Piauí perde Nildomar da Silveira Soares

Nildomar com seu último livro, "Retalhos de Memórias"

O desembargador, escritor e acadêmico Nildomar da Silveira Soares faleceu hoje (22/08), no início da tarde, por complicações decorrentes da Covid-19.

Ele tinha 84 anos e ocupava a Cadeira 22 da Academia Piauiense de Letras, na qual tomou posse em 27 de setembro de 2000.

Nildomar da Silveira Soares foi internado há dez dias, depois de ser diagnosticado com a Covid-19, chegando a ser entubado no último dia 17.

Ele não resistiu às complicações da doença e faleceu no começo da tarde. O sepultamento será no final da tarde, no cemitério Jardim da Ressurreição, em cerimônia reservada apenas à família.

A APL divulgou Nota de Pesar pelo falecimento do acadêmico.

Desembargador tomou as duas doses da vacina

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, afirmou que instituição recebeu com muita tristeza a notícia do falecimento do acadêmico Nildomar da Silveira Soares.

Segundo ele, os acadêmicos vinham acompanhando as notícias da internação do desembargador Nildomar desde o início.

O próprio desembargador postou no grupo de WhatsApp da APL que tinha contraído a Covid-19 e que estava a caminho da internação.

Os acadêmicos tinham a mesma confiança da família na sua recuperação, pois Nildomar havia tomado as duas doses da vacina contra a Covid-19 e também a da H1N1.

Nildomar com os pais, quando criança, em Teresina

Da OAB ao TJ

Nildomar da Silveira Soares nasceu em Teresina, em 27 de novembro de 1937. Filho de Domingos Cordeiro Soares e Nilza da Silveira Soares.

Concluiu, em 1955, o Curso Científico no Internato do secular Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Formado pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro (1961).

Membro, representante da OAB-PI, na Comissão Examinadora do Concurso para o cargo de Juiz de Direito Adjunto do TJ/PI (1977). Secretário, Vice-presidente e Presidente da OAB – Piauí (1986/1991). Professor, desde 1988, da Escola Superior de Magistratura do Estado do Piauí. Chefe da Assessoria Jurídica do Banco do Brasil.

Juiz Eleitoral Substituto do TRE-PI. Juiz Conciliador do Juizado Especial Cível de Teresina (1991/1992). Assistente Jurídico do Prefeito de Teresina (1993/2002).

Membro efetivo do Instituto dos Advogados Brasileiros e da Academia Piauiense de Letras.

Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí, empossado em 22 de abril de 2003.  Aposentou-se em 27 de novembro de 2007. Patrono do Fórum da Comarca de Marcolândia. Patrono da Sala dos Desembargadores Aposentados do Tribunal de Justiça do Piauí, instalada no Prédio Anexo. Patrono do Anexo do Juizado Especial Cível e Criminal da Vila da Paz.

Era casado com a professora Salete, com quem teve três filhos: Nildomar Filho, Marcelo e Sérgio.

Nildomar e Salete, na celebração do Jubileu de Ouro

Capas dos últimos livros lançados por Nildomar

Livros sobre Direito, Literatura e Memória

Nildomar da Silveira Soares escreveu e publicou vários livros na área jurídica, todos eles com grande aceitação: “Juizado Especial Civil – A Justiça da Era Moderna”, em 3ª edição, Editora Letras – São Paulo, 1996; “Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Estado do Piauí”, 1996; “Princípios Elementares da Organização Judiciária do Estado do Piauí”, 1997; “Eleições 98 – Lei nº. 9.504/97”, 1998; “Leis Básicas do Estado do Piauí”, 2000; “Leis Básicas do Município de Teresina”, em 3ª edição, 2001; “Leis Básicas do Judiciário Piauiense”, 2001; “Constituição do Estado do Piauí”, atualizada até 2003.

Na celebração dos 100 anos da Academia Piauiense de Letras, em 2017, ele publicou o “Livro do Centenário”. Trata-se de um livro-álbum que conta a história da Academia, ilustrada com a reprodução de documentos e de imagens de época.

No início deste ano, ele publicou o livro “Retalhos de Memórias”, escrito durante o isolamento social decorrente da pandemia da Covid-19.

Nildomar participava ativamente dos eventos virtuais da APL e tomava todas as precauções para evitar o contato com o vírus da Covid-19.

A despedida dos acadêmicos

Vários acadêmicos se manifestaram sobre a falecimento de Nildomar da Silveira Soares através do Grupo de WhatsApp da APL.

O médico e acadêmico Dagoberto Carvalho Júnior escreveu de Recife: “Admirador do confrade Nildomar Silveira, sobre quem escrevi recente memória, associo-me à saudade do bom amigo. Marcou um tempo em nossa ilustre Casa de Lucidio Freitas”.

O vice-presidente da Academia, Magno Pires, postou: “A tragédia mundial  da pandemia acaba de sacrificar mais um ser humano – O nosso querido e estimado Nildomar. Morte lamentável sob todos os aspectos. Nildomar era um ser humano querido e amado na APL. Deus o conserve no melhor lugar da corte celestial. ADEUS, AMIGO!”

