Diretor fala sobre o filme que conta história da APL

Luciano Klaus, diretor do filme sobre a APL.no “Chá das 5”

 

“A Academia Piauiense de Letras tem uma história muito rica e muito longa. Ficaria impossível mostrar toda essa história em um documentário, pela qualidade dos que a compõem”.

A opinião é do documentarista Luciano Klaus, diretor do filme “APL: um sonho que saiu do papel”, sobre a centenária história da Academia Piauiense de Letras.

O filme será lançado na próxima segunda-feira (24/01), às 11 horas, na sessão solene de posse da nova Diretoria da APL.

Para Luciano Klaus, mesmo sem a pandemia da Covid-19, período de gravação do filme, seria impossível colocar dentro de um documentário a extensão do que é a importância de cada um dos acadêmicos.

“Temos a obrigação de dar continuidade a esse trabalho, agora focalizando a vida de cada acadêmico ou temas específicos. Foi dado o pontapé inicial neste grande e ambicioso projeto de memória através do audiovisual”, concluiu.

Luciano Klaus foi o entrevistado do “Chá das 5” desta quinta-feira.

Veja a entrevista:

 

Filme sobre a APL será lançado na segunda, dia 24

Gravação do documentário sobre a APL.

 

O documentário sobre a centenária história da Academia Piauiense de Letras será lançado na próxima segunda-feira (24/01), na posse da Diretoria da instituição.

O filme traz depoimentos de acadêmicos sobre o contexto da criação da Academia, em 1917, e sobre as fases que marcaram a sua atuação ao longo de mais de 100 anos, além de outros registros históricos.

O projeto, idealizado pelo presidente reeleito da APL, jornalista Zózimo Tavares, foi aprovado através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura para 2020.

A produção do filme foi feita a partir do segundo semestre de 2020 e concluída no primeiro semestre de 2021, com extremas dificuldades, por causa da pandemia da Covid-19.

Todos os protocolos sanitários foram cumpridos e os trabalhos foram concluídos sem qualquer registro de contágio da doença entre os participantes.

A Equatorial Energia é a patrocinadora do filme sobre a história da APL, dirigido pelo jornalista e documentarista Luciano Klaus.

Piauí cria Associação de Editoras

Editores se reúnem na APL para fundar associação.

A fundação da Associação Piauiense de Editoras vem sendo discutida desde o final do ano passado, em Teresina, por empresários do setor, escritores e ativistas culturais.

Três reuniões do grupo já foram realizadas na sede da Academia Piauiense de Letras com esse objetivo.

A nova associação terá, entre as suas finalidades, prestar apoio e orientação às editoras piauienses e apoiar as políticas de difusão do livro no Estado.

Participam do movimento pela criação da entidade representantes das editoras Bienal, Filadélfia, Fundação de Desenvolvimento Cultural do Piauí, Nova Aliança, Piauí Agora, Oficina da Palavra, Quimera e Quixote.

O advogado e acadêmico Nelson Nery vem dando a orientação jurídica para a criação da Associação Piauiense de Editoras.

Livro e leitura

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, disse que a nova entidade, além de buscar a profissionalização da atividade livreira no Piauí, nasce com o espírito de colaborar com a difusão do livro e do incentivo à leitura, o mesmo que domina a APL.

A Lei nº 10.753, conhecida como a “Lei do Livro”, de 30 de outubro de 2003 e que institui a Política Nacional do Livro, define o livro como “o meio principal e insubstituível da difusão da cultura e transmissão do conhecimento, do fomento à pesquisa social e científica, da conservação do patrimônio nacional, da transformação e aperfeiçoamento social e da melhoria da qualidade de vida”.

Poeta comemora os 55 anos de seu livro de estreia

Francisco Miguel de Moura autografa exemplar de “Areias”

 

O poeta e acadêmico Francisco Miguel de Moura fez o lançamento da 2ª edição de seu livro “Areias” nos municípios de Francisco Santos, sua terra natal, Santo Antônio de Lisboa e Bocaina, na Grande Picos.

