APL fará no Salipi a sessão de posse de novo acadêmico

A posse do poeta e compositor Climério Ferreira na Cadeira 36 da Academia Piauiense de Letras será no SaLiPi – Salão do Livro do Piauí.

O anúncio foi feito pelo presidente da APL, Zózimo Tavares, adiantando que a sessão solene de posse do novo acadêmico está marcada para as 10 horas do próximo dia 11 (sábado).

A cerimônia será realizada no Cine-Teatro da Universidade Federal do Piauí, localizado no Espaço Rosa dos Ventos, onde se realiza o SaLiPi.

O coordenador geral do Salão do Livro do Piauí, professor Kássio Gomes, destacou que será a primeira vez que a Academia realiza uma sessão solene dentro do evento.

 

O novo acadêmico

Climério Ferreira, além de poeta e compositor, é professor aposentado da Universidade de Brasília.

Ele nasceu em Angical do Piauí, residiu em Teresina e mudou-se para Brasília na década de 1960.

Desde a juventude, tem forte presença no cenário cultural de Brasília e da Música Popular Brasileira.

Na década de 1970, gravou três discos com os irmãos Clodo e Clésio. Um deles, “São Piauí”, é considerado pela crítica como um disco antológico da MPB.

Suas canções já foram gravadas por intérpretes como Ednardo, Fagner, Belchior, Dominguinhos, Elba Ramalho, Amelinha e Milton Nascimento.

APL presta homenagem à memória de Assis Brasil

“Assis Brasil foi o maior fenômeno da prosa ficcional da história literária do Piauí”, afirmou o professor e acadêmico Dilson Lages, na oração da saudade em memória do escritor.

O panegírico de Assis Brasil foi realizado no sábado passado (28/05), na Academia Piauiense de Letras, exatamente na passagem de seis meses do falecimento do escritor.

Dilson Lages disse que Assis Brasil, nascido em Parnaíba, em 1929, escreveu e publicou 140 livros, muitos deles reeditados várias vezes.

Sua trajetória literária foi iniciada em 1953, com o romance infanto-juvenil “Verdes mares bravios”.

Ao mesmo tempo, publicava artigos que o levaram a ser um escritor profissional.

A busca da perfeição

A professora Divaneide Carvalho fez o discurso de agradecimento da homenagem da APL, em nome da família, e destacou que Assis Brasil incursionou por todos os gêneros literários,

Foi jornalista, professor, historiador literário, tradutor, antologista, ensaísta e dicionarista, ao longo de mais de 60 anos de intensa atuação no campo das letras.

“Ascendeu sempre rumo à perfeição textual”, enfatizou, assinalando que o escritor atingiu o seu apogeu com o centésimo livro, intitulado “O sol crucificado”, publicado em 1998 e dedicado ao romancista O. G. Rego de Carvalho.

A homenagem

O panegírico de Assis Brasil, realizado no auditório da APL, contou ainda com a presença dos acadêmicos Carlos Evandro Eulálio, Elmar Carvalho, Felipe Mendes, Fides Angélica (secretária geral da APL e cerimonialista), Fonseca Neto (1º secretário), Francisco Miguel de Moura, Itamar Costa, Luiz Ayrton Santos Júnior, Magno Pires (vice-presidente), Nelson Nery (presidente do Conselho Estadual de Cultura), Oton Lustosa, Plínio Macêdo, Reginaldo Miranda e Teresinha Queiroz.

Também participaram virtualmente da Sessão Solene da Academia, realizada no formato híbrido e conduzida pelo presidente Zózimo Tavares, os acadêmicos Jonathas Nunes, Moisés Reis e Pedro da Silva Ribeiro, este de Brasília.

Entre os convidados, destacaram-se as presenças da presidente da União Brasileira de Escritores, Seção do Piauí, Lisete Napoleão Medeiros, da professora Raimunda Celestina (UESPI) e do professor Luiz Romero, da coordenação do Salão do Livro do Piauí (Salipi).

