Brasil perde leitores para redes sociais

O Brasil perdeu cerca de 4,6 milhões de leitores entre 2015 e 2019, segundo dados da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil.

Conforme os dados mais recentes sobre os hábitos de leitura no país, divulgados no final do ano passado, a redução foi sentida, sobretudo, entre leitores com ensino superior e na classe A.

A internet e as redes sociais são apontadas na pesquisa entre as causas da queda no índice de leitura no país.

Em 2015, 47% dos entrevistados informaram que usavam a internet no tempo livre. Esse percentual aumentou para 66% em 2019.

Já o uso de WhatsApp passou de 43% para 62%.

De acordo com o estudo, 82% dos leitores gostariam de ter lido mais, 34% alegaram falta de tempo e 28% disseram que não leram porque não gostam.

Nas redes sociais

Segundo a coordenadora da pesquisa, Zoara Failla, as pessoas estão usando o seu tempo livro não para a leitura de literatura, mas nas redes sociais.

“A gente nota que a principal dificuldade apontada é tempo para leitura e o tempo que sobra está sendo usado nas redes sociais”, afirma Failla.

Segundo a pesquisa, as maiores quedas no percentual de leitores foram observadas entre as pessoas com ensino superior, que passou de 82% em 2015 para 68% em 2019, e na classe A, que passou de 76% para 67%.

Esta é a 5ª edição da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, realizada pelo Instituto Pró Livro em parceria com o Itaú Cultural.

Média de leitura

O brasileiro lê, em média, menos de cinco livros por ano. Destes, a Bíblia é citada como o tipo de livro mais lido pelos entrevistados.

Segundo ainda a pesquisa, 5% dos leitores disseram que não leram mais porque acham os livros caros.

Um dos fatores que influenciam a leitura, diz o estudo, é o incentivo de outras pessoas. Um a cada três entrevistados, o equivalente a 34%, disse que alguém o estimulou a gostar de ler.

(Fonte: Agência Brasil e diáriodonordeste.verdesmares.com.br )

Brasil lembra o Dia da Imprensa

O Brasil lembra nesta terça-feira o transcurso do Dia da Imprensa, que passou a ser comemorado oficialmente em 1º de junho por força da lei 9.831/99 sancionada pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Até 1999, o Dia Nacional da Imprensa era comemorado em 10 de setembro, quando começou a circular o primeiro jornal publicado em terras brasileiras, Gazeta do Rio de Janeiro, fundado em 1808.

Publicado duas vezes na semana, o periódico era basicamente voltado para divulgação de comunicados da Coroa e informes sobre a política internacional .

O primeiro editor foi o Frei Tibúrcio José da Rocha, e o primeiro redator foi Manuel Ferreira de Araújo Guimarães.

A partir de 29 de dezembro de 1821, passou a se denominar simplesmente Gazeta do Rio e deixou de circular em dezembro de 1822.

A nova data

A escolha do 1º junho como Dia da Imprensa homenageia a fundação do “Correio Braziliense”, impresso em Londres, em 1808, pelo jornalista brasileiro Hipólito José da Costa, com o objetivo de driblar a censura imposta pela Coroa Portuguesa.

Desde o seu nascimento, a imprensa brasileira revela, divulga e abriga grandes literatos. Muitos deles publicaram obras literárias que se tornaram clássicas através dos jornais de sua época, na forma de folhetins.

(Fonte: Biblioteca Nacional e ABI)

Ex-ministro apresenta seu novo livro no ‘Chá das 5’

O ex-ministro da Defesa, Aldo Rebelo, apresentou no “Chá das 5” desta quinta-feira (27/05) o seu novo livro, intitulado “O Quinto Movimento – Propostas para uma construção inacabada”.

Ele disse que a obra traz as suas visões do Brasil e discute o processo civilizatório do país.

Para tanto, a obra faz uma periodização da história brasileira, dividida em cinco movimentos, entre 1500 até agora.

Os 5 movimentos

O primeiro compreende a base da formação nacional, que ele situa entre 1500, ano zero do Brasil, até 1750, quando foi assinado o Tratado de Madri, estabelecendo as fronteiras da área territorial.

O segundo movimento abarca as jornadas da Independência e o terceiro a consolidação da Independência, em 1822, até a Abolição da Escravatura, em 1888.

o quarto está situado na República, com destaque para a Era Vargas, até os dias atuais.

O quinto movimento, conforme o autor, é o que está para ser iniciado. Nesta parte, ele apresenta as suas propostas para a construção inacabada do país.

Os desafios do país

Vários temas são elencados para esta última etapa, como economia; agricultura, agropecuária e agroindústria; Amazônia; Forças Armadas; Ciência, Tecnologia e Inovação; educação; democracia; a questão indígena e a presença das mulheres.

O autor discute ainda sobre os desafios do Brasil quanto à violência e a segurança; o meio ambiente e a desigualdade.

O livro já está disponível na Amazon e também no site da Editora Já, do Rio Grande do Sul.

O ‘Chá das 5’, programa da Academia Piauiense de Letras, é apresentado toda quinta-feira, às 17h, na TV Nestante (YouTube),

“Chá das 5” recebe Aldo Rebelo nesta quinta, 27

O ‘Chá das 5’, programa da Academia Piauiense de Letras apresentado semanalmente na TV Nestante (YouTube), contará nesta quinta-feira (27/05) com a presença do ex-ministro Aldo Rebelo.

Ele vai falar sobre o seu novo livro, “O Quinto Movimento – Propostas para uma construção inacabada”, que está sendo lançado em todos os Estados brasileiros.

O programa começa às 17h, com 30 minutos de duração, e tem apresentação dos jornalistas Zózimo Tavares e Vanize Lemos.

Na edição desta quinta-feira terá a participação especial do jornalista e humorista João Cláudio Moreno.

Vida pública

Jornalista e político, Aldo Rebelo foi deputado federal por seis mandatos, representando o Estado de São Paulo.

Foi ministro da Secretaria de Coordenação Política e Relações Institucionais, vinculada à Presidência da República, no primeiro Governo Lula.

Presidiu a Câmara dos Deputados entre 28 de setembro de 2005 e 31 de janeiro de 2007.

Ele exerceu também o cargo de ministro dos Esportes; da Ciência, Tecnologia e Informação e da Defesa.