APL presta homenagem à memória de Paulo Nunes

A sessão da APL em homenagem a Paulo Nunes

A Academia Piauiense de Letras se reuniu ontem (26/02), em Sessão Solene, para o Panegírico do acadêmico M. Paulo Nunes, falecido em 14 de outubro do ano passado.

A oração da saudade foi proferida pelo acadêmico Wilson Nunes Brandão, que exaltou a figura humana e intelectual do professor Paulo Nunes e destacou sua contribuição à cultura e à educação.

O agradecimento foi feito pelo advogado Paulo Neiva Nunes, filho do homenageado.

Participaram da sessão, realizada no formato virtual e conduzida pelo presidente da APL, Zózimo Tavares, os acadêmicos: Dilson Lages, Elmar Carvalho, Felipe Mendes, Fides Angélica, Fonseca Neto, Francisco Miguel de Moura, Itamar Costa, Jonathas Nunes, Luiz Ayrton Santos Júnior, Moisés Reis, Nelson Nery, Oton Lustosa, Pedro da Silva Ribeiro, Plínio da Silva Macêdo, Reginaldo Miranda e Socorro Rios Magalhães, além do acadêmico eleito Carlos Evandro Martins Eulálio.

A sessão foi transmitida pela TV APL, o canal da Academia  no YouTube. Veja o LINK:

https://www.youtube.com/watch?v=NKKb2sy1asQ

Rede Meio Norte exibe filme sobre a APL

Documentário sobre a APL na Rede MN.

A Rede Meio Norte exibiu ontem (20) o filme “Sonho que saiu do papel”, sobre a Academia Piauiense de Letras.

Com 20 minutos de duração, o documentário dirigido pelo jornalista Luciano Klaus conta a história da APL pela voz dos próprios acadêmicos.

Nessa perspectiva, são narrados, com a contextualização de época, os movimentos que levaram à fundação da APL, em 1917, e os que marcaram a sua história.

A Rede MN é a primeira a exibir o filme, que, segundo o presidente da APL, Zózimo Tavares, será distribuído a partir de agora com os principais canais de televisão do país com programação cultural.

 

Academia homenageia a memória de Nildomar da Silveira Soares

Panegírico de Nildomar da Silveira Soares na APL.

A Academia Piauiense de Letras realizou sessão solene, ontem (19/02), para reverenciar a memória do acadêmico Nildomar da Silveira Soares, último ocupante da Cadeira 22 e falecido em 22 de agosto do ano passado.

A Oração da Saudade foi proferida pelo acadêmico Oton Lustosa, que discorreu sobre a trajetória profissional e acadêmica do homenageado.

Ele lembrou que Nildomar foi advogado do Banco do Brasil, presidente da OAB-PI, assistente jurídico da Prefeitura de Teresina e do Governo do Estado e desembargador, além de professor universitário.

O orador citou também as obras publicadas pelo homenageado, destacando entre elas o “Livro do Centenário”, sobre os 100 anos da Academia Piauiense de Letras, lançado em 2017, e “Retalhos da Memória”, publicado no ano passado, cinco meses antes do falecimento do autor.

O advogado Sérgio Wilson da Silveira agradeceu a homenagem, em nome da família. Ele destacou a dedicação de seu pai à Academia, onde se sentia bem, pelo acolhimento fraterno que recebia.

A sessão virtual da APL, presidida pelo acadêmico Zózimo Tavares, foi transmitida pelo canal da Academia no YouTube.

Participaram do panegírico de Nildomar da Slveira Soares os acadêmicos Dagoberto Carvalho, Fonseca Neto, Elmar Carvalho, Felipe Mendes, Fides Angélica, Itamar Costa, Jonathas Nunes, Moisés Reis, Nelson Nery, Oton Lustosa, Plínio Macêdo e Socorro Rios Magalhães, além do acadêmico eleito Carlos Evandro Martins Eulálio.

