Peça ‘Jovita, ou a Heroína de 1865’ será encenada na Academia Piauiense de Letras

No próximo dia 8 de Junho a APL (Academia Piauiense de Letras) será palco para a encenação da peça “Jovita, ou a Heroína de 1865″, drama histórico de autoria do imortal Jônathas Batista. A realização é do Trama Teatro com apoio da Academia, através do patrocínio do Sistema Estadual de Incentivo à Cultura (Siec).

Jônathas Batista fez parte do grupo fundador da Academia Piauiense de Letras e teve como um dos traços de sua obra colocar em questão as relações sociais e depositou na literatura a esperança de intervir na sociedade.  A obra de Jônathas Batista, a respeito da história da mulher que nasceu no interior do Ceará e residiu no interior Piauí, em Jaicós, ficando conhecida por sua destemida vontade de ir a Guerra do Paraguai, foi encenada pela primeira vez em 1912.

A história de Jovita Feitosa, a heroína da Guerra do Paraguai, ainda desperta curiosidade entre historiadores de todo o Brasil, sendo a mesma chamada de Joana D’Arc brasileira. Recentemente o historiador José Murilo de Carvalho lançou o livro Jovita Alves Feitosa: Voluntária da pátria, voluntária da morte”.

APL assina acordo para nova bibliografia sobre o Piauí

O presidente da Academia Piauiense de Letras, Nelson Nery Costa, assinou na sexta-feira, 24 de maio, um termo de intenção com a Secretaria Estadual de Planejamento (Seplan), liderada por Antônio Neto, visando a edição de uma nova bibliografia sobre o Piauí. Atualmente, a APL conta com as coleções Século XXI e Centenário, com mais de 100 livros lançados nos últimos anos.

O termo de intenção indica que deverão ser realizados estudos preliminares para o estabelecimento de uma biblioteca econômica, social, cultural, geográfica e de natureza científica, de autores piauienses ou sobre o Piauí, a partir de livros, artigos, revistas e publicações já editadas e também inéditas.

O acordo entre a Academia Piauiense de Letras e a Secretaria de Planejamento ressalta a possibilidade de chamamento público para obras novas resultantes de pós-graduação stricto sensu, como doutorado ou mestrado, para a editoração e copydeskagem dos referidos trabalhos e estudos, por meio físico e para rede social. O documento tem validade de um ano, podendo ser prorrogado por igual período.

APL lança novos livros das Coleções Centenário e Século XXI

 

A Academia Piauiense de Letras (APL) lançou no sábado, 18 de maio, quatro obras que compõem as coleções ‘Centenário’ e ‘Século XXI’. A solenidade, que aconteceu na sede da Academia Piauiense de Letras, contou com a presença de muitos convidados.

 

Pela coleção Centenário o público foi lançado o livro ‘Cancioneiro Geral (1920-1976), do imortal Martins Napoleão, a qual a apresentação foi feita pelo neto, o ex-governador do Estado do Piauí e ex-ministro Hugo Napoleão.

 

Já pela coleção ‘Século XXI’ os livros lançados foram ‘O Ensino de Enfermagem no Piauí – história e memória’, de Anneth Cardoso Basílio da Silva; ‘Neorregionalismo Brasileiro’, de Herasmo Braga de Oliveira; e ‘Viver, Amar e Escrever’, de Maria das Graças Targino.

 

As obras diversas expõem a riqueza literária piauiense, com caráter histórico, informativo e cultural, demandando grandes contribuições aos leitores.  Em Cancioneiro Geral, por exemplo, Martins Napoleão que ocupou relevantes cargos, como Interventor depois da deposição de Getúlio Vargas, como Consultor Geral do Banco do Brasil e como Presidente da APL, reúne uma refinada técnica literária, em uma publicação poética ao longo de mais de cinquenta anos.

 

Já em ‘Viver, Amar e Escrever’, a professora Maria das Graças Targino faz uma tentativa de externar nosso enfrentamento diante do cotidiano inerente ao século XXI, em cada texto expõe temas diversificados, onde homens e mulheres lutam para sobreviver, num mundo desigual em diferentes facetas.

Academia lança obras de Nelson Nery, Rostônio Uchôa e Palha Dias

 

A Academia Piauiense de Letras promoveu no dia 11 de maio, o lançamento de três obras: Direito Municipal Brasileiro 8ª edição, de Nelson Nery Costa; Curso de Direito Processual Constitucional – Controle de Constitucionalidade da 4ª edição, de Rostônio Uchôa; e Traços “Tortos” de um Trajeto – Crônicas, de Palha Dias.

 

O livro ‘Direito Municipal Brasileiro’, de Nelson Nery Costa detém de uma importante contribuição sobre temas como Direito Municipal; Desenvolvimento e organização do Município no Brasil; Autonomia do Município; Poder Executivo Municipal; Poder Legislativo Municipal; Poder de Polícia Municipal; Intervenção do Município na Propriedade Privada; Bens Públicos do Município; Serviços, Obras, Contratos e Licitações Municipais; Servidores Públicos do Município; Urbanismo e Meio Ambiente; Tributação do Município; Orçamento Municipal e Controle Externo; Responsabilidade no Município; Políticas Públicas e Municipais.

 

A obra Curso de Direito Processual Constitucional – Controle de Constitucionalidade da 4ª edição, Rostônio Uchôa expõe uma síntese direta sobre os institutos do Direito Processual Constitucional, os seus princípios, a Jurisdição Constitucional, as principais normas e procedimentos sobre o controle de constitucionalidade, além das ações constitucionais e demais instrumentos processuais por meio dos quais se exerce o controle de validade constitucional das normas jurídicas no sistema brasileiro.

 

Já a obra Traços “Tortos” de um Trajeto, de Palha Dias, traz 69 crônicas divertidas e um pouco apimentadas, como descreveu o autor. “Elas retratam uma fase da minha vida e traços de um trajeto que foi meu, onde tudo se passa num bar. São crônicas soltas que podem ser lidas na ordem que o leitor preferir”, explicou Palha Dias.

Médico José Itamar Abreu Costa é o novo imortal da APL

Em solenidade realizada na noite de ontem, 5 de abril, o médico e escritor José Itamar Abreu foi empossado como imortal da APL (Academia Piauiense de Letras), ocupando a cadeira de nº18. Ele foi ele eleito em pleito realizado no mês de dezembro passado. Na solenidade, o acadêmico imortal Humberto Soares Guimarães fez o discurso de recepção.

 

“Esse é um momento de muita alegria para mim. Sempre fui incentivado a participar da Academia Piauiense de Letras e hoje consegui estar aqui. Como médico, a leitura e os estudos tem me acompanhado sempre e é essa mensagem que eu quero passar a todos os futuros médicos”, disse José Itamar Abreu Costa.

 

Entre as obras de José Itamar Abreu que o credenciaram a ocupar a cadeira estão: Um Hospital de Excelência no Céu e Coronárias do Tempo.

 

A cadeira nº 18 da Academia Piauiense de Letras já foi ocupada pelos ilustres escritores Herculano Moraes, José Burlamaqui e José Félix Alves. O médico José Itamar Abreu Costa é natural do município de Alto Longá, graduado em medicina pela Universidade Federal do Pará, consolidando-se como um dos mais respeitados cardiologistas do Estado e atualmente ocupando o cargo de presidente da Academia de Medicina do Piauí. Além disso, o novo acadêmico também foi responsável por idealizar e instalar a Academia Longaense de Letras, Cultura, História e Ecologia (IALLCHE).

