APL solicita tombamento do prédio do Meduna

A Academia Piauiense de Letras solicitou ao prefeito de Teresina, José Pessoa Leal (Dr. Pessoa), o tombamento do prédio que abrigou o Hospital Meduna, no bairro Cabral, zona Norte da capital.

A solicitação foi motivada pelo recente noticiário dando conta de que o imóvel seria demolido. O assunto foi discutido em três sessões da Academia. A posição da APL foi aprovada por unanimidade.

No ofício encaminhado ao prefeito, com data de 1º deste mês, o presidente da APL, Zózimo Tavares, destaca que o remanescente da antiga edificação do Meduna, inaugurada em 1954, é dotada de valor histórico, merecendo proteção.

“Não há dúvidas de que o Sanatório Meduna, pelo seu passado, desperta o interesse público, por se tratar de instituição que prestou serviços relevantes à comunidade local por mais de mais 50 anos, constituindo, de tal modo, parte da história de Teresina”, assinala.

A previsão de tombamento dos bens representativos do patrimônio cultural, artístico e arquitetônico, do Município de Teresina, é matéria disciplinada na Lei de Tombamento (n.º 3.602 de 27.12.2006).

Documentário sobre a APL entra na fase final

A produção do documentário que conta a história da Academia Piauiense de Letras entra em sua fase final.

As últimas entrevistas com os acadêmicos narrando essa história centenária estão sendo feitas nesta semana.

Além desses depoimentos, o documentário vai usar imagens e áudios de arquivo. Um deles será o da inauguração da sede própria da APL, em 1986.

A seguir, começa o trabalho de edição. O diretor do documentário, que vem sendo produzido desde o início do segundo semestre do ano passado, é o jornalista Luciano Klaus.

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, informou que o documentário foi aprovado pelo Siec 2020, com patrocínio da Equatorial Energia.

Médico é eleito para a Cadeira 16

O médico, professor e escritor Luiz Ayrton Santos Júnior foi eleito para a Cadeira 16 da Academia Piauiense de Letras, que teve como último ocupante o psiquiatra Eustachio Portella.

A eleição foi realizada no sábado passado (13), em segundo turno. Dos 38 acadêmicos, 34 votaram. Um voto foi anulado.

Os dois candidatos que disputaram o pleito foram o professor de literatura Carlos Evandro Eulálio, que obteve 12 votos, e o mastologista Luiz Ayrton, que conseguiu 21 votos.

A posse do novo acadêmico será marcada em comum acordo com a diretoria.

O novo acadêmico            

Luiz Ayrton Santos é médico pela Universidade de Pernambuco (1984), mestre em Medicina pela Universidade de São Paulo (1997) e doutor em Cirurgia pela Universidade Federal de Pernambuco (2006). Mastologista pela Sociedade Brasileira de Mastologia.

Professor fundador da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual do Piauí, onde ministra Bioética e História da Medicina, e professor Adjunto 4 de Bioética da Universidade Federal do Piauí.

É também empreendedor social desde 1991. Organizou em 1998 a Fundação Maria Carvalho Santos, que cuida da problemática do câncer de mama. Presidiu a Academia de Medicina do Piauí. Tem 5 livros publicados em Medicina, dois de poesia e um de literatura infanto-juvenil.

Academia faz eleição sem aglomeração

A Academia Piauiense de Letras realiza, neste sábado (13), a eleição, em segundo turno, para o preenchimento da Cadeira 16, vaga com o falecimento do acadêmico Eustáchio Portella.

A Academia antecipou a votação e os acadêmicos puderam entregar pessoalmente ou encaminhar seus votos impressos. A medida, segundo o presidente da APL, jornalista Zózimo Tavares, tem o objetivo de evitar aglomeração no dia do pleito.

Até agora, 16 acadêmicos já votaram. A Comissão Eleitoral está a postos para receber o voto do acadêmico residente em Teresina que solicitar pessoalmente por telefone essa providência.

Dois candidatos concorrem à cadeira 16, o médico e professor Luiz Ayrton Santos Júnior, e o professor de literatura e latinista Carlos Evandro Eulálio.  Para ser eleito, o candidato precisa obter pelo menos 20 votos.

A Comissão Eleitoral, presidida pelo advogado e acadêmico Reginaldo Miranda, é composta ainda dos acadêmicos Dilson Lages, Elmar Carvalho e Fonseca Neto e Magno Pires.

Duas das 40 cadeiras da APL estão vagas. A inscrição para a Cadeira 20, vaga com a morte do padre Raimundo José Airemoraes, se encerram nesta sexta-feira.

