Seplan e APL lançam nova edição da Carta Cepro

A nova edição da Carta Cepro foi lançada hoje (18), em evento virtual. Foi o primeiro lançamento da publicação inteiramente on-line, por causa da pandemia da Covid-19, que recomenda o isolamento social.

O lançamento da edição nº 31 foi articulado pela Secretaria de Planejamento, através da Fundação Cepro (Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí), que publica a revista através de convênio celebrado com a Academia Piauiense de Letras.

A nova edição da Carta Cepro trata de temas como os Cerrados piauienses, com abordagem voltada para o agronegócio, e a organização territorial do Piauí, com foco na propriedade, além das políticas de planejamento.

O lançamento contou com a participação do secretário de Planejamento, Antônio Neto; do presidente da Academia, Zózimo Tavares, e da superintendente da Fundação Cepro, Liége Moura.

Também participaram da sessão on-line os presidentes do Conselho Estadual de Cultura, Nelson Nery, e da Fapepi, Antônio Amaral, bem como autores de artigos publicados na revista, membros do Conselho Editorial e representantes de outras instituições públicas.

A nova edição da Carta Cepro sai em edição de papel e também na plataforma digital.

Veja aqui a edição digital da Carta Cepro 31

Projeto de Leitura na Quarentena já chegou a 70 municípios

O Projeto “Te Aquieta e Lê”, lançado pela Secretaria Estadual de Cultura (Secult), com o objetivo de distribuir livros gratuitamente neste período de quarentena, já chegou a 70 municípios, 69 no Piauí e Timon.

O levantamento foi feito pela Secretaria de Cultura. Teresina ficou com 69,3 % dos livros distribuídos. O interior e o litoral com 30%, mais 0,7% de Timon.

O projeto é uma das ações da Secretaria para minimizar os efeitos do isolamento social, uma das recomendações de prevenção ao Covid-19.

Ele é apoiado desde o início pela Academia Piauiense de Letras, que já doou 430 livros para a campanha de leitura.

São obras das Coleções Centenário e Século 21, reunindo autores de diferentes gêneros.

Campanha permanente

O presidente da APL, Zózimo Tavares, informou que sugeriu ao secretário de Cultura, deputado Fábio Novo, que a campanha seja permanente, com o objetivo de alcançar os leitores do interior.

Conforme o acadêmico, a maioria desses leitores não tem acesso às obras lançadas em Teresina.

Os interessados devem acessar a lista de livros disponível no site da Secult (www.cultura.pi.gov.br), na aba editais, escolher até dois livros e mandar os títulos junto com seu endereço de entrega para o e-mail secult.ascom@secult.pi.gov.br.

Os livros são higienizados antes da remessa e são distribuídos sem nenhum custo para o leitor.

VEJA RELAÇÃO DE MUNICÍPIOS

APL abraça projeto Projeto de Leitura na quarentena

A Academia Piauiense de Letras abraçou o Projeto “Te Aquieta e Lê”, lançado pela Secretaria Estadual de Cultura (Secult), com o objetivo de distribuir livros neste período de quarentena.

O projeto é uma das ações da Secretaria para minimizar os efeitos do isolamento social, uma das recomendações de prevenção ao Covid-19.

A Academia doou para a campanha de leitura 300 exemplares das Coleções Centenário e Século 21, reunindo obras de diferentes gêneros de vários autores piauienses.

O presidente da APL, Zózimo Tavares, disse que a instituição continuará apoiando o Projeto “Te Aquieta e Lê” até o final da campanha.

Ele assinalou que, além de o projeto ser oportuno, a Secult é uma das principais parceiras da Academia, já tendo apoiado várias iniciativas da entidade.

A lista de livros do projeto possui diversos gêneros literários, desde ficção, clássicos da literatura nacional e internacional, autoajuda, contos, entre outros.

Em quatro semanas, já foram enviados quase 2.000 livros para a casa dos piauienses. A Secult informou que faz a higienização dos livros antes da distribuição.

Os interessados devem acessar a lista de livros disponível no site da Secult (www.cultura.pi.gov.br), na aba editais, escolher até dois livros e mandar os títulos junto com seu endereço de entrega para o e-mail secult.ascom@secult.pi.gov.br.

Os livros serão enviados sem nenhum custo.

Em memória de João Claudino

A Academia Piauiense de Letras associa-se às manifestações de profundo pesar pelo falecimento do empresário João Claudino Fernandes, ocorrido hoje, em Teresina.

O falecimento de João Claudino enluta o Piauí e, especialmente, a cultura, que, em suas mais diferentes expressões, recebeu o apoio dele através de seus empreendimentos.

A Academia Piauiense de Letras figurou, sempre, entre as suas prioridades de mecenas, daí porque conferiu-lhe, em 1998, o título de Sócio Benemérito.

À sua família e aos seus amigos expressamos os mais sentidos votos de condolências neste momento de dor e tristeza.

Teresina, 24 de abril de 2020

Academia Piauiense de Letras

A DIRETORIA

Paralisação das atividades ‘sine die’ da APL

A Academia Piauiense de Letras comunica que, em função da pandemia do Coronavirus (COVID-19), declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e seguindo as orientações das autoridades brasileiras de prevenção do contágio, SUSPENDEU as suas atividades sine die a partir desta data.

A suspensão abrange eventos no auditório, como lançamentos de livros, palestras, oficinas literárias, etc., bem como as reuniões ordinárias e as visitas à Biblioteca e ao Memorial Literário.

A APL funcionará internamente com estrutura mínima e a retomada de seu calendário de atividades e sua reabertura ao público serão precedidas de novo comunicado.

