APL na abertura do SIUFPI

A Academia Piauiense de Letras se fez representar, hoje (22/11), na abertura oficial da 4ª. edição dos Seminários Integrados da Universidade Federal do Piauí (SIUFPI).

A cerimônia foi realizada no Cine Teatro da UFPI, sob a presidência do reitor Gildásio Guedes.

Com o tema “Despertar a ciência para as novas gerações”, o evento segue até o dia 1° de dezembro com uma rica programação que abrange as áreas de pesquisa e extensão na UFPI.

A mesa de honra contou com a presença do Reitor da UFPI; do Vice-reitor Viriato Campelo e da Coordenadora-Geral do SIUFPI e Pró-Reitora de Extensão e Cultura, professora Deborah Dettmam, além de autoridades e convidados.

A Academia Piauiense de Letras foi representada pelo seu presidente, Zózimo Tavares.

Em seu discurso, o reitor Gildásio Guedes destacou a atuação da Academia na busca de parceiras com a UFPI para fortalecer a cultura.

O SIUFPI 22

O SIUFPI 2022 é formado por oito grandes seminários que acontecem de forma simultânea.

São eles: o XXXI Seminário de Iniciação Científica (SIC); o XIV Seminário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (SDTI); o XII Seminário de Extensão e Cultura (SEMEX); a IX Mostra de Comunidades (MC); o III Seminário de Ensino de Graduação (SEG); o III Seminário Integrador de Pesquisa e Extensão dos Colégios Técnicos (SIPECT); o VI Ciclo de Palestras da Pós-Graduação (CP-PRPG); e o IX Seminário de Assistência Estudantil (SEMAE).

A programação do evento inclui ainda conferências, palestras, oficinas, minicursos e painéis, nos quais é possível conhecer trabalhos e projetos desenvolvidos por alunos e professores da graduação, pós-graduação e colégios técnicos.

Academia lembra Dia da Consciência Negra

A Academia Piauiense de Letras realizou Sessão Especial ontem (19/11) para lembrar a passagem do Dia da Consciência Negra, que transcorre hoje (20/11).

Durante a sessão, houve uma palestra da professora Iraneide Soares da Silva, coordenadora nacional do Consórcio Nacional dos Núcleos de Estudos AfroBrasileiros/CONNEABS (2020-2022).

Ela foi convidada para integrar a Equipe de Transição do Governo Lula e em sua palestra na APL abordou a questão das cotas raciais para ingresso nas universidades públicas.

A apresentação da palestrante foi feita pelo acadêmico Fonseca Neto.

IRANEIDE SOARES DA SILVA

Pesquisadora Negra Ativista dos Movimentos Sociais Negros Organizado Brasileiro desde 1989.

Doutora em História Social pela Universidade Federal de Uberlândia/UFU; Mestra em Educação pela Universidade Federal do Ceará/UFC; Graduada em História pelo Uniceub/DF.

Professora do Departamento de História da Universidade Estadual do Piauí/UESPI e do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Cultura e Sociedade/UESPI.

Coordenadora do SANKOFA – Núcleo de Estudos e Pesquisas em História e Memória da Escravidão e do Pós-Abolição da UESPI;

Presidente da Comissão de Heteroidentificação das políticas de Ações Afirmativas da UESPI (2019-2021).

Presidenta da Associação Brasileira de Pesquisadorxs Negrxs/ABPN (2022-2024);

Coordenadora Nacional do Consórcio Nacional dos Núcleos de Estudos AfroBrasileiros/CONNEABS (2020-2022);

Pesquisadora filiada a Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as)/ABPN;

Sócia Fundadora do Coletivo de Intelectuais Negrxs Brasileirxs/CDINN (2021);

Sócia Fundadora do Ayabás – Instituto da Mulher Negra do Piauí (2009); Sócia Fundadora da Kilombo – Organização Negra do Rio Grande do Norte (1989);

Foi membro da comissão brasileira na III Conferência Mundial Contra o Racismo, Xenofobia e outras formas de Discriminação em Durban, África do Sul (2001).

Consultora da Unesco (2003 a 2004; e 2014-2014), do Unicef (2010-2010).

Servidora Comissionada do Ministério da Educação (2004-2007).

No campo do ensino e da pesquisa, tem atuado especialmente nos seguintes temas: educação para as relações étnico-raciais. Escravidão Negra e Urbana Séc. XIX; História e Imprensa; Cidades do Sec. XIX; São Luís do Maranhão do Séc. XIX – Educação Tecnológica; Raça; Identidades; formação de professores sobre a Lei 10639/03 e a Educação para as Relações Raciais; Políticas de Ações Afirmativas; Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

Nos últimos tempos tem pesquisado sobre histórias e trajetórias de mulheres negras afroatlânticas e cidades negras do Séc. XIX e políticas de ações afirmativas.

Reitor Gildásio Guedes (UFPI), Zózimo Tavares (Presidente da APL), professora Iraneide e acadêmica Fides Angélica.
Acadêmicos com a palestrante, após a conferência.

Livro sobre Torquato é lançado na APL

O livro “Torquato Neto – Arte inacabada” foi lançado neste sábado (19/11) na Academia Piauiense de Letras,

A APL e a UFPi, mais a Plug Propaganda e a UPJ Produções, desenvolvem uma programação especial para lembrar os 50 anos do voo mais radical do Anjo Torto que desafinava o coro dos contentes.

O programa foi aberto na UFPI, em 9 de novembro, dia do nascimento de Torquato.

Durante dois dias, foram realizadas, no Cine Teatro da UFPI, exposições audiovisuais, audição de músicas inéditas, projeção de filmes e debates sobre o poeta e sua obra.

De 16 a 18, o programa de homenagens a Torquato foi realizado no Sesc Cajuína, com várias atividades.

A programação será encerrada na sexta-feira, dia 25, com o lançamento de mais dois livros sobre o poeta e show musical, no Sesc Cajuína.

O livro

Ao lançamento na APL estiveram presentes o reitor Gildásio Guedes e o vice-reitor Viriato Campelo, além do diretor da Editora da UFPI, professor Cleber de Deus.

A apresentação da obra foi feita pelo publicitário George Mendes, curador do acervo de Torquato Neto, e pelo professor Viriato Campelo.

O livro, publicado pela EDUFPI, foi escrito por 16 autores, entre jornalistas, professores, poetas e cineastas, que se dedicam à pesquisa da obra de Torquato.

A obra traz ainda poemas, letras e imagens do poeta.

A convite do presidente da APL, Zózimo Tavares, o acadêmico Jonathas Nunes deu um depoimento sobre sua convivência com Torquato.

Jonathas é tio do poeta, que com ele morou no Rio de Janeiro, no início dos anos 1960.

George Mendes apresenta livro sobre Torquato na APL.

Professor Viriato Campelo, idealizador do livro, fala sobre a obra.

Acadêmico Jonathas Nunes fala sobre sua convivência com Torquato.
Reitor Gildásio Guedes

IFPI vai cobrar Literatura Piauiense em seu vestibular

O Instituto Federal do Piauí (IFPI) voltará a cobrar conhecimentos de Literatura Piauiense em seu vestibular.

A garantia foi dada pelo reitor Paulo Borges da Cunha, durante visita de cortesia do presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares.

Acompanhado do acadêmico Elmar Carvalho, o presidente da APL foi levar ao reitor o aplauso da instituição pela retomada do vestibular como forma de ingresso nos cursos superiores do IFPI.

A novidade foi anunciada em outubro passado, durante solenidade na Reitoria e que marcou o lançamento do edital do Vestibular 2023.

A visita do presidente da APL ao reitor ocorreu ontem (17/11).

Fim do Sisu

Durante 13 anos, o IFPI adotou o Sisu (Sistema Unificado de Ensino) na seleção de alunos para seus cursos superiores.

O instituto constatou, porém, que isso estava prejudicando os piauienses, especialmente os residentes no interior.

É que, em muitos casos, os candidatos de outros estados aprovados para os cursos ministrados nos campi do interior do Piauí não se matriculavam.

Com isso, o IFPI tinha que lançar nova chamada, repetindo-a sucessivamente.

No ano passado, pelo menos 500 alunos residentes fora do Piauí não efetivaram suas matrículas.

Mudança

O instituto decidiu retomar o seu vestibular tradicional e, a partir do próximo concurso, vai cobrar dos candidatos conhecimentos sobre Literatura Piauiense.

O edital do vestibular que está em andamento, já na nova modalidade, traz a oferta de 2.265 vagas em 58 cursos de 17 campi.

Os cursos do IFPI são gratuitos e de três tipos: bacharelado, licenciatura e tecnologia.

Inscrições

As inscrições devem ser feitas até 12 de dezembro, pela internet, no site https://selecao.ifpi.edu.br.

Os candidatos inscritos irão realizar, no dia 15 de janeiro de 2023, uma prova objetiva e uma redação.

A prova objetiva contará com 60 questões de múltipla escolha e considerará as competências e habilidades definidas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Já a prova de redação constará de produção de um texto, dissertativo-argumentativo, no gênero prosa. O resultado final será divulgado a partir do dia 13 de fevereiro de 2023.

Reitor do IFPI, professor Paulo Borges da Cunha, recebe membros da APL.

Livro sobre Torquato Neto será lançado sábado na APL

O livro “Torquato Neto – Arte inacabada” será lançado no próximo sábado (19/11) na Academia Piauiense de Letras.
A obra foi publicada pela Editora da UFPI (Edufpi) para lembrar os 50 anos da partida do poeta.
O lançamento do livro na APL está marcado para as 9 horas, no Auditório Acadêmico Wilson Brandão.
Torquato Neto – Arte inacabada” foi organizado pelos professores George Mendes, Paulo José Cunha e Viriato Campelo.
Eles explicam que a obra reúne as visões de pesquisadores, jornalistas, professores, poetas, letristas, curadores e simples admiradores do poeta.
No livro, de 415 páginas, Torquato Neto é revisitado em textos de Augusto de Campos, Paulo Roberto Pires, Paulo José Cunha, Isis Rost, Marcelo da Silva Ribeiro, Edwar Castelo Branco e George Mendes.
Também escrevem sobre o poeta: Cláudio Leal, Dai Belquer, Jaislan Honório Monteiro, Marcus Fernando, Eduardo Ades, Edmar Oliveira, Viriato Campelo, Antônio Quinet e Fábio Leonardo.
O livro traz fragmentos da obra do poeta e um ensaio escrito e assinado por ele, aos 17 anos, intitulado “Arte e Cultura Popular”, no qual interpreta e questiona o cânone literário brasileiro.

Homenagens
Torquato Neto nasceu em Teresina em 9 de janeiro de 1944 e morreu no Rio de Janeiro, em 10 de novembro de 1972, após comemorar seus 28 anos.
Poeta, letrista e cineasta, é um dos fundadores da Tropicália.
Os 50 anos de seu falecimentos estão sendo lembrados no Piauí em programação conjunta da UFPI, APL, Plug Propaganda e UPJ.

Reprodução da capa do livro “Torquato Neto – Arte inacabada”

APL comemora 2 anos do “Chá das 5”

A Academia Piauiense de Letras realizou, no último sábado (12/11), Sessão Especial para celebrar o segundo aniversário do programa “Chá das 5”.

O presidente da APL, Zózimo Tavares, lembrou que o programa, exibido às quintas-feiras, às 17h, na TV Nestante (YouTube), nasceu no contexto da Pandemia da Covid-19.

Com a decretação do isolamento social, a Academia passou a realizar suas atividades no formato virtual, a partir de junho de 2020.

Quando os acadêmicos já estavam preparados para lidar com as ferramentas digitais, na modalidade on-line, a APL passou a apresentar o “Chá das 5”.

Trata-se de um bate-papo semanal, com meia hora de duração, que tem por objetivo difundir de forma ampla, na utilização dos meios propiciados pela internet, temas literários e culturais que se vinculam à finalidade da academia.

A secretária geral da APL, Fides Angélica, explicou que o título do programa homenageia atividade homônima da Academia Brasileira de Letras.