APL faz sessão transmitida de Parnaíba

A primeira sessão de 2021 da Academia Piauiense de Letras foi realizada a partir do Centro Cultural Reis Velloso, em Parnaíba.

O presidente da APL, Zózimo Tavares, estava na cidade a trabalho e comandou a sessão de lá, transmitida através de plataforma digital.

Ele informou que, na história centenária da Academia, era a primeira reunião da instituição realizada a partir de Parnaíba.

O presidente da Academia dedicou a sessão aos acadêmicos parnaibanos Alcenor Candeira Filho, Assis Brasil e Valdeci Cavalcante.

Também manifestou o seu plano de retornar à cidade, com toda a Academia, para uma nova sessão, de forma presencial, quando houver autorização das autoridades sanitárias.

O presidente da APL foi recebido no Centro Cultural Reis Velloso pelo presidente do Sistema Fecomércio no Piauí, Valdeci Cavalcante.

O Centro Cultural está abrigado em um prédio histórico de Parnaíba. Nele funcionou a União Caixeiral, onde estudaram, entre outros, o ex-ministro Reis Velloso.

O prédio foi restaurado pelo SESC Piauí e reaberto como espaço cultural.

Veja a sessão da APL:

Quase dez anos depois, restauração do Meduna não saiu

A restauração de um espaço que sobrou da antiga edificação do Sanatório Meduna, após a construção do Shopping Rio Poty, no bairro Cabral, foi o tema do “Chá das 5” da última quinta-feira, 28.

O entrevistado do programa foi o médico psiquiatra Carlos Francisco Oliveira, mestre e doutor em Ciências Médicas pela Unicamp. Ele desenvolveu muitas de suas pesquisas em História da Psiquiatria no Sanatório Meduna.

O Dr. Carlos Francisco iniciou suas pesquisas no Meduna ainda no início dos anos 1990, como residente.  No trabalho de campo, entrevistou o fundador do sanatório, Dr. Clidenor de Freitas Santos, entre outros profissionais da área de saúde mental.

Ele defende a restauração e o uso do espaço com atividades culturais, para preservar a história de uma época.

Espaço cultural

A construção do shopping, na área ocupada pelo Meduna, previa o aproveitamento de parte da antiga edificação do hospital, como está registrado na mídia de Teresina, através de declaração do empresário Leonardo Sá Cavalcante, um dos diretores do empreendimento:

“Um dos diferenciais do empreendimento será a valorização da estrutura do antigo Meduna, que será transformado em uma biblioteca e uma pinacoteca, e da antiga Igreja do Sanatório.”

Quase dez anos depois da inauguração do shopping, em 2012, nada disso foi feito. O que se divulga nas mídias sociais é que o que sobrou da antiga edificação do Meduna está em avançado estado de deterioração e será demolido.

Veja o programa “Chá das 5”:

Lançamento do SIEC 2021 será antecipado

O Governo do Estado vai antecipar o lançamento do SIEC 2021. O anúncio foi feito pelo secretário de Cultura, Fábio Novo, em entrevista ao “Chá das 5”, programa da Academia Piauiense de Letras na TV Nestante, no YouTube.

A antecipação do lançamento do Edital do SIEC foi decidida pelo governador Wellington Dias em função da pandemia da Covid-19.

O Governo do Estado estima que as atividades culturais dificilmente serão normalizadas no primeiro semestre de 2021. Daí a decisão de injetar mais recursos no setor cultural já nos primeiros meses do novo ano.

O SIEC é o Sistema de Incentivo Estadual à Cultura, instituído com o objetivo de estimular e desenvolver a criação e produção de expressões culturais e os processos de preservação e proteção do Patrimônio do Estado.

O SIEC contempla as áreas de música, artes cênicas, fotografia, cinema e vídeo, artes plásticas e artes gráficas, folclore e artesanato, pesquisa e documentação, literatura, patrimônio histórico, artístico e ambiental.

Anualmente é definido um orçamento para o sistema. Os projetos são apresentados, analisados pelo Conselho Deliberativo do SIEC e, se aprovados, recebem um certificado emitido pela Secretaria Estadual de Fazenda.

Os coordenadores dos projetos devem buscar patrocinadores que, em troca do incentivo, serão isentos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Este ano, os patrocínios do SIEC chegaram a mais de R$ 6 milhões.

O secretário Fábio Novo falou também sobre a Lei Aldir Blanc, de emergência cultural, dividida em três prêmios no Piauí.