Teresina, 16 de março de 2020

A Diretoria

Academia apoia campanha pela alfabetização na idade certa

A Academia Piauiense de Letras participou, através de seu presidente, Zózimo Tavares, da premiação de 58 municípios que receberam, em Teresina, o ‘Selo Undime Piauí de Alfabetização’.

A cerimônia foi realizada no último dia 5, no Cine Teatro da Assembleia Legislativa, e contou com a participação de prefeitos, entre eles o presidente da APPM, Jonas Moura, parlamentares, gestores, educadores e outros convidados.

Também se fizeram presentes o secretário de Educação, Ellen Gera, o presidente do Conselho Estadual de Educação, e Luís Soares Santos Filho, além de representantes do Tribunal de Contas, Sebrae e outras instituições.

Meta nº 5

A Undime é a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação e nos Estados congrega os secretários municipais de Educação.

O prêmio instituído pela entidade reconhece o desempenho dos municípios que se destacaram na avaliação do cumprimento da Meta 5 do Plano Nacional de Educação.

Essa meta exige que a criança seja alfabetizada até a 3ª. série. Isto é, a partir daí, ela deve saber ler e escrever com fluência, além de compreender o texto.

A campanha da Undime tem o objetivo de elevar o índice de alfabetização no Piauí. A nota mínima estabelecida para a concessão do selo foi de 7, mas muitos municípios conseguiram 8 e 9 na avaliação.

O presidente da APL considerou a iniciativa da maior importância, na medida em que a premiação reconhece e incentiva a alfabetização das crianças na idade certa.

“A leitura é a chave que abre todas as demais portas do conhecimento. É preciso, então, que a criança desenvolva e domine essa habilidade o quanto antes”, comentou.

Acadêmicos prestigiam reabertura do Conselho Estadual de Cultura

O Centro Cultural M. Paulo Nunes, sede do Conselho Estadual de Cultura, no bairro Vermelha, zona Sul de Teresina, foi reaberto hoje (02.03) em solenidade que reuniu autoridades e personalidades da área cultural.

“A biblioteca ganhou acervo, o auditório recebeu climatização, sistemas de som e projeção”, destacou o secretário de Cultura, deputado Fábio Novo, ao falar do novo espaço.

Houve também o lançamento da nova edição da revista Presença, que homenageia o escritor M. Paulo Nunes, ex-presidente do Conselho e da Academia Piauiense de Letras.

O espaço ganhou ainda internet veloz, através do Piauí Conectado e uma parceria para exibição de filmes. A comunidade e escolas do entorno da Vermelha serão chamadas para compartilhar das novidades.

O governador Wellington Dias destacou o esforço do governo para destinar recursos com vistas à dinamização da cultura no Piauí.

O presidente do Conselho Estadual de Educação, Nelson Nery, afirmou que a zona Sul de Teresina viverá uma nova história com o novo Conselho.

Vários membros da Academia Piauiense de Letras participaram do evento, entre eles o presidente Zózimo Tavares, o vice-presidente Magno Pires e a secretária geral Fides Angélica, além de Elmar Carvalho, Felipe Mendes, Itamar Costa, Pedro da Silva Ribeiro, Plínio Macedo e Reginaldo Miranda.

Sai nova edição do livro da família Mendes

A família Mendes lançou em 15 de fevereiro a terceira edição (ampliada) do livro que registra a memória e a descendência de Joaquim Mendes e Isabel Elisa.

O livro, organizado pelo filho mais novo do casal, economista, professor e acadêmico Felipe Mendes, reuniu em Teresina parentes vindos de Fortaleza, Petrolina, Recife, Picos, Paulistana, Brasília, Simplício Mendes, Portugal e outros lugares.

A descendência

Dos 16 filhos do casal, que tem origem em Simplício Mendes, restam nove.

Estiveram ausentes à festa de confraternização da família apenas Sebastião e Osvaldo.

Dolores, de 92 anos, faleceu na véspera. Já haviam falecido Noé, Marcelino, Quincas, Silvio, Elisa e Zélia.

Até a entrega do livro na gráfica, no mês passado, eram 332 descendentes de Joaquim e Isabel Elisa.

Nasceram mais dois após da impressão do livro.

São 16 filhos, 78 netos, 151 bisnetos, 81 trinetos e 6 tetranetos.

 

APL defende a adoção de autores piauienses em audiência pública do CEE

A Academia Piauiense de Letras participou, através de seu presidente, jornalista Zózimo Tavares, da audiência pública realizada hoje (20.02), pelo Conselho Estadual de Educação, para discutir o novo currículo do Ensino Médio.

O debate é travado em todo o país. Cada Estado está encarregado de elaborar as diretrizes curriculares para esta etapa do ensino básico.

Os Estados seguem o cronograma de implementação da Base Nacional Comum Curricular, a BNCC.

Participaram do evento técnicos e dirigentes da Secretaria Estadual de Educação que estão trabalhando a reforma.

Mais de 20 instituições interessadas na questão também se fizeram presentes ao debate e ofereceram propostas.

A Academia, por exemplo, defendeu a adoção do ensino de literatura piauiense nas escolas, como determina a Constituição Estadual, em seu Artigo 226.

Também pediu que seja incluído no novo currículo o cumprimento da Lei 6.553/14 (Lei Merlong Solano). Ela determina que pelo menos um terço dos livros paradidáticos adotados pelas escolas das redes pública e privada sejam de autores piauienses.

As mudanças no Ensino Básico dão margem a que cada Estado defina seu currículo de referência, contemplando as questões regionais e locais.

As escolas também têm autonomia para elaborar seus currículos.