Do primeiro secretário da APL, professor e acadêmico Fonseca Neto: “A Covid não é gripezinha e nosso confrade tinha cuidados de si”.

O ex-presidente da APL, Nelson Nery Costa, escreveu: “Muito triste. Era meu parente. Grande ser humano. Tristeza para todos nós”.

O juiz aposentado e poeta Elmar Carvalho postou: “Lamento demais. Gostava do confrade e amigo Nildomar. Sempre o considerei um homem honrado, digno e bom. Que Deus o receba em sua Glória e dê conforto a seus familiares”.

O médico e acadêmico Luiz Ayrton Santos Júnior escreveu: “Lastimável notícia. Deus guarde a todos. Sinto-me muito triste”.

O odontólogo, professor e acadêmico Plínio Macedo postou no grupo: “Lamentamos a triste partida do Confrade Des. Nildomar Silveira!”

O deputado e acadêmico Wilson Brandão escreveu: “Notícia muito triste! Doença tão traiçoeira que o confrade Des. Nildomar chegou a nos avisar pelo grupo que estava sendo internado. Fica para todos nós o caráter, a sua humildade, a intelectualidade, o compromisso e a amizade tenra do nosso querido desembargador. Que Deus possa estar ao seu lado e de sua família neste momento de tamanha tristeza”.

O economista, professor e acadêmico Felipe Mendes postou esta mensagem: “Triste notícia! Que ele esteja na Paz do Senhor, e que seu exemplo de vida nos inspire a todos”.

A professora e acadêmica Socorro Rios Magalhães escreveu: “Muito triste com esta notícia! Ele estava em pleno vigor, trabalhando nos seus escritos, como o livro de memórias que acabou de lançar”.

O médico, professor e acadêmico Anfrísio Lobão postou: “Notícia muito triste. Que Deus o tenha, traga conforto aos seus familiares e que seu exemplo frutifique entre nós”.

O professor e acadêmico Dilson Lages escreveu: “Associo-me ao pensamento de tristeza comum à APL, nesta tarde de domingo, diante da triste notícia do desaparecimento físico do acadêmico e des. Nildomar, cuja bela história é digna de grandes aplausos!”

“Lamentamos a morte do nobre Confrade Nildonar Silveira. Ficarão as boas lembranças de sua obra e de sua vida”, escreveu o advogado e acadêmico Valdeci Cavalcante.

O desembargador e acadêmico Oton Lustosa postou: “Uma triste notícia… Lamentamos profundamente. Nildomar Silveira deixa obras de referência, para a Casa de Lucídio Freitas e para a Capital de Saraiva”.

O advogado, escritor e acadêmico Moisés Reis também externou seu pesar: “O passamento do confrade Nildomar resulta em perda irreparável. Perde o Piauí, a APL e toda a sociedade teresinense. Foi-se um homem de relevante trajetória de vida, marcada pela decência, simplicidade e profundo respeito humano. Deixou, por onde passou, rastros luminosos. Grande cidadão!”

O poeta e acadêmico Francisco Miguel de Moura postou: “Nildomar foi meu colega duas vezes. Primeiro, no Banco do Brasil: Funcionário inteligente, cordato, aposentando-se por tempo de serviço, servindo no cargo de advogado, que desempenhou brilhantemente; depois, como confrade na APL, modesto, eficiente, generoso como amigo, aceitando contribuir sempre em todos momentos com sua paciência e devotamento.
Desembador exerceu seu cargo com proeminência de sábio, humilde, mas rigoroso no cumprimento da Lei.
Sua morte deixa um vazio impreenchivel no nosso coração, tão agradável e saudável que era o seu convívio.
Quem quiser saber do ser humano que foi Nildomar da Silveira
Soares, leia seu primoroso depoimento que é seu livro “Retalhos de memórias” (1937-2021).
Que Deus o receba lá no Altíssimo, sua limpa e virtuosa alma, com um coro de anjos em sua companhia.

Meus sentidos pêsames à distinta família enlutada.”

Conselho também lança nota de pesar

“O Conselho Estadual de Cultura do Piauí vem lamentar o falecimento do des Nildomar da Silveira Soares no dia de hoje, depois de muito lutar pela vida quando estava internado em hospital da cidade.

Além de advogado por muito anos do Banco do Brasil, foi Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Piauí, e Desembargador do Tribunal d Justiça do Estado Piauí. Publicou várias obras sobre Direito, especialmente sobre Juizado Especial.

Integrou a Academia Piauiense de Letras e lançou a obra Livro do Centenário da APL 1917 –  2017.

Intelectual, homem de bem e cidadão exemplar, vai deixar uma lacuna na vida cultural e institucional do Estado. Nelson Nery Costa. Presidente do CEC”.

Nota da Academia de Letras da Magistratura

“O Desembargador Luiz Gonzaga Brandão de Carvalho, presidente da Academia de Letras da Magistratura Piauiense, cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento do Des. Nildomar da Silveira Soares e externa, em nome da ALMAP, sinceros votos de pesar à viúva Maria Salete e aos filhos Nildomar Filho, Marcelo e Sérgio Wilson”.