Eis a entrevista:

APL- PANEGÍRICO DR EUSTACHIO PORTELLA – Oração: M. Paulo Nunes (*)

A Academia Piauiense de Letras realiza, no sábado (12/12), às 10h, sessão especial em memória do acadêmico Eustachio Portella, ocupante da Cadeira 16.

Médico psiquiatra, professor e acadêmico, Eustachio Portella faleceu em 6 de outubro passado, aos 91 anos, no Rio de Janeiro, onde morava.

A oração da saudade ficou a cargo do professor e acadêmico M. Paulo Nunes, velho amigo do homenageado.

No convite que distribuiu para o panegírico, o presidente da Academia Piauiense de Letras, Zózimo Tavares, informa que, em função das medidas recomendas pelas autoridades de saúde, para prevenção da Covid-19, a Sessão Especial será realizada na forma virtual, através de plataformas digitais.

A transmissão será feita ao vivo através da TV APL (Canal da Academia no YouTube), no endereço:

APL faz eleição para escolher novo imortal

A Academia Piauiense de Letras realizou eleição hoje (5/12) para a escolha do novo ocupante da Cadeira 16, vaga com a morte do psiquiatra Eustachio Portella.

Três candidatos disputaram a cadeira. A votação foi até às 11h, na forma presencial, seguindo os protocolos sanitários de prevenção da Covid-19.

Do total de 38 acadêmicos, 33 votaram, sendo 22 de forma presencial e 13 pelos Correios.
A Comissão Eleitoral é presidida pelo acadêmico, advogado e escritor Reginaldo Miranda, ex-presidente da APL.
Pela ordem de inscrição, os candidatos à Cadeira 16 são:

1 – Raimunda Celestina – É graduada em Letras e em Educação Artística. Tem mestrado e doutorado em Linguistica. É professora da Universidade Estadual do Piauí (Uespi). Seus estudos acadêmicos estão voltados para a área de Letras, com ênfase em Literatura Piauiense. Publicou os livros “A representação da seca na narrativa piauiense: Séculos XIX e XX”, “História, Literatura e Linguística” e “Para uma histografia Literária do Piauí”.

2 – Luiz Ayrton Santos Junior – Médico mastologista, bioeticista e empreendedor sócio-médico-cultural. Doutor em Cirurgia. Professor da Universidade Federal do Piauí. Presidente da Sociedade Piauiense de História da Medicina. Presidiu a Academia de Medicina do Piauí. Integra a Academia Teresinense de Letras. Publicou livros de medicina, poesia e literatura infantil.

3 – Carlos Evandro Martins Eulálio – Professor e escritor. Licenciado em Letras, mestre em Educação e especialista em Linguística e Comunicação Contemporânea e Informação Visual. Foi professor na Universidade Federal do Piauí. Tem vários livros publicados, entre eles “Mário Faustino Revisitado”, textos críticos e antologia comentada, editado pela Coleção Centenário da Academia Piauiense de Letras.

A votação
O resultado da votação é o seguinte: Luiz Ayrton – 13 votos; Carlos Evandro – 12 e Celestina – 6 votos. Dois votos foram anulados.

Haverá segundo turno com disputa entre os dois mais votados, em data a ser marcada.

Para ser eleito, o candidato deve obter no mínimo 20 votos.

Ensino de Literatura é uma das conquistas do novo currículo do Ensino Médio

A inclusão do ensino de Literatura Piauiense é uma das conquistas do novo currículo do Ensino Médio.

A opinião é da presidente do Conselho Estadual de Educação, professora Margareth Santos, e foi manifestada no programa “Chá das 5” de ontem (3.12).

Ela afirmou que essa foi uma reivindicação muito oportuna da Academia Piauiense de Letras.

“Fomos visitados no Conselho, ainda no ano passado, pelo presidente da Academia, Zózimo Tavares, acompanhado de uma comissão da APL, levando essa preocupação e essa reivindicação”, lembrou.

A professora Margareth Santos informou que, nas audiências públicas realizadas pelo Conselho Estadual de Educação, para discussão do currículo do Novo Ensino Médio, “evidenciamos essa necessidade”.

A presidente do Conselho Estadual de Educação destacou que o ensino de Literatura Piauiense é constitucional e está determinado em lei.

A Resolução do CEE com as diretrizes para o currículo do Novo Ensino Médio já foi aprovada em plenário e será encaminhada ao secretário de Educação para homologação.

Veja a entrevista com a presidente do Conselho Estadual de Educação: