo residência em Brasília, com a perspectiva de conseguir emprego de professor para mim e para a esposa.

Na tarde de 25 de março de 1965, estava sentado no sofá da sala do apartamento cedido pelo irmão, na SQN 403/404, Asa Norte de Brasília, preparando-me para um teste de Matemática que seria feito no dia seguinte, com vista a conseguir um emprego de professor em Brasília.

De quatro para cinco horas da tarde, dois agentes da repressão adentram, pela porta da cozinha, o apartamento no segundo andar do Bloco, em Brasília, onde me encontrava. Um dos Agentes indaga se eu era o capitão JONATHAS de Barros Nunes. Respondendo afirmativamente, diz o Agente: “Capitão, temos ordem para que o Senhor nos acompanhe”! Mal refeito da surpresa, digo apenas: “mas, tem que ser agora”? Respondeu que sim! Conhecendo as circunstâncias que o país estava vivendo não indaguei quem era a autoridade coatora, tampouco a identidade dos agentes. A esposa havia saído para trabalhar na Escola Classe do Núcleo Bandeirante, bairro próximo do Plano Piloto de Brasília, e só retornaria às dezoito horas. Entro no quarto, troco de roupa, e retorno à sala somente com a roupa do corpo, isto é, calça comprida e uma blusa. Após breve passagem em um dos prédios da Esplanada dos Ministérios, cuja finalidade nunca soube, a dupla de Agentes desce com o preso pelo elevador e no mesmo carro Preto de antes, se desloca para o Setor Militar Urbano de Brasília. Pelo semblante dos Agentes, fiquei com a impressão de que algo havia mudado de última hora. Ao chegar ao Quartel da Polícia do Exército, ali já se encontrava no Corpo da Guarda, o Major Aluisio, subcomandante. Sou entregue então à custódia da Polícia do Exército. Até então os dois Agentes não haviam revelado o motivo do sequestro; face a isso, ao passar às ordens do Major Aluisio, resolvo protestar contra o que estava acontecendo comigo, agora na presença de um Oficial superior do exército, a cuja guarda estava sendo entregue. “Major, fui sequestrado dentro da minha residência por estes dois Senhores que se quer se identificaram e estranho que não sendo pelo visto militares que autoridade têm para prender um oficial do exército! Tempos difíceis! O Major Aluisio de calado passou a mudo, e o chefe dos Agentes ao deixar o quartel dá sinal de discordância de minhas palavras, como se quisesse mostrar estranheza e surpresa de minha reação em somente “botar as mangas de fora” quando já me encontrava dentro do quartel. Soube depois tratar-se de dois Agentes do Estado do Rio de Janeiro, a disposição do CENIMAR(Serviço secreto da Marinha).

No início da tarde do dia seguinte, finalmemte sou localizado e visitado por um colega de turma da AMAN, capitão Danilo Rubens Marini que servia em Brasília e comunicou o fato à família. Indaga surpreso o que estava havendo comigo. Respondi que não estava sabendo de nada. Dois dias depois, sou conduzido do Quartel da Polícia do Exército em Brasília para o Aeroporto, sob escolta do capitão Amarcy, outro colega de turma na AMAN. Já no Aeroporto de Brasília, me faz entrega do bilhete da passagem comercial para o Rio de Janeiro, e me informa que no Aeroporto do Rio, havia um Oficial a minha espera.

Sou tomado de surpresa, pois até então não tinha ideia alguma para onde estava sendo levado e achava que ele Amarcy iria comigo. Não me informou, nem lhe perguntei qual o Oficial nem para onde eu seria conduzido. No entanto, imaginei que seria algum Oficial do exército que me levaria preso para a Vila Militar em Marechal Hermes, no Rio de Janeiro. Entro na fila de passageiros para o vôo com destino ao Rio, como um passageiro qualquer, sem nenhuma escolta. Era uma tarde de 27 de março. Ao descer no Aeroporto Santos Dumond, no Rio de Janeiro, pego minha bagagem de mão, uma valise, com duas ou três mudas de roupa, material de higiene pessoal e Maria Helena por pura inadvertência, havia colocado também minha farda do exército. Dentro da valise, um livro de Física pois, preocupado em não perder o curso que mal estava começando na UnB, pedira à esposa que pusesse na valise o livro de Física ÓPTICA do Francis Weston Sears.