A Academia Piauiense de Letras publicou de Assis Brasil o livro “O Prestígio do Diabo”, volume 83 da Coleção Centenário,

Mesa de honra do Panegírico de Assis Brasil, na APL.

Acadêmicos presentes ao panegírico de Assis Brasil.

Exposição mostra a trajetória de 100 anos de Celso Barros

Uma exposição montada na sede da OAB-PI mostra a trajetória de vida e profissional do professor, jurista e acadêmico Celso Barros Coelho, como parte da programação do seu centenário.

A exposição foi aberta com a presença do homenageado na Sessão Solene conjunta da OAB e da Academia Piauiense de Letras para celebrar os seus 100 anos de vida, no último dia 20.

Em dez painéis, a exposição reúne imagens de momentos marcantes da vida de Celso Barros, como sua passagem pelo Seminário de Teresina, na década de 1940; a formatura em Direito, em 1953; a diplomação como deputado estadual, em 1963; e sua presença na Câmara Federal, na década de 1970.

Também mostra Celso Barros como presidente da OAB-PI e recebendo homenagem do Conselho Federal da Ordem, em Brasília, com a aposição de sua fotografia na Galeria dos Grandes Advogados do Brasil, e ainda sua atuação como presidente da Academia Piauiense de Letras.

São mostradas ainda as capas de seus livros, que versam sobre os mais diferentes temas: literatura, direito, filosofia, política e cidadania, além de frases com seus pensamentos.

A exposição segue até o final da próxima semana, no hall de entrada da OAB-PI.

Panegírico de Assis Brasil será no sábado, dia 28

A Academia Piauiense de Letras realiza, no próximo sábado (28/05), às 10h, o panegírico do escritor Assis Brasil, falecido em 28 de novembro do ano passado, em Teresina, aos 92 anos.

A oração da saudade será proferida pelo professor e acadêmico Dilson Lages, com mensagem de agradecimento da professora Divaneide Carvalho.

O panegírico será realizado em sessão solene da Academia, aberta ao público, no auditório acadêmico Wilson Brandão, na sede da instituição, localizada na Av. Miguel Rosa, 3.300 – Centro-Sul.

O homenageado

Romancista, cronista, crítico literário e jornalista, nascido em Parnaíba, em 1932, Assis Brasil saiu muito jovem de sua cidade natal e teve uma intensa participação na imprensa nacional e na literatura.

Crítico Literário do Jornal do Brasil, 1956-1961; colunista literário do Caderno B do Jornal do Brasil 1963-64; crítico literário do Diário de Notícias, Rio, 1962- 63; do Correio da Manhã (Revista Singra e Suplemento Literário), Rio, 1962 e 1972; de O Globo (Arte e Crítica), 1969-1970; da Revista O Cruzeiro, Rio, 1965-1976; e do Jornal de Letras, 1964-1989.

Publicou artigos e ensaios nos seguintes órgãos culturais: Senhor, Mundo Nuevo, Revista do Livro, Leitura, Enciclopédia Bloch, Usina das Letras, suplemento de O Estado de São Paulo, Diário Carioca, Tribuna de Imprensa, Jornal do Comércio, Minas Gerais, Correio do Povo e O Povo.

Bibliografia

Publicou mais de 100 livros, destacando-se os romances da Tetralogia Piauiense – Beira Rio, Beira Vida, 1965; A Filha do Meio Quilo, 1966; O Salto do Cavalo Cobridor Pacamão; Ciclo do Terror: Os que Bebem como os Cães e outros.

Escreveu também os romances históricos: Nassau, Sangue e Amor nos Trópicos e Bandeirantes – os comandos da morte, etc.

Contos: Contos do Cotidiano Triste, História do Rio Encantado e outros. Ensaios: Faulkner e a Técnica do Romance.

Ultimamente, dedicava-se à Literatura Infantil.

 

Começa o 1º Salão do Livro da Mulher

O 1º Salão do Livro da Mulher (SALÉM) foi aberto ontem (24/05) à noite e prossegue até sexta-feira (27), no Complexo Clube dos Diários, no centro de Teresina.

Na solenidade foram homenageadas a escritora Cristiane Sobral, de Brasília e que fez a palestra de abertura; a delegada e professora Vilma Alves e a coreógrafa e bailarina Luzia Amélia, de Teresina.

A Academia Piauiense de Letras foi representada na cerimônia pelo seu presidente, Zózimo Tavares, que levou o incentivo e o aplauso da instituição ao evento.

O presidente da Fundação Quixote, professor Kássio Gomes, coordenador geral do Salão do Livro do Piauí (Salipi), também se fez presente à abertura do 1º Salão do Livro da Mulher.

O SALÉM

O evento conta com uma vasta programação, incluindo palestras e mesas redondas, espaço para lançamento de livros (Conversas entre elas); Sarau literomusical; exibição de vídeos produzidos por mulheres; shows musicais e dança, além de estandes de venda de livros.

De acordo com as organizadoras, o objetivo do SALEM é estabelecer discussões por meio de colóquios para dar visibilidades a diversas artistas femininas.

Outro objetivo é fortalecer os direitos das mulheres, conforme a escritora Marleide Lins de Albuquerque, idealizadora do salão.

O evento é organizado pela Avant Garde Edições e Produções, em parceria com o Núcleo de Estudos Literários Piauienses (NELIPI/UESPI), com apoio da PPGL/UESPI.

APL e SEPLAN lançam mais 5 livros sobre o Piauí

Mais cinco volumes da Coleção Pensamento Piauiense foram lançados pela Academia Piauiense de Letras e a Secretaria Estadual de Planejamento/Fundação Cepro.

O lançamento das obras ocorreu no sábado passado (21/05), no auditório da APL, com a presença da secretária de Planejamento, Rejane Tavares, e da superintendente da Fundação Cepro, Liége Moura.

Também se fizeram presentes o vice-reitor da UFPI, Viriato Campelo, e Aarão Santana, filho do professor e acadêmico R. N. Monteiro de Santana, entre outros convidados.

O professor e acadêmico Felipe Mendes, economista e ex-secretário de Planejamento, fez a apresentação de seu livro Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Piauí: 1975-1986.

A secretária Rejane Tavares destacou a importância dos livros lançados e do convênio da Seplan com a APL, enfatizando que através dele são publicadas obras de alto valor técnico a baixo custo.

O acadêmico Nelson Nery, coordenador do projeto na APL, apresentou os livros Propriedade Territorial do Piauí e Outros escritos, de Simplício de Sousa Mendes; Integração Nacional da Economia Brasileira e Transamazônica: Desenvolvimento Urbano e Rural e Espaço e Planejamento Regional, de R. N. Monteiro de Santana; e Aspectos do Piauí: Formação Territorial, Composição Ética, Valores Econômicos, Organização Política, de Abdias Neves.

As obras foram editadas nos últimos dois anos, durante o período da Pandemia da Covid-19 e, segundo o presidente da APL, Zózimo Tavares, integram o programa de retomada dos lançamentos de livros da Academia.

Celso Barros e sua lição de vida, na celebração dos 100 anos

Hoje, ao completar 100 anos, lembro das palavras do filósofo inglês Bertrand Russell, ao falar que a velhice nos dá sábias lições de vida.

Indica ele que uma existência humana individual deveria ser como um rio pequeno – a princípio, estreitamente contido dentro de suas margens, a correr impetuosament5e sobre seixos e cascatas.

Aos poucos, o rio torna-se mais largo, as margens recuam, as águas fluem mais tranquilamente e, no fim, sem qualquer interrupção visível, funde-se no mar, perdendo o seu sofrimento e o seu ser individual.

O homem que na velhice pode encarar sua vida dessa maneira não sofrerá o medo da morte, pois que as coisas que lhe são caras continuarão.

Ante esse quadro, o meu sonho é que desejarei morrer trabalhando, sabendo que outros continuarão o que não posso mais fazer, satisfeito com a ideia de que o que era possível foi feito.

Se esse não é um sonho, é uma aspiração e nela vejo uma forma de continuar vivendo com dignidade”.

Este é um dos trechos do discurso que o advogado, professor e acadêmico Celso Barros escreveu para agradecer a homenagem recebida nas comemorações de seus 100 anos de vida.

A homenagem foi prestada no início da noite de sexta-feira (20/05), no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauiense, por oito instituições, à frente a própria OAB e a Academia Piauiense de Letras.

Viver e envelhecer

Em seu discurso, lido no final da Sessão Solene conjunta da OAB e da APL pela sua filha Karina Barros, advogada, o homenageado citou também versos do poeta Olavo Bilac, em resposta às pessoas que lhe perguntam o que faz para ter tão longa vida:

 

Envelheçamos rindo. Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem,
Na glória de alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem!

Celso Barros, que fez 100 anos no último dia 11, ensinou, ainda: “Devemos gostar do nosso trabalho, senão se torna um peso enfadonho e nos rouba a vivacidade.

Mas também é preciso que levemos uma vida tranquila, sem ódio, sem intrigas, procurando fazer o bem aos outros, fugindo ao egoísmo e adormecendo com a consciência limpa”.

A homenagem

Os discursos em homenagem a Celso Barros foram pronunciados pelo presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares; pelo presidente do Instituto dos Advogados Piauienses, Álvaro Mota, e pelo presidente da OAB-PI, Celso Barros Neto.

Também participaram da homenagem a Academia Piauiense de Letras Jurídicas; Academia de História, Letras e Ecologia da Região Integrada de Pastos Bons; Academia Passagense de Letras e Artes; Assembleia Legislativa do Piauí, Instituto Histórico e Geográfico do Piauí e Universidade Federal do Piauí.

Presenças

Além de parentes, acadêmicos, advogados, magistrados, ex-alunos e outros convidados, várias autoridades participaram da solenidade, como os prefeito de Teresina, José Pessoa Leal, e de Campo Maior, Joãozinho Félix, além do presidente da APPM, Paulo César Moraes.

A mesa de honra foi composta ainda pela senadora Eliane Nogueira, o deputado federal Paes Landim, o deputado Wilson Brandão, representando a Assembleia Legislativa, e o reitor em exercício da UFPI, Viriato Campelo.

Uma delegação de Pastos Bons, cidade natal de Celso Barros, também se fez presente à homenagem ao filho ilustre, à frente o prefeito Enoque Mota, o deputado federal Elizabeth Gonçalo e membros da Academia de Letras.

Da APL se fizeram presentes os acadêmicos Anfrísio Lobão, Carlos Evandro, Fides Angélica, Fonseca Neto, Itamar Costa, Luiz Ayrton Santos Junior, Magno Pires, Moises Reis, Nelson Nery Costa, Oton Lustosa, Plinio Macedo, Reginaldo Miranda, Socorro Rios Magalhães, Wilson Brandão, Valdeci Cavalcante e Zózimo Tavares.

OAB-PI e a APL celebram os 100 anos de Celso Barros

O centenário de vida do professor, jurista e escritor Celso Barros Coelho será celebrado nesta sexta-feira (20/05) em Sessão Solene da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Piauí, e da Academia Piauiense de Letras.

O homenageado presidiu a OAB-PI e a APL, que estão à frente da homenagem, da qual participam várias outras instituições.

São elas: Academia Piauiense de Letras Jurídicas, Academia de História, Letras e Ecologia da Região Integrada de Pastos Bons, Academia Passagense de Letras e Artes, Assembleia Legislativa do Piauí, Instituto dos Advogados Piauienses, Instituto Histórico e Geográfico do Piauí e Universidade Federal do Piauí.

A Sessão Solene será realizada às 17 horas, no auditório da OAB, e contará com a presença do homenageado.

Perfil biográfico

Celso Barros Coelho nasceu em Pastos Bons (MA) no dia 11 de maio de 1922, filho de Francisco Coelho de Sousa e de Alcina Barros Coelho.

Mudou-se com pouca idade para o Piauí, onde cedo ficou órfão de pai. Vivendo com poucos recursos, cursou o primário de forma irregular.

Foi seminarista, concluindo o curso ginasial no Liceu Piauiense e o clássico no Colégio São Francisco de Sales, ambos em Teresina.

Ingressou em 1949 na Faculdade de Direito do Piauí e por ela se formou em 1953.

Professor, funcionário autárquico e advogado, ingressou na política. Foi eleito deputado estadual e teve o mandato cassado pelo regime militar em 1964.

Em novembro de 1974, após recuperar seus direitos políticos, foi candidato à Câmara dos Deputados, sendo o único representante do partido oposicionista (MDB) a se eleger no estado.

Publicou inúmeros livros, entre os quais Da poesia latina na época de Augusto (tese, 1958), O Estado e os direitos do homem (1961), O Estado brasileiro — do conteúdo político ao social (1961), Diretrizes para uma ação política (1963), Imunidades parlamentares (1964), O direito como razão histórica (tese, 1964), Universidade em causa (1973), Tempo e memória: Pastos Bons (2009) e Política, Tempo e Memória (2015).

Salão do Livro do Piauí chega aos 20 anos

A 20ª Edição do Salão do Livro do Piauí (Salipi)  foi lançada nesta quarta-feira (18/05) no Salão Nobre da Reitoria da Universidade Federal do Piauí.

O evento abriga também a 25ª Edição do Seminário Língua.

A cerimônia foi presidida pelo vice-reitor Viriato Campelo, representando o reitor Gildásio Guedes.

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, representou a instituição no lançamento.

 

O Salipi 22

O presidente da Fundação Quixote, professor Kássio Gomes, fez a apresentação do Salipi 22 e anunciou que evento terá caráter internacional, com a presença do escritor moçambicano Mia Couto e do jornalista e escritor angolano José Eduardo Agualusa.

Durante o Salipi, haverá feira de livros, shows culturais, exposições, café literário e a abertura de um novo espaço chamado Cordel.

A 20ª edição do Salipi vai lembrar os centenários de nascimento de José Saramago e de saudade de Lima Barreto, além dos 100 anos da Semana de Arte Moderna.

A nova edição do Salipi será realizada de 3 e 12 de junho, no Espaço Rosa dos Ventos, na UFPI, e homenageará um de seus fundadores, o professor, peta e cronista Cineas Santos.

APL e Seplan lançam mais 5 livros no sábado, 21

A Academia Piauiense de Letras e a Secretaria Estadual de Planejamento/Fundação Cepro lançam, no próximo sábado (21/05), mais cinco volumes da Coleção Pensamento Piauiense.

As obras se intitulam: Políticas Públicas para o Desenvolvimento do Piauí: 1975-1986, do professor e acadêmico Felipe Mendes; Propriedade Territorial do Piauí e Outros escritos, de Simplício de Sousa Mendes; Integração Nacional da Economia Brasileira e Transamazônica: Desenvolvimento Urbano e Rural e Espaço e Planejamento Regional, de R. N. Monteiro de Santana; além de Aspectos do Piauí: Formação Territorial, Composição Ética, Valores Econômicos, Organização Política, de Abdias Neves.

A publicação destes livros resulta de convênio da Secretaria de Planejamento com a Academia Piauiense de Letras.

As obras foram editadas nos últimos dois anos, durante o período da Pandemia da Covid-19 e integram o programa de retomada dos lançamentos de livros da APL.