Veja a sessão da APL em homenagem a Nildomar da Silveira Soares: 

https://www.youtube.com/watch?v=xKV8mulkb1s

Wellington Dias é eleito para a APL

Wellington Dias na APL após sua eleição para a Cadeira 12

O governador e escritor Wellington Dias é o mais novo membro da Academia Piauiense de Letras.

Ele foi eleito hoje (12) para ocupar a Cadeira 12, vaga com o falecimento do historiador Wilson Carvalho Gonçalves.

Como de praxe na eleição acadêmica, após a proclamação do resultado Wellington Dias compareceu à sede da APL para agradecer sua acolhida entre os imortais.

Livro premiado

O novo acadêmico cursou Lertras na Universidade Federal do Piauí e estreou na literatura na década de 1980, com um livro de contos intitulado “Macambira”, premiado em concurso da Secretaria Estadual de Cultura.

Depois, ele lançou mais dois livros, “As tiradas do Tio Sinhô” e “A melancia do presidente”, no gênero de crônicas de humor.

Wellington ingressa para a Academia em pleito realizado no segundo turno. Na eleição deste sábado, votaram 34 acadêmicos. Ele obteve 22 votos e o escritor Antenor Rego conseguiu 12.

Conforme o Regimento Interno da APL, a posse deve ser agendada para até 90 dias após a eleição.

As propostas da APL para as celebrações dos 200 anos da Independência

Reunião da Comissão dos 200 anos, no Palácio de Karnak.

 

 

A Academia Piauiense de Letras apresentou à Comissão dos 200 anos da Independência do Brasil as suas propostas para as celebrações do bicentenário no Piauí.

As sugestões foram sistematizadas pelo representante da APL na Comissão, acadêmico Felipe Mendes, depois de consulta aos colegas, e entregues na reunião realizada no último dia 3, no Palácio de Karnak, sob a presidência do secretário de Governo, Osmar Júnior, coordenador geral da Comissão.

Eis o documento com as propostas da Academia:

O Piauí ofereceu ao Brasil, com lutas e sangue derramado, duas importantes contribuições à Independência e à consolidação da grandeza nacional: a Batalha do Jenipapo, de todos conhecida, e a participação na Guerra do Paraguai, para onde foram enviados cerca de 3.500 homens. Com uma população estimada, na época, de 220.000 habitantes, o contingente representou 1,6% da população total. Poucos retornaram à terra natal.

Para ilustrar, os bravos piauienses enviados para a Guerra do Paraguai corresponderiam, atualmente, à população total dos municípios de Oeiras, Simplício Mendes e Paes Landim (cerca de 54.000 habitantes)

Em outras oportunidades, os soldados piauienses atenderam ao chamado da Pátria, e foram lutar com as Forças Expedicionárias Brasileiras, nos campos da Segunda Guerra Mundial, na Itália, ou cumpriram missões de paz organizadas pela ONU, integrando as forças de Paz no Oriente Médio (Suez), entre outras missões.

Em resumo, as sugestões da APL à Comissão dos 200 anos da Independência são:

