APL defende a adoção de autores piauienses em audiência pública do CEE

WhatsApp Image 2020-02-20 at 19.55.34

A Academia Piauiense de Letras participou, através de seu presidente, jornalista Zózimo Tavares, da audiência pública realizada hoje (20.02), pelo Conselho Estadual de Educação, para discutir o novo currículo do Ensino Médio.

O debate é travado em todo o país. Cada Estado está encarregado de elaborar as diretrizes curriculares para esta etapa do ensino básico.

Os Estados seguem o cronograma de implementação da Base Nacional Comum Curricular, a BNCC.

Participaram do evento técnicos e dirigentes da Secretaria Estadual de Educação que estão trabalhando a reforma.

Mais de 20 instituições interessadas na questão também se fizeram presentes ao debate e ofereceram propostas.

A Academia, por exemplo, defendeu a adoção do ensino de literatura piauiense nas escolas, como determina a Constituição Estadual, em seu Artigo 226.

Também pediu que seja incluído no novo currículo o cumprimento da Lei 6.553/14 (Lei Merlong Solano). Ela determina que pelo menos um terço dos livros paradidáticos adotados pelas escolas das redes pública e privada sejam de autores piauienses.

As mudanças no Ensino Básico dão margem a que cada Estado defina seu currículo de referência, contemplando as questões regionais e locais.

As escolas também têm autonomia para elaborar seus currículos.