 

Economista Felipe Mendes toma posse como imortal da Academia Piauiense de Letras

O economista Felipe Mendes tomou posse como imortal da Academia Piauiense de Letras em solenidade ocorrida na sexta-feira (22), no Cine Teatro da Assembleia. Felipe Mendes foi eleito no dia 1º de dezembro e ocupará a cadeira de número 32. Durante a solenidade de posse, a imortal Teresinha Queiroz fez o discurso de recepção.

 

O fundador da cadeira 32 é Antonino Freire. Posteriormente, foi ocupada por Raimundo Nonato Monteiro de Santana. Felipe Mendes é o terceiro ocupante.

 

O novo imortal da APL tem um vasto currículo de serviços prestados ao Estado. Exerceu três mandatos de deputado federal e foi vice-governador do estado. É professor da Universidade Federal do Piauí, já ocupou cargos como secretário estadual de Planejamento, secretário de Planejamento da Prefeitura de Teresina, assessor da Sudene e presidente da Codevasf no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

Nota de Pesar acadêmico João Paulo dos Reis Velloso

A Academia Piauiense de Letras manifesta profundo pesar pelo falecimento do ex-ministro João Paulo dos Reis Velloso e solidariza-se com familiares e amigos.

Ocupante da cadeira número 17 da Academia, Reis Velloso preparava o livro “A Solidão do Corredor de Longa Distância”, sobre economia mundial e brasileira até 2012, que seria lançado em abril. O ex-ministro deixa um enorme legado para o Brasil e para o Piauí como economista e pelo grande intelectual que foi durante toda sua vida.

 

Novo imortal será eleito em segundo turno no próximo sábado (09)

Os imortais da Academia Piauiense de Letras se reúnem para definir, em segundo turno, o novo ocupante da cadeira 24. A vaga pertencia ao desembargador Paulo de Tarso Mello e Freitas, falecido aos 86 anos. O novo pleito acontecerá no próximo sábado (09).

No primeiro turno, ocorrido no dia 1º de dezembro do ano passado, 13 candidatos concorreram a três cadeiras. Para a cadeira 18 foi eleito o médico Itamar Abreu Costa e para a cadeira 32 o economista Felipe Mendes. Agora, estão concorrendo à vaga da cadeira 24 os candidatos Moisés Reis e Plínio Macedo, que conseguiram maioria no primeiro turno, mas nenhum dos dois atingiu os 19 votos necessários para se eleger.

Conforme o regimento interno, para ser eleito, o candidato deve obter maioria absoluta. Ao todo, estão aptos a votar 37 imortais, já que os dois primeiros eleitos ainda não tomaram posse. Aqueles que residem em Teresina, devem comparecer à sede da academia para depositar o voto na urna. Já os que residem fora, podem enviar o voto pelos Correios. A Comissão Eleitoral é encarregada de arrecadar todas as cédulas de forma sigilosa e fazer a apuração.

O horário da votação segue até as 11h30 do dia 09. Logo em seguida, a comissão faz a apuração e proclama o resultado.

APL lança novos livros e homenageia Alberto Silva e Salomão Azar Chaib

A Academia Piauiense de Letras encerrou as atividades de 2018 no último sábado, 15 de dezembro, com uma homenagem aos 100 anos de nascimento dos ex-acadêmicos Alberto Silva e Salomão Azar Chaib na sede da Casa de Lucídio Freitas. A solenidade contou com a presença de parentes e amigos dos imortais, que se emocionaram com as lembranças e a síntese do legado deixado por ambos.

Em meio a importância da homenagem, o presidente da APL Nelson Nery Costa ressaltou a emoção do momento e fez um balanço das atividades desenvolvidas durante este ano. “É uma emoção, esse ano fizemos várias atividades, e agora prestando homenagem em três centenários, de nascimento de Alberto Tavares Silva, que foi muito especial para o Piauí; Salomão Chaib, com renome internacional e foi muito importante para a nossa medicina e também o centenário da Revista da Academia Piauiense de Letras, e isso nos enche de muito orgulho, então é um momento de muita felicidade e nós podemos fechar este ano com muita satisfação”, afirmou.

Na ocasião, a homenagem a Alberto Silva ficou a cargo do jornalista e acadêmico Zózimo Tavares, que escreve um livro sobre o ex-governador. Já a homenagem a Salomão Azar Chaib, ex-ocupante da cadeira 40, foi comandada pelo médico Gisleno Feitosa. Falecido em 1995, era contista e cronista e se notabilizou como um dos maiores cirurgiões do país. Foi um dos pioneiros no procedimento de cirurgia bariátrica no Brasil. Publicou os livros “E agora, doutor?” e “O caminho da verdadeira medicina”.

Lançamentos

Para encerrar as atividades da Academia em 2018 e consagrar o sucesso da coleção centenário, a solenidade também contou com o lançamento das “Tratamento preferencial para o Piauí”, de Magno Pires; “Capitania do açúcar”, de Afonso Ligório; “A terra e o homem de Pedro II – escritos reunidos”, de Tomaz Gomes Campelo; e o número 75 da Revista da Academia.

Os livros trazem uma contribuição relevante para a construção de um saber mais qualificado, assim, em ‘Tratamento Preferencial para o Piauí’, por exemplo, Magno Pires faz uma síntese do desenvolvimento do Estado, com os seus desafios e perspectivas.

Agora, os eventos promovidos pela Academia Piauiense de Letras serão retomados em fevereiro de 2019.

Imortal: 13 escritores concorrem a cadeiras vagas na Academia Piauiense de Letras

Com três cadeiras em aberto, a Academia Piauiense de Letras elegerá os novos imortais no dia 1º/12, em eleição direta. Ao todo, 13 escritores fizeram a inscrição para concorrer no pleito. “Nos últimos meses, a Academia sofreu com as perdas do desembargador Paulo Freitas, do nosso querido Herculano Moraes e do estimado professor Raimundo Santana. Então, resolvemos unificar as eleições, promovendo todas em uma mesma data”, explica o presidente da instituição Nelson Nery Costa.

 

Os eleitos ocuparão as cadeiras 18, 24 e 32 que pertenciam a Paulo de Tarso Mello e Freitas, Herculano Moraes da Silva Filho e Raimundo Nonato Monteiro de Santana. Cada um dos candidatos, no ato da inscrição, teve a oportunidade de escolher para qual cadeira concorrerá. Entre os pré-requisitos para a participação, segundo o regimento da APL, estão: ser piauiense ou morar no Estado há mais de 10 anos e ter ao menos um livro publicado.

 

Os 37 imortais estão aptos a votar. Cada um deve escolher três nomes, um para cada cadeira. Pelo regimento, a votação poderá ser feita presencialmente (para aqueles que residem no Piauí) ou o voto pode ser enviado em envelope lacrado pelos Correios (para os imortais que moram em outros estados).

 

A comissão eleitoral é presidida pelo professor Fonseca Neto, tendo como membros Magno  Pires, Reginaldo Miranda, Elmar Carvalho e Dilson Lages. É essa comissão que comandará todo o processo. Os votos, tanto os presenciais como os enviados, serão depositados numa urna. Ao final do horário estabelecido, a comissão abrirá a urna e fará a contagem dos votos referentes a cada uma das cadeiras. O resultado é proclamado ao final da apuração.

 

Candidatos

 

Cadeira 18

 

– José Itamar Abreu Costa

– José Gregório da Silva Júnior

 

Cadeira 24

 

– Enéas do Rego Barros

– Eduardo Lins Cavalcante

– Gregório de Moraes

– José Maria de Carvalho

– Kernard Kruel Fagundes dos Santos

– Maria Gomes Figueiredo dos Reis

– Moisés Angelo de Moura Reis

– Plínio da Silva Macêdo

 

Cadeira 32

 

– Edgar Pereira

– Felipe Mendes de Oliveira

– Francisco Teotônio da Luz Neto