Em Bocaína, o poeta, acompanhado de sua esposa Mécia, participou de uma festa na Casa da Barra, propriedade da professora e escritora Deolinda Marques.

A festa reuniu parte dos membros da Academia de Letras do Vale do Riachão (ALVAR).

A parada seguinte foi em Francisco Santos, antigo Jenipapeiro, onde se deu o lançamento de “Areias”, tal como estava marcado para o dia 20 de dezembro.

Compareceram cerca de 40 pessoas, entre as quais estavam o prefeito do município, Dr. José Luiz de Barros, também o ex-prefeito Edson Carvalho e várias professoras, mais a diretora da Biblioteca “Miguel Guarani”.

Foi registrada ainda a presença do escritor Nilvon Batista, da ALVAR.

O autor foi apresentado na solenidade pela sua prima professora Rosa Maria Araújo.

O lançamento seguinte foi em Santo Antônio de Lisboa, em ato também bastante prestigiado.

Entre outras pessoas que falaram na ocasião, louvando o autor e sua obra, destacam-se os escritores Ozildo Batista de Barros, Deolinda Marques e Jailson Klain, este residente em São Paulo.

No lançamento estavam convidados dos municípios vizinhos Riachão, Alagoinhas, Santo Antônio de Lisboa e Bocaina.

A 2ª edição de “Areias”, um livro de poemas, está sendo publicada 55 anos depois de seu lançamento, que marcou a estreia de Francisco Miguel de Moura na literatura.

 

OAB Piauí renova compromisso com a democracia

Imagens: Ascom-OAB-PI

Solenidade de posse dos dirigentes d OAB-PI

 

A nova Diretoria da Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Piauí, tomou posse renovando o compromisso da instituição com a Justiça, a Democracia e a Liberdade.

O advogado Celso Barros Coelho Neto, reeleito para o triênio 2022/2024, e demais dirigentes e conselheiros, foram empossados no novo mandato em solenidade festiva e prestigiada, realizada no Auditório “Ministro Reis Veloso”, na sexta-feira (14/01).

Com transmissão ao vivo, via Youtube e Instagram, a solenidade reuniu autoridades do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário, os demais diretores empossados Daniela Freitas (vice-presidente) e Raylena Alencar (secretária-geral), os conselheiros seccionais, advogados e advogados, além de familiares e amigos.

O Conselho Federal da OAB foi representado pelo diretor-tesoureiro José Augusto de Noronha.

Vários membros da OAB-PI integram também a Academia Piauiense de Letras, que se fez representar na cerimônia pelo seu presidente, Zózimo Tavares, e pela secretária-geral, Fides Angélica, ex-presidente da Ordem, além do advogado Reginaldo Miranda, ex-presidente da APL.

Leia mais:

http://www.oabpi.org.br/posse-da-diretoria-da-oab-piaui-acesso-a-justica-e-fortalecimento-da-advocacia-marcam-discursos-em-solenidade-festiva/

Acadêmico lança novo livro sobre história da medicina

Acadêmico Luiz Ayrton lança novo livro.

“Apontamentos para a História da Medicina no Piauí” é o título do novo livro do médico, professor e acadêmico Luiz Ayrton Santos Júnior.

A obra foi lançada ontem (13/01) à noite, na Livraria Entrelivros.

Trata-se de uma publicação conjunta da Sociedade Piauiense de História da Medicina e da Universidade Estadual do Piauí.

O livro reúne textos breves de 50 outros autores, entre profissionais, estudantes e professores de medicina.

Na apresentação da obra, o presidente da Sociedade Brasileira de História da Medicina, professor-doutor Lybio Martire Júnior, destaca que o “Dr. Luiz Ayrton tem contribuído, amplamente, através de seus escritos e das redes sociais, para a difusão da história, do folclore e das tradições de seu Estado, o Piauí, bem como com a história da medicina de modo geral”.