Imaginava que ainda no pé da escada ou ao adentrar o saguão do Aeroporto Santos Dumond, bem no centro do Rio de Janeiro, seria de imediato abordado por um capitão ou major do exército o qual logo me informaria da ordem superior de prisão.

Nada disso porém, aconteceu. Os passageiros do avião apanham suas bagagens, deixam o Aeroporto, e ninguém aparece para me prender.

Com estranheza, surpresa e um certo temor, fiquei olhando para um lado, olhando para o outro, a ver se aparecia algum Oficial fardado, pois, naquela época era considerado impensável alguém a paisana prender um Oficial do exército.

Por um instante, aproveitando o fato de que não aparecia ninguém para me prender, penso em pegar um taxi e ir para a casa da prima Adalgisa residente no Leblon, na rua General Venâncio Flores, 389, e no dia seguinte eu mesmo iria me apresentar no Ministério da Guerra. Fiquei porém, intrigado com essa ausência de alguém para me prender no Aeroporto. Um sexto sentido me impelia a ficar desconfiado de que, sendo véspera do primeiro aniversário da Ditadura, os Agentes da Repressão poderiam estar com alguma armação pronta: “… deixar o elemento aparentemente solto, esboçar uma saída de táxi ou…quem sabe a ajuda de algum suposto grupo subversivo, dando cobertura para fuga do Aeroporto…”. Haveria então uma fuzilaria no Santos Dumont , com fotos logo estampadas no dia seguinte, nas manchetes dos jornais”… era tudo o que a Repressão queria. Na realidade não havia “cerco” e sim um “circo” sendo montado pela Ditadura já no seu primeiro ano de vida. Valeu o sexto sentido, como a seguir verificado. Desconfiado, fiquei de pé, encostado no balcão de passageiros, uns quinze a vinte minutos, achando que alguma trama poderia estar havendo em torno da ausência de um militar fardado para me dar voz de prisão no Aeroporto. Fiquei bem encostado no balcão de atendimento do Aeroporto, atento a qualquer anormalidade, ciente de que qualquer ocorrência ou violência que houvesse contra mim, seria logo notada por algum funcionário presente no lado interior do balcão. De repente, ouço gritos de alguém, em voz alta: – Capitão Jonathas! Capitão Jonathas! O senhor está preso, sob minhas ordens! Surpreso, me volto para o lado e vejo caminhando a passos largos, na minha direção, um Oficial da Aeronáutica, fardado. Parecia estar escondido por trás de alguma das muitas pilastras do saguão do Aeroporto Santos Dumont! Ao seu lado, acompanhando, um Sargento também da Aeronáutica em uniforme de combate, portando uma submetralhadora engatilhada e apontada na minha direção. Ao contrário do Sargento, o Oficial da Aeronáutica estava em uniforme militar de passeio. Lembro-me bem do quepe do uniforme. Pelas insígnias notei tratar-se de um Major, e logo verifico seu nome de guerra: NEREU. Sou conduzido preso, a pé, ao Quartel da 3ª Zona Aérea, que fica logo ao lado, pegado no Aeroporto. Na entrada do Quartel, o Major, como de praxe, revista a valise. Ao se deparar com minha farda do exército, colocada por MHelena achando que talvez eu precisasse usar, foi um verdadeiro alvoroço, com o Major Nereu mostrando em altos brados que “esta farda prova que os subversivos estão pensando em desenvolver atividades contra-revolucionárias usando fardamento militar”.

(*) Jontahas Nunes é membro da Academia Piauiense de Letras