APL lança quatro novas obras e Revista do Centenário

A Academia Piauiense de Letras lançou no último sábado, 24 de agosto, a Revista do Centenário da instituição e duas obras da Coleção Século XXI: Gêneros Textuais no Mundo do Trabalho, de Francisco Alves Filho, Láfity dos Santos Alves, Mery Ruty Lustosa Torres e Valfrido da Silva Nunes (org.); tal como 40 anos do Ginásio Verdão – história e fatos, de Celso Carvalho.

Segundo o presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery Costa, a Revista do Centenário é um orgulho. “É extremamente significativo a Academia Piauiense de Letras ter uma revista que está chegando ao Ano 101. Pouquíssimas revistas no Brasil são tão longínquas e meninas ainda aqui no Piauí”, disse. A Revista foi lançada em 1918 e a edição lançada no sábado faz um apanhado do ano de 2018.

Também foram lançados mais dois livros da Coleção Centenário: O Piauí na Confederação do Equador, de Abdias Neves; Os Revolucionários do Sul: através dos sertões nordestinos do Brasil, de Higino Cunha.

A coleção traz para os piauienses as obras que reúnem informações, histórias, fatos, relatos e imagens que retratem a história da Academia. “Estamos realizando uma série de eventos em homenagem aos 100 anos da APL; a Coleção Centenário é um desafio editorial e não tem nada similar no Brasil”, indicou o presidente da APL, Nelson Nery Costa.
A instituição está desenvolvendo uma programação desde dezembro de 2017 em que comemora os seus 100 anos. Entre os eventos, já ocorreu a entrega da Medalha do Centenário a mais de 50 personalidades que contribuíram ou tem contribuído para a literatura piauiense. Também já ocorreu a inauguração do Museu da Cultura Literária Piauiense, instalado na Casa de Lucídio Freitas, sede da Academia.

Além disso, a Coleção Centenário vem, desde 2016, fazendo um resgate de obras antigas, importantes, escritas por intelectuais renomados, que tratam sobre o Piauí e sobre tudo que se relaciona com o Estado.