Para o professor Lybio Martire Junior, este novo livro “vem mostrar tudo isso de forma muito patente e interessante, pois significativa parte da história da medicina do Piauí é apresentada em capítulos escritos por destacados médicos da terra do Parnaíba, que trazem agradáveis relatos da rica história médica do Estado”.

O lançamento foi prestigiado pelos acadêmicos Anfrísio Lobão, Carlos Evandro (eleito), Fonseca Neto, Itamar Costa, Plínio Macedo (um dos colaboradores do livro) e Zózimo Tavares.

Lançamento do livro sobre história da medicina no Piauí.

UFPI planeja três períodos acadêmicos para 2022

Professor-doutor Viriato Campelo, reitor em exercício da UFPI, no “Chá das 5”.

A Universidade Federal do Piauí planeja a realização de três períodos acadêmicos em 2022, sem prejuízo da carga horário nem do conteúdo programático.

A informação foi dada hoje (13/01) pelo reitor em exercício Viriato Campelo, no programa “Chá das 5”, apresentado pela Academia Piauiense de Letras na TV Nestante (YouTube).

Segundo ele, o primeiro período deve começar em 7 de fevereiro, indo até maio. A partir de junho, será realizado o segundo. Já o terceiro período será a partir de setembro.

Ele disse que, com a medida, a UFPI pretende recuperar um ano de paralisação (2020) em função da pandemia da Covid-19.

O professor Viriato Campelo falou também sobre as providências que a universidade está tomando para o retorno seguro à sala de aula, no formato híbrido (presencial e remoto).

Veja ´”Chá” com o reitor em exercício da UFPI:

https://www.youtube.com/watch?v=9JD0K2v3H-Q

Tribunal de Contas e MPPI mandam sustar compra de livro

Tribunal de Contas recebe reclamações sobre compra de livro

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) determinou, hoje (12/01), em decisão cautelar, a suspensão da compra de 100 mil exemplares do livro “Teresina Educativo”, de Braulino Teófilo Filho, ao custo total de R$ 6 milhões e 500 mil, pela Secretaria Municipal de Educação (SEMEC).

Conforme a decisão, o processo de aquisição da obra deve ser suspenso “na fase em que se encontrar, inclusive, efetuar empenho e/ou pagamentos, até ulterior decisão desta Corte de Contas, sob pena de multa de 10.000 (Dez mil UFIR-PI”.

O TCE concedeu prazo de 15 dias para que a Prefeitura de Teresina/Secretaria Municipal de Educação formalize a sua defesa, apresentando as justificativas e a documentação que entenderem necessárias.

Representação do SIndserm

A decisão do Tribunal de Contas foi tomada pelo conselheiro Kleber Eulálio, relator do Processo de Representação movido em 17 de novembro de 2021 pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (Sindserm) contra a compra dos livros.

A entidade solicita a TCE a imediata suspensão do contrato de compra dos 100 mil livros, pela SEMEC, “sem licitação e sem consultar a nenhum profissional da educação sobre a escolha e adequação dos paradidáticos replicados que, em tese, seriam distribuídos nas 322 unidades de ensino da rede municipal. Ou seja, chegariam, em média, 310 livros para cada escola ou CMEI e os (as) professores (as), coordenadoras pedagógicas e diretores (as) não foram consultadas, como é o procedimento padrão, sobre o conteúdo programático, tema transversal ou gênero literário da obra, ainda desconhecida pela categoria”.

Em 16 de dezembro passado, o TCE admitiu a representação e abriu prazo para que os gestores se manifestassem sobre o caso.

APL pede suspensão da compra

O conselheiro Kleber Eulálio relata em sua decisão de hoje, já publicada no Diário Oficial do TCE, que em 10 de janeiro de 2022 a Academia Piauiense de Letras protocolou junto à Corte ofício no qual manifesta sua estranheza e apreensão diante da compra.