O idealizador e diretor da TV Nestante, jornalista e professor Jessé Barbosa, disse que o “Chá das 5” já se consolidou como um dos principais programas do canal.

Homenagem

A APL homenageou os envolvidos na produção, apresentação e direção do programa – jornalistas Jessé Barbosa, Josimar Santana, Eulália Teixeira e Vanize Lemos.

Além de acadêmicos, participaram da sessão vários dos quase 100 entrevistados pelo programa ao longo dos últimos dois anos.

Foi lida uma mensagem do sociólogo e ambientalista Rubens Luna, com os cumprimentos dos que não puderam comparecer ao evento:

Caso em Teresina estivesse, faria muito gosto em participar de tão altivo evento. Hoje moro em Lisboa, Portugal. Transmita meus parabéns pelo êxito, longevidade e formato dinâmico do programa”.

Teresina realiza a Balada Literária

A Balada Literária 2022 se realiza durante todo o dia de hoje (11/11), em Teresina, no Memorial Esperança Garcia.

A abertura do evento ocorreu às 8h, com café da manhã seguido de exposição, lançamentos de livros, mesa redonda e recital de poemas.

Na abertura, o presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, levou o aplauso e o incentivo da instituição aos organizadores do evento.

O curador da Balada Piauí, professor e escritor Wellington Soares, informou que o evento estava em sua sexta edição em Teresina.

A delegada Eugênia Vila também prestigiou a cerimônia e incentivou os jovens a praticarem a leitura.

Presencial

Nos últimos dois anos, a Balada Literária foi realizada no formato virtual, em função da pandemia da Covid-19.

A Balada se realiza também em São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro e Recife.

No Piauí, o evento homenageia este ano a poetisa e produtora cultural Marleide Lins.

A Balada concentrou suas atividades em um dia e, na parte da tarde, foram realizadas mesas-redondas e exibição de documentário sobre Esperança Garcia.

Para o começo da noite, foram programadas atrações artísticas com o Coisa de Nêgo, grupo afrocultural, com participações especiais de Teófilo Lima e Preto Kedé.

O show de encerramento ficou a cargo do Samba no Coreto, grupo piauiense, e da cantora Fernanda Jacob, brasiliense.

Bate-papo com a poetisa Marleide Lins

Delegada Eugênia Vila: incentivo à leitura.
Coordenadora do Memorial Esperança Garcia.
Presidente da APL na abertura da Balada.

Piauí lembra Torquato 50 anos depois

A programação do evento “Torquato Neto 50 anos” foi aberta ontem (9/11) à noite, no Cine Teatro da Universidade Federal do Piauí, situado no Espaço Cultural Rosa dos Ventos.

A abertura do programa foi marcada pelo lançamento do livro “Torquato Neto Arte Inacabada“, publicado pela Editora da UFPI (EDUFPI).

Durante a cerimônia, o reitor da UFPI, Gildásio Guedes, destacou a necessidade de celebrar a obra de Torquato como um grande artista piauiense.

Para o vice-reitor Viriato Campelo, que se dedica há 40 anos à divulgação do poeta, Torquato sempre estará vivo através de sua obra.

O curador da obra de Torquato, George Mendes, destacou que o que foi feito pelo autor passou a existir após a sua morte.

Ele enfatizou como a poesia de Torquato é sensível e musical, ainda hoje sendo base para a criação de novas melodias.

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, destacou a grandeza de Torquato Neto lembrando que ele viveu apenas 28 anos e sua obra cresce 50 anos depois de seu falecimento.

Documentário

Após o lançamento, houve a exibição de um vídeo produzido para os 40 anos da “Torquatália”.

Foi realizada também uma roda de conversa para o compartilhamento de vivências acerca da obra do autor. 

O professor de Historia da UFPI, Edwar Castelo Branco, ressaltou que estão sendo realizadas cada vez mais pesquisas sobre o artista.

Já o professor de Comunicação Fenelon Rocha aproveitou a oportunidade para divulgar o podcast “50 anos do voo do Anjo Torto”.

Produzido em parceria com o também professor do curso Silvio Barbosa e alunos, o conteúdo está distribuído em sete episódios e pode ser acessado nas plataformas digitais.