  1. Prestar homenagem aos Heróis da Batalha do Jenipapo, em seu Monumento de Campo Maior, e definir formas apropriadas de render a gratidão do Piauí aos heróis da Guerra do Paraguai – Voluntários e Soldados – especialmente nas cidades de onde partiram contingentes, como Santa Filomena, Parnaguá, Jaicós, Teresina, Barras e Parnaíba.
  2. Em caso de ser criada uma Condecoração para celebrar os 200 anos da Independência do Brasil, e em particular a contribuição do Piauí, sugiro seja conferida apenas a Instituições que tenham sido e sejam importantes na preservação e divulgação dos feitos históricos, bem como na participação do Piauí na afirmação do Brasil como grande Nação. Para tanto, relaciono algumas dessas Instituições merecedoras de homenagem: a) Academia Piauiense de Letras, por seu conjunto da obra e pela contribuição de alguns de seus membros na pesquisa e divulgação de fatos históricos relacionados ao tema, como Abdias Neves, Hermínio Conde, Odilon Nunes, Wilson Brandão e Monsenhor Joaquim Chaves, bem assim de outros Acadêmicos que prestaram relevantes serviços ao governo federal, em funções ministeriais, como Félix Pacheco, João Paulo dos Reis Velloso, Petrônio Portella e Hugo Napoleão do Rego Neto; b) Arquivo Público do Piauí; c) Museu do Piauí; d) Fundação do Homem Americano – FUNDHAM – cujas pesquisas arqueológicas no Parque Nacional da Serra da Capivara tornaram o Piauí conhecido em todo o Mundo, inclusive com o reconhecimento do Parque, pela UNESCO, como Patrimônio da Humanidade; e e) 25º Batalhão de Caçadores, como representante das guarnições militares às quais os piauienses dedicaram seus esforços, e suas vidas, em tempos de conflito e de paz e f) IHGPi – Instituto Histórico e Geográfico do Piauí.
  3. Realizar eventos em cidades que se tornaram Lugares de Memória, como Parnaíba (Independência, com Simplício Dias e João Cândido, e embarque das forças militares para a Guerra do Paraguai), Piracuruca (Independência, com Leonardo Castelo Branco), Campo Maior (Batalha do Jenipapo), Oeiras (Independência, com o Brigadeiro Manoel de Souza Martins); União, Parnaguá, Santa Filomena (embarque do 2º Corpo de Voluntários da Pátria, no local denominado “Remanso do Choro”, à margem direita do rio Parnaíba), Jaicós (de onde partiu um grupo de Voluntários da Pátria, inclusive Jovita Feitosa), e ainda Barras e Teresina.
  4. Articular com Prefeituras, Universidades e entidades da sociedade civil, especialmente nas cidades mencionadas no item 3, a coparticipação em eventos e serviços definidos pela Comissão, como cursos e conferências.
  5. Editar (ou reeditar) livros, dissertações de Mestrado e teses de Doutorado pertinentes ao assunto, sob a coordenação da APL, da UFPI e da UESPI, inclusive a elaboração de texto-resumo a ser distribuído nas escolas públicas da rede estadual.
  6. Promover concursos de redação entre os estudantes da rede estadual de ensino, sobre o tema “O Piauí e os 200 anos da Independência do Brasil”, com premiação e ampla divulgação.
  7. Relacionar os monumentos históricos que mereçam serviços de conservação, inclusive os que prestam homenagem a personalidades importantes da História.
  8. Criar uma Subcomissão de Sistematização para organizar as sugestões recebidas e dar-lhes a redação final a ser apresentada ao Exmo. Sr. Governador do Estado.

                                                                                                                                    Felipe Mendes

                                                                                                                               Representante titular da APL”

 

Nova Chamada Pública da Seduc inclui autores piauienses

A Secretaria Estadual de Educação publicou edital que tem por objeto a convocação de editores para inscrição e entrega de livros paradidáticos para bibliotecas e salas de leitura das escolas da rede estadual de ensino.

A temática das obras deve abordar as áreas de Linguagem e Códigos, Matemática e suas Tecnologias, Ciências da Natureza e suas Tecnologias, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, além de manifestações literárias, folclóricas e culturais piauienses.

Literatura Piauiense

Com a iniciativa, a Seduc-PI pretende estimular os estudantes da rede pública do ensino fundamental ao ensino médio a aprimorar o conhecimento em geral, bem como o respeito à cultura piauiense, auxiliando a prática pedagógica na rede estadual de ensino.

Outro objetivo é promover aos estudantes da rede pública estadual de ensino acesso à cultura, literatura e as demais ciências, estimulando o desenvolvimento do hábito e do prazer pela leitura.

A inclusão de obras de autores piauienses nas compras de livros didáticos e paradidáticos vem sendo cobrada pela Academia Piauiense de Letras.

O prazo de inscrição das obras começa hoje.

(Com informações da Seduc-PI)