A APL informa ao TCE que, enquanto a Prefeitura faz uma compra milionária de uma única obra de um único fornecedor, editoras locais se encontram com livros de autores piauienses em análise na SEMEC/Teresina desde o início do ano de 2021, sem qualquer resposta.

Diante da gravidade da situação, a Academia solicitou “a imediata suspensão do processo aberto pela SEMEC-Teresina, especialmente do pagamento da referida compra, até o completo esclarecimento dos fatos, na forma do que vem sendo apurado pelo TCE-PI, de modo a evitar eventuais lesões ao erário e danos irreparáveis à educação e à cultura de Teresina”.

MP entra no caso

Ontem (11/01), o Ministério Público Estadual do Piauí recomendou à Secretaria Municipal de Educação de Teresina a se abster de efetuar a compra do livro “Teresina Educativo” até a análise de todo o processo licitatório por parte do MPPi.

A decisão é assinada pelo promotor de Justiça Chico de Jesus, do Núcleo das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa da 42ª Promotoria de Justiça de Teresina.

Secretário dá explicações sobre compra de livro

A Academia Piauiense de Letras recebeu hoje (11/01) ofício do secretário de Educação, professor Nouga Cardoso, com informações sobre pontos dos questionamentos feitos acerca da aquisição de 100 mil exemplares do livro “Teresina Educativo”, ao custo de R$ 6 milhões e 500 mil.

A compra está sendo averiguada pelo Tribunal de Contas do Estado.

A seguir, o ofício do secretário, cuja publicação foi solicitada pela sua assessoria, e o expediente encaminhado à SEMEC pela APL, no último dia 5:

Of SEMEC LIVRO

APL pede ao TCE suspensão de compra milionária de livro

A Academia Piauiense de Letras solicitou hoje (10/01) ao Tribunal de Contas do Estado, através de ofício, a imediata suspensão do processo de compra de 100 mil exemplares do livro “Teresina Educativa”, de autoria de Braulino Teófilo Filho, ao custo total de R$ 6 milhões e 500 mil.

No expediente protocolado no TCE, a Academia junta ofício encaminhado à Secretaria Municipal de Educação (SEMEC), no último dia 5, no qual a instituição expressa sua estranheza e sua apreensão com a compra.

Autor piauiense sem vez

A Academia Piauiense de Letras informa que em agosto do ano passado enviou uma coleção de 20 (vinte) livros por ela editados, para uma avaliação técnica por parte dessa Secretaria Municipal de Educação, com o objetivo de possível adoção nas escolas municipais de tais obras (ou de parte delas).

Até a presente data, a APL não recebeu da parte da SEMEC qualquer resposta a propósito da referida iniciativa institucional.

A Academia informa, ainda, que editoras locais se encontram com livros de autores piauienses em análise na SEMEC/Teresina desde o início do ano de 2021, sem qualquer resposta.

“Enquanto isso, alardeia-se na mídia local notícia dando conta da aquisição por parte da SEMEC/Teresina, com dispensa de licitação e pelo elevado valor acima referido, de obra de autor não piauiense, sem notoriedade de expertise no cenário nacional ou mesmo estadual, conforme se infere de pesquisa realizada na rede mundial de computadores”, acentua a APL.

Apuração

Diante da gravidade da situação, a Academia solicitou “a imediata suspensão do processo aberto pela SEMEC-Teresina, especialmente do pagamento da referida compra, até o completo esclarecimento dos fatos, na forma do que vem sendo apurado pelo TCE-PI, de modo a evitar eventuais lesões ao erário e danos irreparáveis à educação e à cultura de Teresina”.

O caso está sendo averiguado pelo TCE através do processo TC/019374/2021, que tem como relator o conselheiro Kleber Eulálio.