“Precisamos louvar o que bem merece, precisamos louvar Torquato Neto”, acentuou. 

As atividades que lembram os 50 anos da morte do poeta Torquato Neto se estenderão até o próximo dia 25, em diversos espaços.

No próximo dia 19, às 9h, haverá o lançamento do livro Torquato Neto – Arte inacabada na Academia Piauiense de Letras.

(Com informações da UFPI)

Confira a programação completa.

APL celebra o Dia Nacional da Cultura

A passagem do Dia Nacional da Cultura e da Língua Portuguesa foi celebrada em sessão especial da Academia Piauiense de Letras realizada sábado (5/11).

O professor Herasmo Braga proferiu uma palestra sobre O Pensamento Crítico de José Guilherme Merquior.

Antes, foi exibido o documentário Jose Guilherme Merquior – Paixão pela Razão, produzido pela editora É Realizações.

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, lembrou que o dia 5 de novembro foi escolhido como o Dia Nacional da Cultura e da Língua Portuguesa em homenagem a Rui Barbosa, jurista, jornalista, político, diplomata, ensaísta e orador.

Rui Barbosa foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras e sócio honorário da APL, a convite da primeira geração de acadêmicos.

O palestrante foi apresentado pelo acadêmico Carlos Evandro. Participaram também da sessão os acadêmicos Dilson Lages, Elmar Carvalho, Felipe Mendes, Fides Angélica, Fonseca Neto, Humberto Guimarães, Itamar Costa, Jonathas Nunes, Moisés Reis, Oton Lustosa, Plinio Macêdo e Teresinha Queiroz.

Também participaram do evento o deputado federal Flávio Nogueira e o professor Cleber de Deus, do Curso de Ciência Política da Universidade Federal do Piauí, entre outros convidados.

O palestrante

Herasmo Braga é Doutor em Literatura Comparada, Pós-doutor em Filosofia Contemporânea, Professor Adjunto de Teoria e Crítica Literária da Universidade Estadual do Piauí e da Pós-graduação stricto sensu em Letras da Universidade Federal do Piauí. Ensaísta e Crítico Literário. Autor dos livros: Neorregionalismo Brasileiro: análise de uma nova tendência da Literatura Brasileira, Luiz Gama: entre o Riso e Sátira, Toda Palavra e outros textos críticos e do romance Porque era Eu porque eram Elas. Autor da coluna de crítica literária Toda Palavra no Jornal O Dia e da coluna Doxa e Episteme no portal Entretextos.

Ao agradecer a presença e a atenção de todos, o presidente da APL encerrou a sessão enfatizando que o Brasil produziu uma imensa diversidade de manifestações culturais a partir da contribuição de diversos povos, em variados momentos.

“É um rico patrimônio que precisa ser valorizado, sempre, por todos os brasileiros, pois, como avisa o samba, quem não gosta de cultura, bom sujeito não é!”, concluiu.

“Chá das 5” faz dois anos

O programa “Chá das 5”, apresentado pela Academia Piauiense de Letras na TV Nestante (YouTube), chegou a dois anos no ar. Sua estreia ocorreu em 5 de novembro de 2020.

O Chá, um bate-papo com escritores, artistas, educadores e outros profissionais da área cultural, é apresentado semanalmente às quintas-feiras, às 17h, com 30 minutos de duração.

O programa desta quinta (5/11) foi comemorativo dos dois anos de sua existência. 

Foram entrevistados o presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, seu idealizador, e o diretor da TV Nestante, jornalista e professor Jessé Barbosa.

Os acadêmicos Dilson Lages, Elmar Carvalho, Fonseca Neto e Felipe Mendes deram depoimentos sobre a contribuição do programa para o cenário cultural piauiense.

O presidente da APL explicou que o programa nasceu no contexto da pandemia da Covid-19, sendo um canal de comunicação da Academia com a comunidade.

Desde novembro de 2020, já foram exibidas quase 100 edições.

Durante um ano, o Chá foi apresentado pela jornalista e professora Eulália Teixeira.

A partir daí, vem sendo apresentado pela jornalista Vanize Lemos.