Sai novo livro da Coleção “Sucessores dos Apóstolos em Teresina”

Capa do terceiro volume da coleção “Sucessores dos Apóstolos em Teresina”.

Mais um volume da Coleção “Sucessores dos Apóstolos em Teresina” será lançado no próximo domingo (21/11), às 10h, no Palácio Episcopal.

O livro, intitulado “Severino”, trata da vida e da obra sacerdotal de Dom Severino Vieira de Melo, terceiro arcebispo de Teresina.

A obra compõe o terceiro volume da coleção e tem como autores os professores e pesquisadores Fonseca Neto e Paulo Libório.

Eles são autores também dos dois volumes anteriores, “Joaquim” (sobre Dom Joaquim Antônio de Almeida, que chegou em Teresina em 1906, como primeiro bispo) e “Octaviano” (sobre Dom Octaviano Pereira de Albuquerque, o segundo bispo, que governou a Diocese de 1914 até 1922).

O primeiro volume da coleção, idealizada pelo arcebispo metropolitano de Teresina, Dom Jacinto Brito, foi publicado em 2016.

A coleção é uma publicação conjunta da Arquidiocese de Teresina e da editora Nova Aliança.

Historiador fala na APL sobre identidade visual de Teresina

“Teresina demorou muito para ter uma identidade visual”. A opinião do jornalista, historiador e fotógrafo Paulo Gutemberg, e foi manifestada na sessão especial dedicada à cidade, cujo aniversário se comemora nesta segunda-feira (16/08).

A sessão foi realizada neste sábado (14/08) conjuntamente pela Academia Piauiense de Letras e pelo Instituto Histórico e Geográfico do Piauí, no formato virtual.

O palestrante disse que Teresina foi retratada primeiramente através de imagens verbais, literárias, como o título de “Cidade Verde” que ganhou do escritor maranhense Coelho Neto.

Durante sua palestra, o historiador e fotógrafo apresentou imagens de Teresina representativas de diferentes períodos, desde a Floresta Fóssil, com 250 milhões de anos, até a atualidade.

Ele prestou homenagens aos primeiros fotógrafos e artistas gráficos que retrataram Teresina, como Homero Rios de Lima, José Medeiros, Valdir Fortes, Guilherme Müller e Totó Barbosa.

A sessão foi transmitida pelo Canal da APL no YouTube e pela TV Nestante.

Teresina recebe homenagens da APL e do IHGP pelos seus 169 anos

A Academia Piauiense de Letras vai homenagear Teresina com dois eventos pela passagem do aniversário da cidade, a ser comemorado na próxima segunda-feira, dia 16.

A primeira homenagem é o “Chá das 5” desta quinta-feira (12), dedicado à capital, com o tema “Narrativas geográficas de Teresina”.

O entrevistado do programa da APL na TV Nestante (YouTube) será o professor Antônio Façanha, do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Piauí.

Ele é um pesquisador sobre a configuração urbana e social da capital.

O programa vai ao ar às 17h e contará com a participação especial do professor, historiador e acadêmico Fonseca Neto.

Imagens de Teresina

A segunda homenagem da APL a Teresina será prestada no sábado (14/08), às 10h.

A Academia e o Instituto Histórico e Geográfico do Piauí (IHGP) farão sessão especial conjunta na qual o historiador, jornalista e escritor Paulo Gutemberg vai proferir a palestra “Teresina 169: imaginário, figurações, imagens”.

A sessão será realizada no formato virtual, com transmissão pelo Canal da APL no Youtube.

Paulo Gutemberg, que é também fotógrafo, é autor de dois livros referenciais sobre a cidade: “Teresina”, publicado em 2004, e “Guilherme Müller e a invenção visual de Teresina”, de 2017.

No primeiro livro, ele mostra a origem de Teresina no sítio arquitetônico original, identificando os traços de criação e planejamento da cidade.

No segundo, documenta e reproduz imagens do fotógrafo Guilherme Müller sobre Teresina durante meio século, a partir do final da década de 1930.

A menina que já leu 500 livros

Aos 13 anos, Edelainni Araújo Silva, aluna de escola pública de Teresina, está comemorando a leitura de 500 livros.

Ela esteve na sede da Academia Piauiense de Letras, na quinta-feira (1º/07), para celebrar o feito e recebeu de presente uma coleção de livros de autores do Piauí.

Ela foi recebida pelo presidente da APL, Zózimo Tavares, e pela secretária-geral da Academia, Fides Angélica.

Muito comunicativa, Edelainni contou que começou a se interessar pela leitura já aos três anos de idade, e o gosto pelos livros se intensificou quando cursava a 3ª série.

Desde então, todo ano ela passou a se destacar em sua escola como a aluna que mais lia.

Em 2019, ela foi conferir as suas fichas de anotações nas bibliotecas e contou 375 livros já lidos.

De lá para cá, leu mais 175 livros, completando os 500 na semana passada.

São livros de todos os gêneros, mas sua preferência é pelos que contam histórias de magia e fadas.

O livro de número 500 lido por Edilanni foi “Vermelho, branco e sangue azul”, um romance de 385 páginas entre a Casa Branca e o Palácio de Buckingham.

O livro, escrito por Casey McQuiston, foi publicado em 2019.

Escritora mirim

Edelainni é de uma família pobre do bairro Água Mineral, zona Norte de Teresina. O pai, Deusenir Oliveira da Silva, vigilante, dá todo apoio à filha, com muito orgulho.

Ele acompanhava a jovem leitora na visita à Academia Piauiense de Letras, como faz sempre quando ela vai para as livrarias ou o Salão do Livro.

Em 2017, a Secretaria Municipal de Educação publicou um livro seu, intitulado “A Bolinha Mágica”, dentro de um projeto de incentivo à leitura nas escolas.

Por conta disso e pelo seu interesse pelos livros, já é chamada de escritora mirim.

Edilanni estuda na Escola Municipal 15 de Outubro, que funcionava na Avenida Duque de Caxias (dentro do Parque da Cidade).

Ela cursa o oitavo ano e sua escola foi transferida para a Governador Miguel Rosa, perto do Teatro do Boi, no bairro Matadouro.

Estuda das 13 às 17 horas e reserva a noite para as horas de leitura. “Gosto de ler à noite, não tem barulho”.

Ela reclama, entretanto, das aulas on-line, por causa da pandemia da Covid-19: “Não se aprende nada, é só tarefa e mais tarefa”.

Leitura no parque

A menina participa voluntariamente de um projeto cultural no Parque Lagoas do Norte.

A inciativa tem o objetivo de incentivar a leitura entre as crianças e foi interrompida por causa da pandemia.

Ela recebeu a garantia do presidente da APL de que a Academia vai apoiar o projeto quando ele for retomado.